voltar para Produção Acadêmica

AUTO-ESTIMA: O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM AUTOVALOR

FACULDADE BAGOZZI - CEPPEB
CENTRO DE PÓS-GRADUAÇAO, PESQUISA E EXTENSÁO BAGOZZI
IATES – INSTITUTO DE ACONSELHAMENTO E TERAPIA DO SENTIDO DE SER

AUTO-ESTIMA: O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM AUTOVALOR

ALÉSCIO APARECIDO BOMBONATTI
MARIA ELIETE CARVALHO DE ALBUQUERQUE


Trabalho de conclusão de curso apresentado à Faculdade Bagozzi – Centro de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Bagozzi e IATES – Instituto de Aconselhamento e Terapia do Sentido de Ser – como requisito para obtenção de título de Especialização em “COUNSELING”. Sob orientação do Prof. Esp. Vicente Gomes de Melo Filho.

CURITIBA
2005
TERMO DE AVALIAÇÃO

AGRADECIMENTOS
Ao Professor Especialista Vicente Gomes de Mello Filho, pela orientação, paciência e contribuição de sugestões na revisão do texto original.
Aos colegas do curso Counseling, pelo imenso companheirismo de caminhada e reflexão a partir do que é Counseling Aconselhamento com o objetivo de assimilar, segundo a Associação Européia de Counseling, que define: “É um processo interativo entre um ajudador e um ajudado, que aborda com a ótica holística, temas sociais, culturais, econômicos e emotivos. Pode centrar-se sobre o como afrontar e resolver problemas específicos, sobre que decisões tomar, sobre como superar uma crise e sobre como melhorar os relacionamentos. Visa proporcionar um maior crescimento em termos de consciência pessoal e conhecimento de si, trabalhando emoções e conflitos”. Seu objetivo global é oferecer ao indivíduo uma oportunidade de trabalhar com processos por ele escolhidos e definidos, a fim de alcançar uma vida mais saudável.
À equipe do IATES – Instituto de Aconselhamento e Terapia do Sentido de Ser, que se posiciona socialmente como uma associação que busca construir uma interface entre as ciências do comportamento e a tradição judaico-cristã. Mediante constante reflexão, vem abrindo espaços apropriados para que as pessoas possam participar mais profundamente dos processos de construção da própria personalidade e assim, levar uma vida mais saudável. Não tem sido um processo intelectual, ou mesmo um estudo sobre o ser humano, ainda que este seja considerado fundamental para as ciências humanas.
SUMÁRIO

Introdução

I - A AUTO-ESTIMA E A LOGOTERAPIA
- A busca do homem no contexto filosófico
-científico e as origens da
- Logoterapia
- O inconsciente espiritual
- A autocompreensão ontológica pré-reflexiva do ser humano
-Responsabilidade social
- Gestão do terceiro setor
-A espiritualidade como mediadora
-Relato de uma experiência
II – A AUTO-ESTIMA – SUAS IMPLICAÇÕES
- Auto-estima – suas implicações no cotidiano
- Auto-estima – como aprender a gostar de si mesmo
- Auto-estima e seus seis pilares
- Auto-estima no desenvolvimento da personalidade

Considerações finais
Bibliografia


INTRODUÇÃO

No Brasil, o complexo cultural mais evidente é o sentimento de inferioridade, nas relações dos brasileiros com o mundo exterior? Os complexos também se manifestam no plano da identidade de uma sociedade e são chamados de complexos culturais? Para desenvolver a auto-estima é preciso paciência e projetos que se complementem?
A supervalorização do que é estrangeiro em detrimento ao produto nacional, atitudes auto depreciativas, presentes em piadas e na falta de valorização de tudo que é nativo, têm contribuído em grande parte para a tolerância com a corrupção, a quebra da lei, favoritismo e outros comportamentos espúrios por parte, principalmente, de autoridades. Somente a consciência desse complexo, cuja raiz remonta à época do Descobrimento do Brasil e da escravidão, possibilitará a recuperação da auto-estima, dando a real dimensão do valor da identidade brasileira.
Embora a incorporação dos elementos inconscientes na consciência seja um processo lento e doloroso, cada passo nessa direção, mesmo começando em um pequeno grupo, certamente contribuirá para uma melhora na qualidade de vida de todos. O desenvolvimento da consciência traz também um aumento no padrão ético, no comportamento moral e na saúde mental que, sem dúvida, são a base de uma sociedade saudável.
Jung, (1959), em sua última entrevista aos 84 anos, relatou a um repórter da BBC de Londres que precisaríamos cada vez mais da psicologia, pois todo mal que haveria por vir partiria do próprio homem. A história continua como testemunha dessa verdade, mas também podemos dizer que todo bem que está por vir só depende do desenvolvimento de nossa consciência – e esse caminho é sem dúvida a grande contribuição do mestre Jung .
Muitas vezes, apesar de termos em mente as posturas mais adequadas e a situação concreta em que as pessoas se encontram, o acompanhamento deve ser feito para uma pessoa ou grupo bem singularizado. O que deve ser considerado, para que um acompanhamento possa merecer esse nome? A seguir a síntese de Lê Bouêdec :
1. acompanhar é acolher, é escutar;
2. acompanhar é participar da – estar presente na – busca ou do desvelar de um sentido naquilo que se vive ou procura;
3. acompanhar é caminhar ao lado para confirmar diante do novo.
O aconselhamento ou a prática terapêutica tradicional, diferencia do acompanhamento espiritual porque param, no modelo de Lê Bouêdec, na segunda etapa.
Na linha divisória entre a educação para a saúde e a necessidade de tratamento terapêutico se coloca o counseling, um novo modo de enfrentar problemas que envolvem o indivíduo, de entender a relação de ajuda em sintonia com a exigência de valorizar os recursos de cada um.
O counseling pode ser definido como a condução de colóquios que envolvem temas pessoais privados e emotivamente significativos para o interlocutor, em que ele é “ajudado a ajudar-se”, a administrar os seus problemas utilizando os próprios recursos sem depender de interpretação, conselhos ou direcionamentos fornecidos por um outro, por mais “esperto” que ele possa ser. A intuição originária sobre a qual o counseling se fundamenta é aquela de Carl Rogers, segundo a qual, se uma pessoas está em dificuldade, o melhor modo de ajuda-la não é dizer-lhe o que deve fazer, mas ajuda-la a compreender a própria situação e a administrar o problema assumido sozinha e plenamente a responsabilidade das eventuais escolhas.
É uma arte maiêutica, que não se propõe nem a treinar nem a curar; o seu objetivo é fazer aflorar as potencialidades presentes em cada um. É uma profissão transversal

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    Maria Albuquerque

    Mestre em Educação, Arte e História da Cultura (2000) pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie; Bacharel em Administração de Empresa (1992);TIP-Terapia do Inconsciente Psicossomática (1992) Belo Horizonte-MG IMEP; com especialização em Recursos Humanos (1994); Análise de Sistemas (1996) ) pela Fundação Álvares Penteados; Retiro de 30 dias - Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola - Itaici(1997); Teologia Catequética e Ensino Religioso (2001) pela Universidade Nossa Senhora da Assunção; Negócios para Executivo (2002) pela Fundação Getúlio Vargas; Violência Doméstica contra Crianças Adolescentes (2002) pela Universidade de São Paulo-USP; Especialização em Counseling - Aconselhamento (2005) pela Faculdade Bagozzi – Ceppeb Centro de Pós-Graduaçao, Pesquisa e Extensão Bagozzi e IATES – Instituto de Aconselhamento e Terapia do Sentido de Ser de Curitiba-PR; Aperfeiçoamento em Didática do Ensino Superior (1998) pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie.

    Exibir