voltar para Produção Acadêmica

ELDER MINE - CAPITALIZANDO O CONHECIMENTO

Um projeto que pretende desenvolver uma relação de confiança entre o Tutelando e um Tutor personalizado, customizado, de abrangencia holística, que tenha valor a adicionar ao Tutelado, que siga seus passos e dificuldades que a vida corporativa apresenta no dia-a-dia e que indique as minas do conhecimento a serem exploradas.

Não faltam teóricos, modelos e experiências que demonstrem a importância da multidisciplinariedade. Todavia, continuamos a ver o conhecimento sendo segmentado, a pretexto do aprofundamento nas questões, sem que a coesão, uma visão mais abrangente dando sentido ao todo seja cultivada resultando na fragmentação do “conhecimento”, tendendo a torná-lo em uma variedade enorme de “informações estanques”.

Matemática, Física, Química, Biologia, História, assim como tantas outras disciplinas estudadas no ensino fundamental e médio, Administração, Psicologia, Sociologia, Engenharia estudadas de forma isolada excluindo o contexto ou a correlação entre elas, em oposição às Ciências Exatas e Ciências Humanas, como era assim organizado o conhecimento no passado para um mundo menos complexo e mais desconhecido.

Não obstante, teóricos e estudiosos foram fruto de um sistema mais abrangente. Einstein, Jung, Darwin, Planck, Froebel entre tantos, cada qual a seu tempo e ambiente, partiram de uma visão de mundo mais ampliada, coesa e interconexa para formularem um dado conhecimento específico.

A propósito Johann Heinrich Pestalozzi (1746 – 1827), pedagogo suíço, educador e grande admirador da obra Jean-Jacques Rousseau, afirmara: “... o verdadeiro trabalho de minha vida não se deu em Burgdorf ou em Yverdon. Estava em meus primeiros momentos como educador, com a minha observação, a preparação do homem integral, a prática junto aos órfãos de Stans...”. Ele continua: "A vida educa, mas a vida que educa não é uma questão de palavras, e sim de ação. É atividade”.

Parafraseando o iluminista Rousseau (1712 – 1778), pensador suíço, o homem nada deve obter porque pede, mas porque precisa, nem fazer nada por obediência, mas por necessidade.

Admirado com devoção por Robespierre, um dos mais apaixonados líderes da Revolução Francesa, Rousseau dizia ainda que um dos sintomas das falhas da civilização em atingir o bem comum é a desigualdade, que pode ser de dois tipos: a que se deve às características individuais de cada ser humano e aquela causada por circunstâncias sociais.

O primeiro tipo de desigualdade, para o filósofo, é natural; o segundo deve ser combatido. A desigualdade nociva teria suprimido gradativamente a liberdade dos indivíduos e em seu lugar restaram artifícios como o culto das aparências e as regras de polidez. Uma afirmativa feita no século XVIII ainda tão atual.

Isto demonstra a visão ampliada de mundo presente entre grandes expoentes do pensamento nos séculos XVIII e XIX, muito além da transdisciplinaridade, produto da inquietação de homens mais integrais que buscavam equilibrar conhecimento teórico, aprendizado através da observação, da vivencia e da prática constante.

É hora de integrar o conhecimento, de contribuir para a consolidação de profissionais integrais trabalhando as habilidades e competências necessárias para papéis que eles almejem atingir, ou encontrar a excelência nos papéis que já cumprem ou ainda para o redirecionamento de suas carreiras.

É neste contexto que cada profissional deve eleger um Tutor que lhe ajude a integrar os conhecimentos teóricos, habilidades e práticas que este traga em sua bagagem acumulada ao longo de uma carreira de sucesso construída e reconstruída sobre o aprendizado obtido também sobre a observação dos erros e acertos de si mesmo e de seus pares.

Já discorri sobre o tema gerações e organizações onde apontava a necessidade da reconstrução do papel do Tutor, aquele que conduz, que segue, que apoia, critica e acompanha mas que sobretudo transfere parte de sua bagagem pessoal, do conhecimento não formal, do desenvolvimento do profissional no sentido mais amplo.

É neste contexto que surge o Projeto Elder Mine, que não de trata somente de Coaching, Mentoring ou Consulting. Trata-se de todas as três modalidades de assessoria adicionadas de um conteúdo não formal feito das experiências, do resultado da observação e adoção de práticas adaptadas à realidade do Tutelando por profissionais seniores que, através de um esforço constante e duradouro, provoquem a mudança desenhada na busca do profissional integral.

Projeto Elder Mine, um projeto que pretende desenvolver uma relação de confiança entre o Tutelando e um Tutor personalizado, customizado, de abrangencia holística, que tenha valor a adicionar ao Tutelado, que siga seus passos e dificuldades que a vida corporativa apresenta no dia-a-dia e que indique as minas do conhecimento a serem exploradas.

Valmir Mondejar mais sobre.... 24/08/2013

Quer receber mais artigos? Clique aqui

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    Valmir Mondejar

    Exibir