O câmbio digital é o futuro dos serviços financeiros?

Conforme as fronteiras e barreiras digitais se diluem, nos tornamos cada vez mais cidadãos financeiros do mundo

O mercado de câmbio brasileiro é extremamente complexo e as instituições financeiras tradicionais seguem a burocracia da legislação, além de cobrarem preços astronômicos. Infelizmente, muitas vezes o atendimento não é satisfatório para pessoas físicas e pequenas e médias empresas, pois o foco vai direto para grandes corporações que transacionam milhões de reais por mês. Com isso, esse público procura cada vez mais por alternativas às grandes instituições financeiras e o resultado é o crescimento das soluções de câmbio digital.

Quem recorre ao câmbio digital quer enviar e receber dinheiro do exterior de uma maneira simples, rápida e transparente. Por exemplo, pessoas físicas fazem e recebem transferências principalmente de/para contas próprias no exterior e de/para outras pessoas físicas (como amigos e parentes). Elas também enviam para investir no exterior ou pagar por contas e serviços internacionais. Já pequenas e médias empresas enviam para o exterior principalmente com o intuito de pagar fornecedores de mercadorias importadas e serviços internacionais. Além disso, recebem por serviços dos mais diversos tipos de clientes no exterior ou de fundos globais e matrizes que estão realizando um aporte na própria empresa.

Digitalizar estes processos é uma tarefa complexa que envolve cativar cada vez mais a confiança dos clientes. Para quem sempre procurou as soluções tradicionais e nunca fez uma transferência digital, pode haver desconfiança. A partir do momento, porém, em que as soluções digitais começam a ganhar espaço, visibilidade e o cliente faz sua primeira transferência, ele atesta a qualidade do serviço e sua evolução perante às instituições financeiras tradicionais. Dessa forma, a desconfiança dá lugar à certeza de que está se fazendo um bom negócio. Vale ressaltar que para as fintechs a segurança é item primordial, então todos os dados e documentos enviados são geralmente criptografados e mantidos em ambiente digital seguro, o que é mais um diferencial perante às instituições tradicionais, onde muitas informações e documentos são transmitidos por e-mail ou fisicamente.

Enquanto fintech, pensar em nosso produto também envolve desafios. Para atender estas necessidades é muito importante analisar duas vertentes: a plataforma que o cliente usará e a infraestrutura para processar as operações de forma automática e digital. O maior desafio é criar um produto que seja simples e intuitivo para um mercado altamente regulado e com muitas regras. Já para a parte de infraestrutura, o desafio é criar algo que rompa o status quo e seja realmente inovador. Ou seja, é importante procurar por alternativas para que o processamento das transferências seja mais rápido e com custos menores, já que o sistema tradicional é extremamente caro e, muitas vezes, lento. Nesse sentido, novas soluções como a Ripple, que criou um novo sistema de mensageria e controle para transferências internacionais, estão sendo muito bem recebidas pelas empresas de câmbio digital.

Portanto, é muito importante que a plataforma esteja em constante evolução. Para isso, nada melhor do que analisar rotineiramente os feedbacks de quem mais interessa, os clientes. São deles os comentários mais valiosos, aqueles que guiarão o produto a entregar uma plataforma que atenda à necessidade do usuário com excelência. Nessa linha, estar atento às novas tendências do mercado e disposto a inovar é fundamental para conseguir cada vez mais proporcionar uma maior velocidade na liquidação das operações, menos custos, taxas e também agregar novos serviços acessórios, como carteiras digitais multi-moedas.

Para o futuro, acredito que todos terão o câmbio intrínsecos à suas vidas financeiras. Hoje as pessoas ficam muito restritas aos serviços financeiros do seu país e as instituições tradicionais veem o câmbio apenas como mais um dos seus serviços. Por que uma pessoa não pode pegar um empréstimo no Japão? Fazer um investimento na Austrália? Fazer uma previdência nos Estados Unidos?

Ao meu ver, o câmbio futuramente será o centro da vida financeira das pessoas e empresas, e todos terão acesso às soluções e oportunidades financeiras do mundo todo. O câmbio simples e fácil será o propulsor disso.

No que se refere à tecnologia, certamente os sistemas de câmbio estarão cada vez mais utilizando o blockchain para dar robustez e confiança às transações, bem como utilizar do princípio da rastreabilidade, que talvez seja a maior carência do modelo atual. Além disso, as criptomoedas terão papel importante, uma vez que serão a provedora de liquidez de todo o sistema, hoje restrito principalmente às moedas fortes como dólar americano, euro e libra esterlina, entre outras.

Conforme as fronteiras e barreiras digitais se diluem, nos tornamos cada vez mais cidadãos financeiros do mundo. Conte conosco para carimbar este passaporte!

Alexandre WrightProduct Owner e Sócio da BeeTech. É responsável pela implementação de projetos de infraestrutura financeira, como a integração com a Ripple. Cursou Engenharia no Instituto Mauá de Tecnologia.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.