CQC possui mais seguidores no Twitter do que os 10 principais jornais brasileiros juntos

O fenômeno de seguidores do programa e de seus participantes no microblog ultrapassa a casa dos seis milhões

Parece que o estilo mais despojado em retransmitir mensagem e informar no Twitter feito pelo programa CQC (Custe o Que Custar), da TV Bandeirantes, é o que mais agrada ao público da rede social.

O número de seguidores do perfil não oficial (http://twitter.com/CQC) ultrapassa mais de 422 mil seguidores no microblog. Esse número é superior aos seguidores do Twitter dos 10 principais jornais de maior circulação do Brasil, que possuem cerca de 350 mil leitores nessa rede social.

Aliás, somente os integrantes do programa ultrapassam a marca de seis milhões de seguidores. Rafinha Bastos possui 1.459.117 seguidores, Marco Luque 1.270.739, Danilo Gentili 1.232.602, Marcelo Tas 1.007.551, Oscar Filho 655.299, Rafael Cortez 637.567, Felipe Andreoli 550.890 e Monica Iozzi 212.544. Já o perfil oficial do programa, que foi criado na última semana, ao lado do novo site, conta com 785 seguidores.

Para Marcelo Tas, o resultado se deve ao fato de, no início, os jornais terem encarado o Twitter com certo preconceito. "Os jornais começaram a olhar o Twitter com um certo preconceito, que só era usado para postar coisas fúteis, e perderam um tempo precioso", diz. De acordo com o apresentador, os jornais ainda têm dificuldade em dialogar e receber críticas diretas dos leitores. "O Twitter é uma ferramenta de transparência, é um telhado de vidro, pra você falar e ser criticado. Os veículos estão em desvantagem porque, de certa forma, sempre controlaram as críticas contra eles, mas tudo isso é coisa que se aprende, se aperfeiçoa", relatou o apresentador ao site Comunique-se.

Com a repercussão do programa na internet, este mês a direção do CQC decidiu estender a atração por 30 minutos exclusivos para a web, com chat com os apresentadores e vídeos dos bastidores do programa.

Exibir