Networking e Marketing Pessoal

No mundo atual, os relacionamentos estão cada vez mais virtuais. Temos em mãos poderosas ferramentas de comunicação mas muitas vezes não extraímos os benefícios que podem nos oferecer. Compreender o Networking e o Marketing Pessoal poderá nos ajuda a explorar melhor os benefícios dessas conexões.

Mas, o que é Networking?

Networking é estabelecer uma rede de relacionamentos pessoais, que permitem a troca de idéias, conselhos, informações, referências, contatos, sugestões, na qual os recursos, habilidades e talentos são compartilhados e agregados.

É criar, manter e usufruir de sua rede de contatos, de forma consciente e sistemática, com a proposta de alavancar seus objetivos pessoais e profissionais. O que move o networking é a troca de informações, a socialização de experiências, um toque de calor humano às informalidades do dia-a-dia. Portanto, não é somente organizar listas ou grupos de contatos de emails ou telefones. Não é aumentar a quantidade de amigos no Facebook ou Linkedin se os mesmos não fazem parte de seus interesses pessoais ou profissionais. O networking vai além disso. O networking exige que você exercite o hábito de manter contato com os integrantes da sua rede.

O networking é uma ferramenta de gestão.

Devemos entender por que é importante manter uma rede de relacionamentos.

Ela é importante para ter visibilidade, gerar oportunidades, ampliar conhecimentos técnicos e proporcionar um feedback que auxilia no redirecionamento profissional ou social.

O networking também funciona como uma rede propaganda gratuita e natural, através da qual nascem novas amizades, novas propostas de empregos ou de negócios. Aumenta-se a cumplicidade.

Para começar sua rede de relacionamentos, primeiro deve-se planejar. Faça as seguintes perguntas: Onde estou? Onde quero chegar? Como chegar? Quais recursos necessito e quais disponho?

Cadastre os contatos pessoais: amigos, colegas de trabalho e de faculdade. Reative antigos contatos. Alimente sua rede com novos contatos. Cultive relacionamentos com telefonemas, cartas, e-mails, agradecimentos, etc.

Circule, conheça gente. Freqüente eventos de seu interesse. Dê uma força a um amigo, afinal não é jogo de interesses. Organize e classifique sua rede em grupos (negócios, particular, faculdade...).

Tenha em mente que o networking é feito por pessoas, não existe relacionamento entre empresas, mas sim entre as pessoas.

Teste seu networking. Faça as perguntas: Quem conheço do último emprego? Quem conheço do emprego atual? Quem conheço da faculdade? Quem são meus visinhos, parentes e amigos mais chegados? Quem eu convidaria para um evento particular?

O networking é tão importante quanto a competência profissional. Uma boa rede de contatos faz com que a pessoa adquira informações que podem representar oportunidades. Também ajuda a resolver problemas que, sozinha, ela não conseguiria resolver. Não adianta ser competente se você não consegue fazer com que suas competências e a qualidade de seu trabalho cresçam e apareçam.

Transmita acessibilidade por meio de linguagem corporal e expressões. Contato visual é importante, olho no olho. Não mantenha contato virtualmente somente, encontre as pessoas pessoalmente também. O calor humano é importante. Crie conexão com os outros observando sua linguagem verbal e não verbal. Coloque menos barreiras para as pessoas entrarem em contato com você. Preocupe-se com as palavras que vai usar. Use o bom senso na hora de vestir. Aqui entra também um pouco do marketing pessoal.

Há alguns obstáculos que podem atrapalhar o networking. Para muitas pessoas, o mais difícil é superar algumas deficiências como a timidez, a baixa auto-estima, o medo de se expor em público e a arrogância. Para superar esses obstáculos é preciso compreender como cada um deles pode influir em nosso comportamento:

  • Timidez – todos nos sentimos embaraçados diante de determinadas situações, é preciso descobrir e enfrentar as causas;
  • Medo – é um sentimento fundamental na vida do ser humano, ele nos faz tomar cuidados, mas o problema é quando ele se torna exagerado;
  • Baixa auto-estima – o indivíduo não confia em si mesmo, é preciso buscar confiança;
  • Arrogância – ter sucesso é um bom sinal, mas é preciso tornar cuidado, pois pode "subir na cabeça", é necessário rever conceitos, cultivar a humildade, não querer "aparecer" sempre.

Aonde entra o Marketing Pessoal?

Fazer networking é importante, mas de nada adianta ter uma boa rede de relacionamentos se não se sabe "vender o peixe". Por isso, associado ao networking, deve-se fazer uso do marketing pessoal. Você precisa destacar suas qualidades e seus feitos para aqueles que fazem parte da sua rede, passando uma imagem desejável. Nada de ficar só contando vantagens.

Sua imagem (postura, atitudes, resultados, etc.) é a sua marca pessoal. Para divulgar sua marca, é importante conhecer e cumprir algumas regras:

  • Sua marca tem que estar ligada a valores, não adianta querer parecer algo que não acredita. Seja coerente;
  • Construir a marca implica autoconhecimento, de forma a corrigir os pontos fracos e valorizar o que se tem de melhor;
  • É preciso demonstrar as competências com atitudes;
  • Não seja superficial, se não domina o assunto, diga a verdade. Aproveite para aprender;
  • Não demonstre aversão ao trabalho e conhecimento, são os valores mais respeitados do mercado;
  • Seja simples e direto;
  • Vá além das tarefas cotidianas, procure descobrir em que mais pode contribuir para chegar aos resultados;
  • Exercite a criatividade e controle a ansiedade;
  • Coordene projetos dentro e fora da empresa;
  • Não trate os colegas como concorrentes, é preciso ter aliados;
  • Nunca abadone um trabalho no meio;
  • Retribua favores;
  • Aja como um empreendedor;
  • Faça críticas construtivas, ofereça soluções e alternativas.

Por fim, entenda que manter uma rede de relacionamentos pode ajudar a atingir os objetivos pessoais e profissionais.

Exibir