Café com ADM
#

Dólar fecha em queda pelo 4º dia, abaixo de R$2,20, após ata do Fed

A moeda norte-americana recuou 0,25 por cento, a 2,1975 reais na venda, após passar boa parte do pregão em alta

O dólar fechou em queda pelo quarto dia seguido nesta quarta-feira e foi abaixo da barreira dos 2,20 reais, após investidores verem sinais de que a política monetária dos Estados Unidos não deve mudar e, assim, afetar ainda mais a liquidez no mercado internacional.

A moeda norte-americana recuou 0,25 por cento, a 2,1975 reais na venda, após passar boa parte do pregão em alta. Na máxima chegou a ser cotado a 2,2198 reais e, na mínima, a 2,1905 reais. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1 bilhão de dólares.

É a primeira vez que o dólar fechou abaixo do nível de 2,20 reais desde o fim de outubro passado e, em quatro sessões, já acumula perda de 3,72 por cento ante o real.

"Não houve confirmação da declaração de Yellen de que a primeira alta dos juros virá cerca de seis meses após o fim do 'quantitative easing'", escreveu o diretor administrativo de pesquisa para mercados emergentes do Citi, Dirk Willer, em nota.

Ele referia-se ao fato de que a ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed, divulgada nesta tarde, não trouxe referência ao "horizonte relevante" que separaria o fim do programa de compra de títulos do Fed e a primeira elevação dos juros no país, atualmente perto de zero.

No mês passado, a chair do banco central, Janet Yellen, havia atraído a atenção dos mercados ao definir esse período como "cerca de seis meses", o que imediatamente impulsionou as cotações do dólar em nível global. Juros mais altos nos EUA poderiam atrair recursos atualmente aplicados em outras economias.

"O mercado entendeu que vai demorar para o Fed subir juros. As moedas lá fora passaram a se valorizar frente ao dólar e o real seguiu essa esteira", disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Contra uma cesta de divisas, a moeda dos EUA recuava cerca de 0,3 por cento, após operar estável na maior parte da sessão.

Antes da divulgação do documento, o dólar operou em alta na maior parte do tempo, num movimento de correção após três quedas consecutivas que levaram-no a testar o patamar de 2,20 reais.

"Não acredito que o dólar tenha força para cair mais. Parece que 2,20 reais é um ponto de suporte bastante importante", disse pela manhã o gerente de câmbio da corretora Fair, Mario Battistel.

Alguns especialistas no mercado avaliam que, apesar de ajudarem no combate à inflação, as cotações mais baratas desagradariam o governo, prejudicando as exportações. Apesar disso, o BC tem atuado pesadamente nos mercados de câmbio.

Pela manhã, a autoridade monetária deu continuidade às intervenções diárias vendendo a oferta total de até 4 mil swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares. Foram 1,5 mil contratos para 1º de dezembro deste ano e 2,5 mil para 2 de março do próximo, com volume equivalente a 197,8 milhões de dólares.

Além disso, também vendeu a oferta total de até 10 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 2 de maio. Com isso, a autoridade monetária já rolou cerca de 23 por cento do lote total para o próximo mês, que equivale a 8,733 bilhões de dólares.

Mais cedo, dados divulgados pelo BC mostraram que a autoridade monetária vendeu menos da metade da oferta nos dois leilões de venda de dólares com compromisso de recompra para rolagem que promoveu em março.

Mesmo com as recentes quedas do dólar no mercado brasileiro, o país perdeu 5 bilhões de dólares últimas duas semanas por meio do fluxo cambial, segundo dados do BC.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.