Entre o oriente e o ocidente: representações sociais de lideranças da uni-yôga em Santa Catarina

O objetivo desta dissertação é investigar as representações sociais de lideranças da Uni-Yôga em Santa Catarina sobre as dualidades valorativas e práticas (orientais-ocidentais) que perpassam a cultura da organização e o estilo de vida que ela promove.

RESUMO: O objetivo desta dissertação é investigar as representações sociais de lideranças da Uni-Yôga em Santa Catarina sobre as dualidades valorativas e práticas (orientais-ocidentais) que perpassam a cultura da organização e o estilo de vida que ela promove. Estudar organizações não-convencionais é sempre um desafio teórico, já que isso implica em fazer diversos ajustes entre os níveis empírico e o abstrato. Entretanto, tal desafio também pode ser um fator motivador da pesquisa e abrir espaços novos para o desenvolvimento dos estudos organizacionais. Para alcançar o objetivo acima, a pesquisa partiu do referencial teórico-paradigmático do paradigma da complexidade (sem intenção de aprofundá-lo) e especialmente da teoria das representações sociais. Por meio de pesquisa bibliográfica, elaborou-se uma base conceitual a respeito de Yôga e filosofia indiana. Outros procedimentos metodológicos podem ser destacados da seguinte forma: a) estudo das representações sociais em uma análise organizacional multinível; b) pesquisa do tipo qualitativo, ou seja, com base no conhecimento socialmente construído e nos valores compartilhados pelos integrantes da organização; c) destaque às lideranças das seis unidades da rede Uni-Yôga situadas em Santa Catarina, nos municípios de Florianópolis, São José e Joinville; d) uso de fontes documentais, principalmente livros e artigos; e) utilização de instrumentos como entrevistas abertas, observação direta e análise documental. Os resultados encontrados na pesquisa apontam no sentido de que os indivíduos integrantes desta rede organizacional têm um estilo peculiar de vida e de administrar a organização. Portanto, essas lideranças possuem suas próprias visões de mundo sobre a filosofia de vida prática que cultivam – o Swásthya Yôga, com suas respectivas peculiariedades. O estudo incluiu aspectos diversos, como conceituação, origem, desenvolvimento, evolução, ramificações, tipos de Yôga, características, público alvo, método utilizado, perfis de instrutores e praticantes. As representações sociais indicam percepções compartilhadas sobre diversos tópicos: mudança de visão de mundo a partir da prática de Yôga, valores orientais concretizados em hábitos, influência do instrutor de Yôga enquanto líder, liderança do Mestre DeRose, codificador do Swásthya Yôga e líder maior da Uni-Yôga, peculiariedades da Uni-Yôga, administração participativa, clima organizacional e solução de conflitos, dificuldades enfrentadas enquanto organização multicivilizacional, trajetória de lideranças e suas respectivas metas e desafios, planejamento estratégico, conflitos entre valores ocidentais modernos e orientais antigos, entre valores organizacionais e individuais, crescimento da Uni-Yôga em Santa Catarina, no Brasil, bem como sua internacionalização, contribuição social, humana e ambiental.

Palavras-chave: Representações Sociais. Yôga. Liderança. Estilo de Vida. Qualidade de Vida.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    Helio Cruz

    Administrador, professor e consultor.

    Exibir