Um pouco sobre a história do Marketing

O marketing passou por diversas fases em sua recente história no Brasil: 1ª fase na década de 1950, 2ª fase em 1960, 3ª fase nos anos 1970, 4ª fase 1980, e 5ª fase nos anos 1990 e início do século XXI

Foi a Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas, em 1954, que introduziu o conceito de marketing, ou mercadologia no Brasil. Tendo sido aportuguesada a palavra marketing no final de 1980.

A partir daí o marketing passou por diversas fases em sua recente história no Brasil: 1ª fase na década de 1950, 2ª fase em 1960, 3ª fase nos anos 1970, 4ª fase 1980, e 5ª fase nos anos 1990 e início do século XXI.

1ª Fase do Marketing no Brasil – 1950 – O início de uma história

No Brasil da década de 1950 houve uma rápida aceleração da economia em consequência do espirito otimista que pairava em virtude dos ideais de Juscelino Kubitschek e da implantação da televisão no país. Vale atentarmos para o detalhe de que o marketing nessa primeira fase era absolutamente primitivo, até mesmo porque o Brasil tinha uma economia baseada no campo e as pessoas que viviam nas cidades não tinham recursos financeiros ou mesmo a concorrência era quase que totalmente inexistente.

Foi justamente nesse período que houve a vinda e desenvolvimento de grandes organizações com suas marcas que fizeram história e detém de boa parte da fatia do mercado consumidor até hoje a exemplo de Leite Moça, Maizena, etc. Essas marcas souberam usar bem, apesar da escassez de recursos técnicos, os meios de que dispunham: rádio, revistas e jornais. Divulgando seus produtos de modo tão que ficaram até hoje na memória de muitos brasileiros como produtos únicos, confundindo-se até mesmo a marca e o produto em si.

As agências de publicidades desenvolviam as propagandas com base no que empresas americanas determinavam, ou seja, ninguém tinha muita liberdade para criar ou quando tinham essa liberdade não tinham criatividade suficiente para desenvolver uma boa campanha. Mas houve uma minoria que decidiu abrasileirar o marketing principalmente nas propagandas das telenovelas que fazia sucesso no rádio.

Nesse momento o marketing começou a ser estudado. Foi a Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas, em 1954, que introduziu o conceito de marketing, ou mercadologia no Brasil. Tendo sido aportuguesada a palavra marketing no final de 1980.

2ª Fase – 1960 – O Marketing sobreviveu ao golpe

Já no início dos anos sessenta os profissionais da propaganda e vendas tiveram de frear suas expectativas, pois devido ao golpe militar a economia teve uma forte queda. Somente do final dos anos sessenta a economia voltou a crescer e pode-se fazer mais investimentos no marketing.

Investimentos em comunicação e transportes foi o combustível que proporcionou ao marketing um impulso junto ao crescimento aparente onde os consumidores e produtores tiveram a facilidade de uma nova estrutura do sistema de mercado.

Mas o que realmente proporcionou uma contribuição bastante significativa no desenvolvimento do marketing foi a logística facilitada pela construção de rodovias e ferrovias fazendo crescer redes de lojas especializadas como nunca antes visto no Brasil.

Foi também nesse período que houve um considerável crescimento dos investimentos em propaganda fazendo crescer as agências de publicidade em todo o país, em especial o eixo Rio-São Paulo que é referência no desenvolvimento da propaganda nacional.

3ª Fase – 1970 – Brasil brincando de rico

Anos setenta, o Brasil tem um explosão de crescimento aparente contraindo empréstimos junto aos bancos internacionais e mesmo nacionais. Nesse primeiro momento o Marketing teve uma ótima oportunidade, pois os consumidores tinha poder de compra e a inflação estava aparentemente sob total controle.

Mas o detalhe crucial para o Brasil na época foi o fato de o mundo sofrer uma crise de petróleo atrapalhando o desenvolvimento industrial, principalmente, crescíamos a incríveis médias de 10 % ao ano. E com certeza o marketing foi o principal beneficiário levando em conta que o mercado consumidor estava aquecido em virtude da fartura de recursos disponíveis.

Vale lembrarmos aqui também que como o consumidor estava comprando mais as indústrias também precisavam produzir mais e isso fez com que os gestores não investissem mais ainda em estratégias de marketing para investirem nos processos de produção das fábricas. Mesmo assim o marketing não foi abandonado, pois os industriais perceberam que precisavam ser lembradas pelos consumidores para poderem vender suas produções. Surgira então o Marketing de relacionamento com o cliente, ou marketing de consumo.

4ª Fase – 1980 – Chegaram as contas

Nos anos 1980 chega a hora de o Brasil pagar a dívida. O dinheiro tinha que ser tirado de algum lugar, então foi tirado justamente das famílias consumidoras. As vendas despencaram, os investimentos foram subtraídos drasticamente e o Brasil parou de brincar de rico. A inflação ficou sem controle total e o período entre 1980 e 1995 foi chamado de “anos das ilusões perdidas”.

A economia estagnou, os programas de investimentos foram interrompidos, o marketing perdeu importância levando em conta que não fazia sentido investir em algo que não seria útil já que as famílias não podiam comprar de tudo, apenas o básico.

Apesar de tudo isso houve ainda um ponto positivo nesse período, visto que se aprendeu a lidar com recursos disponíveis e situações de crise por parte dos profissionais e até mesmo das famílias.

5ª Fase – 1990 – Uma nova moeda

Década de 1990, finalmente surge uma luz no fim do túnel. Há a retomada do crescimento especialmente após o plano real, e o marketing voltou a receber investimentos, tornou-se então mais científico e orientado para resultados.

O uso intensivo da informática proporcionou uma economia bastante considerável no processo de vendas assim como o surgimento da necessidade de treinamento de pessoal. Surge nessa década a chamada “gestão de risco” devido a preocupação que investimentos não tenham o retorno esperado e necessário.

Vemos aqui que o marketing passa a ter uma aparência mais flexível, ágil e adaptável para um mercado de consumidores mais exigentes e metamórficos.

Marketing no século XXI

Com o advento da globalização do mercado tem-se a necessidade de uma abordagem voltada para o mundo como um mercado único. Vemos atualmente que desenhistas europeus fazem seus projetos e estes são executados na América e vice-versa. Assim como devido a empresas serem multinacionais suas campanhas são em sua maioria as mesmas em todas as filiais em todos os países do mundo.

Ao passo que é importante destacarmos também que não existe a possibilidade de todas as marcas terem o mesmo público e valor de mercado tal qual Apple, Google, Coca-Cola, etc. tendo em vista essa condição vemos que não faz sentido uma empresa do segmento de desenvolvimento de softwares e smartphones que nasce hoje atacar diretamente a Apple que é hoje a marca mais valiosa do mundo.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Edjailson Silva

    Edjailson Silva

    Apenas mais um ser humano em meio a bilhões... mas único!

    café com admMinimizar