ISO da Inovação: como vai funcionar essa nova norma?

Para Alexandre Pierro, especialista em Sistema de Gestão Integrado, a nova ISO deve impactar todos os segmentos do Brasil, desde a indústria até os prestadores de serviços

Perante as constantes transformações advindas das novas tecnologias e do comportamento de mercados emergentes, a inovação passou a ser uma demanda latente em todas as organizações — principalmente pelo surgimento da indústria 4.0.

A ISO – International Organization for Standardization, conhecida internacionalmente por ser a maior empresa de desenvolvimento e publicação de normas no âmbito das normalizações, atualizou recentemente as melhores práticas de inovação adotadas em seus 163 países membros. Com isso, o resultado do processo gerou a ISO 56.002, destinada à disseminação da cultura de inovação nas empresas.

Para Alexandre Pierro, especialista em Sistema de Gestão Integrado e sócio-fundador da Gestão Palas, empresa especializada em consultoria e assessoria na gestão empresarial e apresentador da série Excelência em Gestão, do Administradores Premium, trata-se de uma norma certificável, que pode ser implementada em qualquer porte ou segmento empresarial.

"Seu objetivo é ampliar o acesso às técnicas, metodologias e ferramentas de inovação, democratizando o acesso a essa nova cultura", diz Pierro.

Para o especialista, essa inovação irá realizar, no mercado brasileiro, a mesma mudança de paradigma que a qualidade trouxe nas décadas de 80 e 90 e, assim, deve impactar toda os segmentos, desde a indústria até os prestadores de serviços.

Dados internos da FIESP/CIESP apontam que apenas 2% das empresas brasileiras estão aptas para migrar para a indústria 4.0 atualmente. Nos EUA e Europa, o índice sobe para 50%.

"Fica evidente que as nossas empresas precisam se reestruturar e se adequar as novas mudanças o quanto antes. Apenas dessa forma as empresas brasileiras poderão ser competitivas tanto no mercado interno como o externo", opina.

De acordo com Alexandre, por ser uma nova norma o mercado ainda não tem conhecimento desse novo viés e, portanto, a demanda ainda está abaixo do seu potencial.

"Porém podemos citar alguns benefícios que enxergamos que a empresa conseguira obter em um espaço curto de tempo após a implementação do Sistema de Gestão em Inovação, como tornar-se uma empresa de referência em inovação, promover maior engajamento entre todas as partes interessadas, criar uma cultura de melhoria com base em inovação, gerenciar o conteúdo dos insights gerados pelos colaboradores e consumidores, criar novos produtos e mercados, ampliar o escopo de atuação, criar produtos com maior valor agregado, adequar a empresa para as mudanças da Industria 4.0 e facilitar a integração com as demais normas de classe mundial da ISO.

Quando perguntado sobre os critérios que essa norma vai levar em conta para definir se uma empresa poderá ser certificada ou não, Alexandre explicou que ela levará em conta alguns aspectos básicos de gestão como controle de documentos, analise de indicadores, suporte da Alta direção, entre outros.

"Porém, haverá uma ênfase muito grande em seis princípios que foram determinados como necessários para a criação de inovação", destacou o empresário.

Abaixo você confere os seis princípios básicos para a inovação e uma breve explicação sobre, elaborada pelo especialista em sistemas de gestão Alexandre Pierro:

Liderança visionária: Os líderes de uma organização precisam ser inspiradores e visionários. Quando a liderança tem o mindset voltado para inovação, ela é capaz de direcionar as pessoas e criar processos que viabilizem esse futuro emergente. Os líderes precisam estar focados e motivados com o futuro, antenados sobre inovação.

Gestão de insights: Com a implementação da norma, a empresa passa a ter uma política de gestão para novas ideias. Quando um colaborador ou consumidor tem um insight de melhoria, independentemente de ser em um processo, produto ou serviço, existe um procedimento para tratar essa ideia, testá-la e fazê-la seguir adiante para ser implementada. A ideia não morre sem antes ser ouvida.

Domínio das incertezas: Gestão de riscos é indispensável em todas as empresas, mas cada uma tem sua própria forma de pensar os perigos, ameaças e oportunidades. Com a inovação, é possível fazer uma análise diferente sobre vulnerabilidades e, a partir disso, identificar melhorias.

Cultura adaptativa: Resiliência e flexibilidade são habilidades cada dia mais exigidas pelo mercado. Quando analisamos essa norma, a cultura adaptativa é um dos maiores benefícios. Trata-se de criar um comportamento de adaptabilidade, onde é possível identificar as demandas do mercado, olhar as tendências e as oportunidades.

Espírito colaborativo: Ainda permeando a cultura, o próximo grande benefício fala sobre desenvolver a capacidade de estar aberto para a colaboração. Trata-se de um hábito onde as pessoas possam falar abertamente e também aprendem a ouvir. Criar esse canal de diálogo é indispensável para fazer florescer a inovação.

Propósito Massivo Transformador: A razão de existir de uma empresa vai muito além de satisfazer aos desejos de seus acionistas. Os consumidores atuais querem entender o propósito das marcas e esses precisam ser massivos e transformadores. O processo de gestão da ISO vai direcionar para que isso aconteça e, para que a missão vá muito além de ser a maior de seu segmento ou lucrar mais.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.