Empresários de TI estimam que a Copa do Mundo de Futebol e carnaval tardio dificultem negócios em 2014

Perspectivas para este setor são de relativa estagnação

A preparação para a Copa do Mundo de Futebol no Brasil aqueceu os investimentos em diversos setores nos últimos anos, mas a iminência do evento gera apreensão. A redução de dias úteis, fortalecida pelo Carnaval tardio e, também, por se tratar de ano eleitoral faz com que as previsões de negócios sejam reduzidas. Empresas que atuam na área governamental terão queda na secunda metade do ano. Isso se deve à obrigatoriedade das licitações serem realizadas somente até abril, por conta das eleições.

Para Jorge Antonio Branco, diretor da JME Informática, empresa especializada em sistemas de gestão hospitalar, 2014 exigirá muito trabalho para se atingir o crescimento dos anos anteriores. “Ano de copa e eleições, os investimentos públicos na área de TI possivelmente serão estagnados ou reduzidos. Por isso, neste ano estamos aproveitando para uma reestruturação comercial e administrativa de nossa empresa, ou seja, com investimentos que permitirão um recriar, e nos permitirá obter resultados ainda em 2014 e excelentes resultados em 2015”, diz Branco.

O presidente da regional RS da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-RS), Robinson Klein, lembra que as previsões já estiveram erradas em outros anos e, no decorrer do tempo, dificuldades adicionais foram surgindo. “Em 2014 este cenário não vai mudar muito, todas as previsões indicam que teremos mais um “pibinho” próximo de 2%, em um ano de Copa que gera movimento e dá visibilidade ao Brasil. Mas assim como as Eleições, desvia a atenção e reduz a produtividade”, lamenta Klein. O presidente da Assespro e diretor de Mercado da Rede Cigam destaca, ainda, que tudo isso já estava previsto e não surpreende as corporações . As incertezas econômicas é que podem assustar. “As preocupações ficam com potenciais novos fatos internacionais ou intervenções governamentais que possam exigir ajustes nos planos”, diz Klein.

Pé no freio, mas com oportunidades
A perspectiva de negócios reduzidos é compartilhada por Ricardo Kurtz, diretor Comercial da Sidicom Software. “Os feriados e a Copa vão tirar a atenção e o foco no que tange a mudanças e, por isso, as empresas que trabalham com software de gestão serão afetadas, na medida que a maioria das empresas já tem um sistema e se não estão satisfeitos, desejam trocar. Mas essa mudança exige uma série de decisões e organizações internas, que podem ser afetadas e deixadas para mais adiante. Portanto, tem que haver desde já uma intensificação das ações comerciais e também de serviços que facilitem ao cliente a mudança e a implantação de um sistema de gestão”, opina Kurtz

Oportunidades também se apresentam. “O setor de TI tem por principal característica ser transversal a todas as demais atividades e assim não deixa de ser afetado por uma redução dos investimentos. Em contrapartida, a TI é grande alavancadora da produtividade, ganhando força nestes momentos em que recursos humanos são escassos. A automação dos processos é a melhor alternativa para melhorar a rentabilidade dos negócios”, destaca Klein quanto a oportunidade que o momento oferece.

O que os empresários esperam de 2014

Estudos do Gartner apontam investimentos em TI em 2014 na casa dos US$ 129,7 bilhões, 3,6% maior em relação a 2013. A área de Telecom terá destaque com investimentos que chegam a US$ 78 bilhões, enquanto despesas em hardware (PCs, tablets, impressoras, entre outros) alcança US$ 22,4 bilhões. Já o volume investido em serviços de TI é estimado em US$ 21,2 bilhões para 2014. “Este ano vamos poder constatar se vai se firmar ou não a tendência de utilização de sistemas de gestão empresarial na nuvem”, antecipa Kurtz. Para Jorge Branco, em termos de tecnologia, “certamente cloud compputing e mobilidade continuarão a ser o grande destaque”.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.