Privacidade na web pede forças graças ao avanço das tecnologias

Pensando nisso, o Google Brasil lançou uma página destinada a auxiliar usuários que não possuem conhecimento sobre navegação segura

Hoje, neste exato momento, existe a probabilidade de alguém estar “espionando” a sua privacidade na web. As invasões mais comuns são feitas para gerar o roubo de senhas, dados pessoais, histórico de acesso e pastas com diversos arquivos.

A sofisticação das tecnologias traz consigo maior exposição do usuário, o que acarreta em falhas nos mecanismos de defesa. Por isso, é preciso tomar alguns cuidados quando for utilizar a rede mundial de computadores, objetivando evitar problemas futuros.

O Google Brasil lançou uma página destinada a auxiliar usuários que não possuem conhecimento sobre navegação segura. A Central foi criada para instruir de forma didática como denunciar qualquer tipo de conteúdos ofensivos, filtrar anúncios indesejados e limitar os acessos para aplicativos e gerenciamento dos dados compartilhados.

As ONGS (Organizações Não Governamentais) SaferNet Brasil e Childhood Brasil são apoiadoras da ideia, ambas são voltadas ao combate a crimes online.“As armadilhas na web são muitas. Uma delas, por exemplo, é o envio por engano de um e-mail com informações sigilosas.

Os links em redes sociais e e-mails provocam o usuário, principalmente quando relacionados a questões financeiras ou vida pessoal. De forma ingênua, o usuário executa aplicativos ou acessa sites que abrem brechas de segurança”, alerta o diretor da agência Área Local, Sandro Alencar Fernandes.

Hoje em dia existem muitas formas de reduzir o problema, como a simples utilização frequente de um anti-vírus em computadores e celulares, por exemplo. Outra atitude simples, mas que faz efeito é a troca de senhas de contas na web. Claro que ambas as dicas não garantem a eficácia por completo do problema, mas o diminui.

“Só está seguro um computador desligado, desconectado e trancado em cofre.Quando disponibilizamos acesso a Internet aos colaboradores ou mesmo acessando em casa, corremos uma série de riscos. A proteção exige informação. Saber dos riscos, das regras e manter atualizado o Sistema Operacional” conclui Sandro.

O mesmo cuidado vale para quem utilizam os computadores e celulares de empresas. É necessário que sejam alertados a não acessar nenhum tipo de conteúdo impróprio, além de manterem organizadas e protegidas as máquinas.

Sandro acredita que uma boa comunicação empresarial com os funcionários pode amenizar o problema, pois “devemos desmistificar alguns temas, falando sobre os riscos e como se proteger. E ser frequente nas instruções, pois na correria do dia-a-dia acabamos por "burlar" alguns controles de segurança e ficamos sujeitos as armadilhas e ameaças”, encerra.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.