voltar para Produção Acadêmica

Porque as redes sociais podem acabar com o seu emprego

As empresas estão cada dia mais interessadas em mudar o foco de suas comunicações de forma que sejam mais interativas com seus clientes, mas e a sua equipe? Mesmo que você esteja louco para falar sobre uma reunião horrível que teve tente que se controlar, apesar do Twitter ser seu e você ter todo o direito de falar o que bem entender ainda prestas serviços a alguém, e esse seu impulso pode causar um grande desconforto.

Este não é mais um texto falando sobre grandes demissões por conta de comentários infelizes no Twitter, como foi o caso do editor da revista National Geographic Brasil, do executivo da Locaweb ou da editora sênior da CNN. Ou mesmo debater sobre qual seria o comportamento ideal de um funcionário nas redes sociais. É um texto para mostrar como pessoas comuns de empregos comuns (leia-se de empresas não tão famosas quanto as citadas anteriormente) praticamente imploram para terem problemas nos locais em que prestam serviço.


Independente das pessoas falarem ou não o nome da organização é sempre bom prestar atenção no que está sendo dito. Afinal é bem provável que tenham conhecidos, amigos ou até mesmo colegas de trabalho participando da sua rede. E as consequências podem ser graves.


E nem só de comentários no Twitter que o mundo vive. Foi com esse objetivo que recorri as buscas do Facebook, Orkut e Twitter com uma simples expressão: "meu chefe". O que encontrei é realmente incrível. Se os tais chefes e os RHs ficassem de olho no comportamento de seus funcionários poderiam evitar problemas que possam surgir até mesmo com os clientes. E veja bem, não estou falando sobre o pessoal, mas sim no que diz respeito aos interesses da organização. E nesse caso acredito que o interesse é grande.


Algumas das pérolas que encontrei no Twitter:


"Dá raiva ficar a toa no estágio e meu chefe não deixar eu ir embora. Sinto q envelheço e desgasto meu emocional diariamente nesse escritório."


"E ai q meu chefe diz q eu num faço nada.. e qdo dependo dele pra trabalhar, ele me enrola a tarde toda!¬¬"


"Porque meu chefe é um mala sem alça!!!"


"18:23 e meu chefe me da coisa pra fazer.. PQP!"


"Nunca tive tanta vontade de pular no pescoço da minha chefe como hoje PQP grrrrrrr..."


"Pô hj tive que trabalhar, mesmo gripadaço, de férias e emprestando o violão pro meu chefe ele me chama pra trabalhar '¬¬"


"Se meu chefe me pega no twitter... hauahauhuauah"


Já no Orkut são as comunidades que expõem de forma ainda mais clara as opiniões:


Meu chefe é um vagabundo (1.356 membros)

Meu chefe pensa que é Deus!! (1.623 membros)

Meu chefe me estressa (1.564 membros)

Eu odeio meu chefe (961 membros)

Meu chefe é um mala sem alça (546 membros)


Sejamos francos, se você é (ou fosse) um administrador e visse que seu empregado está em uma dessas comunidades iria pensa o quê?


E por fim, e não menos importante, o Facebook e suas postagens incríveis:


"Ai q vontade de assar meu chefe no espeto... Igual ao desenho do Pica-Pau, sabe?"


"Fala sério chefe não entende mesmo, trabalho é uma troca, eu preciso do salário ele precisa do meu serviço, até aí tudo bem, o que ele não entende é que há limites em como se falar com alguém."


"Soninho...tô com medo de levar grito do meu chefe na segunda. Se ele gritar eu posso mandar à merda?"


"Algumas vezes acho que meu chefe é um completo idiota. Mas só algumas vezes, pq na maioria eu tenho mesmo é certeza.."


Se as empresas estão tão interessadas assim em mudar o foco de suas comunicações de forma que sejam mais interativas com seus clientes, porque sua equipe também não pode adotar a mesma postura? Mesmo que você esteja louco para falar sobre uma reunião horrível que teve tente se controlar, apesar do Twitter ser seu e você ter todo o direito de falar o que bem entender ainda prestas serviços a alguém, e esse seu impulso pode causar um grande desconforto. #fikaadica!

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    Fernanda Fabian

    Estudante de Relações Públicas da Unisinos/RS, redatora, social media, webwriting. Colaboradora dos blogs Mídia Boom (www.midiaboom.com.br) e O Cappuccino (www.ocappuccino.blogspot.com).

    Exibir