Em MG: operações com cartão de crédito representam 78,5% das contas dos belo-horizontinos

Pesquisa da Fecomércio MG aponta que 83,2% dos consumidores utilizam meios eletrônicos para pagamento

A vida financeira de vários consumidores está complicada devido à utilização impulsiva do cartão de crédito. Só na cidade de Belo Horizonte (MG), o comprometimento da renda com o cartão de crédito representou 78,5% no mês de fevereiro, seguido pelos cartões de loja (4,7%), e o financiamento de automóveis (4,2%).

Os dados são da Pesquisa de Endividamento do Consumidor de Belo Horizonte, elaborada pela área de Estudos Econômicos da Fecomércio MG. Ainda segundo o estudo, paralelamente, houve aumento na taxa de inadimplência de 4,2% (janeiro) para 4,5% (fevereiro). De acordo com a pesquisa, o nível de endividamento subiu para 51,6%, sendo que, no mês de janeiro, representava 48,4%.

O pagamento de compras por meio eletrônico tem aumentado nos últimos anos e, em Belo Horizonte, 83,2% dos consumidores entrevistados utilizam esses meios. O índice aumentou 2% em relação a janeiro deste ano, e a tendência é de elevação, devido à conveniência que o recurso oferece.

Endividamento

O comprometimento da renda familiar com dívidas aumentou. Entre os entrevistados, 45,3% afirmaram que comprometeram de 31% a 50% do total de sua renda. Já 16,2% disseram que estão com contas em atraso. Recorrente nas pesquisas, o motivo apontado para os atrasos é a falta de planejamento, com 52% das respostas; em seguida, o desemprego é citado por 20% dos entrevistados. Já 61,5% planejam quitar as dívidas em até 90 dias. O cartão de crédito (66,7%), cartão de lojas (16,7%) e carnê de lojas (16,7%) são as contas com prioridade para o pagamento.

Mesmo com o atraso para o pagamento das dívidas, 48% dos consumidores disseram que não tomaram nenhuma medida para tentar quitar as dívidas em atraso. Em contrapartida, 20% cortaram gastos em casa; 16% deixaram de fazer algo que gostam; 12% deixaram de comprar itens de uso pessoal; e 4% afirmaram que deixaram de utilizar o cartão crédito.

Para o economista da Fecomércio MG Gabriel de Andrade Ivo, o pagamento do cartão se torna prioridade para os consumidores devido aos juros gerados pelo atraso e, também, porque a falta de pagamento pode significar que o consumidor está fora do mercado de consumo.

Dos entrevistados, 55,8% são do sexo feminino e 44,2% do sexo masculino. Do total, 43,5% têm entre 16 e 34 anos; 63% têm o ensino médio incompleto; 54,9% renda de dois a cinco salários mínimos; 59,8% realizam trabalho remunerado; e 3,8% estão desempregados.

Inadimplência

A taxa de inadimplência registrada em fevereiro foi de 4,5%, igual ao representado em 2013. Já em relação a janeiro e fevereiro de 2012, houve recuo de 1,8%.

O perfil do consumidor que está inadimplente tem algumas variações. De acordo com a pesquisa, 63,4% dos entrevistados são mulheres que possuem contas em atraso com pelo menos 91 dias; 60,4% do total são da classe C; 59,9% recebem de dois a cinco salários mínimos. Outro ponto de destaque é que 49% dos respondentes estão desempregados.

ExibirMinimizar
aci baixe o app