Para "brilhar", você não precisa "apagar" a luz do outro...

Conforme já dizia Bernard Mannes Baruch (1870 - 1965), "você não precisa apagar a luz de outra pessoa para que a sua brilhe"

Reconhecer o que o outro tem ou fez de bom, de positivo, não vai te "diminuir", muito pelo contrário: vai demonstrar que que você é realmente "grande", uma pessoa que possui grandeza de alma, de espírito.

Descer um degrau do pedestal da arrogância e da prepotência vai te fazer subir mil degraus na sua evolução como ser humano, como pessoa.

Conforme já dizia Bernard Mannes Baruch (1870 - 1965), "você não precisa apagar a luz de outra pessoa para que a sua brilhe".

Esse "novo" paradigma e maneira de pensar pode soar como piada hoje, especialmente no atual cenário de politicagem explícita em que vivemos no Brasil, onde a inversão de valores é algo "nunca antes visto na história desse país...".

Mas, infelizmente, essa realidade não é algo exclusivo do ambiente político ou politiqueiro partidário.

Essa maneira distorcida de pensar, do jeitinho, da malandragem, é muitas vezes confundida com "competência". Essa é uma das grandes causas de toda essa sujeira e desequilíbrio que estamos vendo hoje no país, e que infelizmente também está impregnada nas mentes de muitos gestores e funcionários no ambiente empresarial, e em praticamente todas as outras áreas da nossa sociedade.

Em muitos ambientes corporativos, por exemplo, ninguém assume, ninguém admite, mas o "bom" funcionário ou gestor, é aquele que possui a maior "habilidade" de manipulação e dissimulação, um mestre em detonar com os outros, "eliminar desafetos", muitas vezes de forma sutil, nos bastidores, para "se dar bem", para se manter ou ajudar a manter alguém no poder.

Por isso, a situação no Brasil somente vai mudar de forma efetiva e duradoura, quando esse tipo de mentalidade ou de "mindset", for sendo reduzido, eliminado do nosso dia a dia, nas nossas atitudes diárias, em todas as áreas...pessoal, familiar, profissional, empresarial...até chegar no âmbito político.

A corrupção, o caos político e econômico, entre outras questões que enfrentamos no Brasil, não são "causas", são apenas "consequências" da maneira de pensar de grande parte da população brasileira, infelizmente. Aí está a "raíz de todos os males", mas aí está também a "solução" para todos males da nação.

Concluo citando o grande psiquatra norte-americano Milton Erickson (1901 - 1980), autor da famosa frase: "no veneno está também o antídoto".

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento