voltar para Produção Acadêmica

Uma reflexão sobre o uso da teoria sistêmica para a compreensão do fluxo da informação nas organizações

A efetividade na atuação de uma organização depende fundamentalmente da atenção ao ambiente na qual está inserida. Uma organização que procure expandir as fronteiras de seu ambiente, ou que procure defender seu ambiente da expansão de outras organizações, precisa monitorar e interpretar adequadamente uma série de elementos. Neste sentido, a perspectiva trazida pela teoria sistêmica pode trazer relevantes contribuições. A compreensão de uma organização a partir da relação entre seus diferentes subsistemas permite aos gestores refletir melhor sobre as mudanças que venham a ocorrer no ambiente (e seu impacto na organização), bem como as mudanças que venham a ocorrer na organização (e seu impacto no ambiente). Assim, é objetivo deste artigo apresentar algumas considerações sobre as diferentes formas de coleta e processamento de dados e informações a serem utilizadas pelas organizações e como estas formas podem ser alavancadas pelo uso de Tecnologias da Informação (TI). Para tanto, realizou-se uma revisão do fluxo da informação a partir da essência da teoria geral dos sistemas para, então, apresentar algumas reflexões sobre a coleta e organização de diferentes tipos de dados advindos de diferentes fontes e com diferentes finalidades.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    Ricardo Costa

    Tenho experiência na área de Administração, com ênfase em Sistemas de Informação e de Apoio à Decisão, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão da Informação, Análise de dados, Tomada de Decisão e Processo de Compra e Adoção de TI. Cursei Administração com ênfase em Marketing na UFRGS, definindo indicadores de resultados e impactos de atividades de P&D em empresas. Prossegui os estudos na área de Gestão da Informação, realizando mestrado e doutorado pelo PPGA/EA/UFRGS. Sou membro colaborador no grupo de estudos GIANTI e da Associação Brasileira de Inteligência Competitiva (ABRAIC) e atuei como pesquisador visitante na Tel Aviv University (TAU) durante 2009. Atualmente, coordeno projetos de análise de dados quanti e qualitativos (advindos de fontes internas e externas) para apoio à tomada de decisão e participo de projetos fomentados pelo CNPq, Capes e FAPERGS em interação universidade-empresa.

    Veja meu blog.
    Siga-me no twitter.
    Encontre-me: no Linkedin / no Facebook.

    Exibir