voltar para Produção Acadêmica

A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E AS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO DA PEQUENA EMPRESA

O presente trabalho procura analisar a estrutura de capital e seus reflexos nos resultados da empresa, mostrando razões para utilizar capital próprio ou de terceiros num determinado empreendimento, mesmo em tempos de crise financeira como o que estamos vivendo. Diante da crise, pessoas e empresas têm que buscar saídas criativas e inovadoras que nem sempre são pensadas ou buscadas em tempos de afluência. Em tempos de crise, empresas e pessoas empreendem mudanças que não teriam coragem de fazer em tempos comuns. A sensação clara de mudar ou morrer faz aumentar a coragem e a determinação para mudar. A determinação da estrutura de capital de um empreendimento é primordial para seus resultados futuros. Ao analisar as alternativas possíveis de composição do investimento, quanto aos níveis de capital próprio e de terceiros, concluímos que a decisão que maximiza o retorno para os proprietários é a que combina o financiamento máximo, pelo fato de haver um ganho considerável na alavancagem financeira gerada, apesar do aumento da despesa financeira pelo maior pagamento de juros do financiamento, conforme demonstrado.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.

    ALAELSON SANTOS

    • Bacharel em Ciências Contábeis (UFS-abril/1996), com Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Gestão Empresarial (UFS-maio/2000).
    • Técnico de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, admitido por concurso público em julho/1997.
    • Coordenador de Controle Interno do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, de março/2005 a julho/2007.
    • Secretário de Controle Interno do Município de N. Sra. da Glória-SE, de janeiro a julho/2008.
    • Secretário de Controle Interno do Município de Maruim-SE, desde março/2009.
    • Aprovado em 4º lugar no concurso para Técnico em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Estado de Sergipe (Gestor Público), com curso de formação pela Escola Nacional de Administração Pública – ENAP em Brasília/DF, de janeiro a junho de 2002.
    • Aprovado no Exame de Qualificação Técnica – Prova de Qualificação Técnica Geral em Novembro/2006, promovido pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC, registrado no CNAI – Cadastro Nacional de Auditores Independentes sob o nº 1967.
    • Professor das Disciplinas: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I e II, ANÁLISE FINANCEIRA, CONTABILIDADE COMERCIAL I, TEORIA DA CONTABILIDADE, CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS, CONTABILIDADE GERAL II, CUSTOS, GESTÃO DE CUSTOS, AUDITORIA OPERACIONAL, AUDITORIA DE SISTEMAS, CONTABILIDADE AVANÇADA, CONTABILIDADE GERENCIAL, CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA, GESTÃO FINANCEIRA, DE CRÉDITO E INVESTIMENTOS, AUDITORIA E CONTROLADORIA PÚBLICA, PRÁTICA PROFISSIONAL e ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO, nos Cursos de Administração, Ciências Contábeis, Economia, Processamento de Dados, Gestão Financeira, Gestão de Pequenas e Médias Empresas, Gestão Pública e Gestão de Empreendimentos Turísticos da Universidade Tiradentes – UNIT, desde 1999.
    • Coordenador do Curso de Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Auditoria e Perícia Contábil (UNIT).
    • Coordenador do Curso de Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Auditoria Governamental (TCE/ECOJAN/UNIT).
    • Coordenador do Curso de Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Direito Público e Controle Externo (TCE/ECOJAN/UNIT).
    • Professor dos Cursos de Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Auditoria e Perícia Contábil, Auditoria Governamental, Gestão Pública, Gestão Financeira, Finanças Empresariais e Controladoria, Gestão Estratégica e Qualidade e Direito Público e Controle Externo da UNIT.
    • Associado da ACPM – Auditoria e Controladoria Pública Municipal, especializada na prestação de serviços na área contábil, auditoria, assessoria, consultoria e treinamento voltados para a área financeira pública e privada.

    Exibir