O fim do fordismo

Fordismo, Toyotismo, USA, Japan, economia Texto 100% de jornal e revistas

O Fim da Era Ford.

Indústria Automobilística – O rebaixamento das montadoras de Detroit confirma o declínio do modelo que enriqueceu os EUA.

Os títulos das duas maiores empresas industriais dos Estados Unidos são rebaixadas a investimentos especulativos (junk bond), isso jamais havia acontecido com empresas com o porte e a tradição da GM e Ford.

Antes de 5 de maio de 2005, a empresa mais importante dos EUA a sofrer tal indignidade havia sido a WoldCom. Depois de dois meses e um sério escândalo contábil, a empresa pediu a maior concordata da história do seu país até aquela data, da qual sairia muito reduzida, dois anos depois.

A dívida da GM, em março de 2005, era de USD 291,8 bilhões. Pagou USD 12 bilhões em juros em 2004, valor comparável ao dos encargos da dívida mobiliária federal brasileira em 2004 e pouco menor que o dos encargos da dívida externa. Em 10 de maio, o valor de mercado da GM era de 17,8 bilhões, menos que os USD 18,9 bilhões que diz ter em caixa.

A dívida da Ford é de USD 161,3 bilhões. Grande pa