Brincadeiras do Dia da Mentira causaram prejuízo de US$ 4,3 milhões em 2013

Diferentemente do passado recente, agora não só as pessoas físicas participam das brincadeiras, empresas usam cada vez mais a data para gerar publicidade. Entretanto, especialistas garantem que muitas subestimam o risco e os custos da piada virar uma dor de cabeça

Rir é sempre o melhor remédio, já diz o conhecido ditado. Mas rir a qualquer custo pode ter sabor amargo. As brincadeiras típicas de 1º de abril, o Dia da Mentira, geraram perdas estimadas em US$ 4,3 milhões, em 2013, devido à perda de produtividade, desperdício de recursos e gastos associados a serviços de emergência, que atenderam às pegadinhas que foram mais longe do que o esperado. O cálculo é parte do relatório No laughing matter: April Fools’ Day divulgado pela Allianz Pre-Risk Mitigation (APM).

Diferentemente do passado recente, agora não só as pessoas físicas participam das brincadeiras, empresas usam cada vez mais a data para gerar publicidade. Entretanto, especialistas garantem que muitas subestimam o risco e os custos da piada virar uma dor de cabeça.

“Se bem feitas, as piadas podem gerar um resultado simpático, entretanto a experiência tem mostrado que muitas vezes, as piadas de 1º de abril não provocam só risadas, elas podem significar custosos processos judiciais quando dão errado” alerta Rainer zu Fall, porta-voz sênior da APM. O relatório demonstrou que as ações de 1º e abril afetam a produtividade da empresa, pois os funcionários gastam tempo para responder as comercializações de ofertas ou reportagens que são, na verdade, pegadinhas.

Humor duvidoso

Outro lado negativo das brincadeiras é o uso dos serviços de emergência, que poderia ser evitado. Nos Estados Unidos, mais de 840 chamadas de emergência foram diretamente atribuídas às chamadas de “brincadeiras que deram errado”.

A APM também avaliou sinistros de seguros em todo o mundo em 1º de abril e outras datas que carregam o mesmo sentido, ao redor do mundo. O relatório apontou um aumento considerável de sinistro dos seguros gerais associados a 1º de abril, na última década. A maioria dos pedidos de indenização ocorreu nos EUA e no Reino Unido, entretanto houve aumento também na Austrália, Canadá, França, Hong Kong, e na Sérvia e Montenegro.

Em 2013, um incidente causou um grande prejuízo na Flórida, EUA, quando dois apresentadores disseram aos ouvintes que "monóxido de dihidrogênio" saía das torneiras na área de Cape Coral. A afirmação causou pânico entre os moradores, que não associaram o anúncio a uma brincadeira com a simples fórmula química da água. Os serviços de utilidade pública locais foram forçados a emitir um comunicado oficial e o programa foi suspenso e enfrentou acusações criminais.

Em Schildbürger, na Alemanha, um gerente fez uma brincadeira com outro envolvendo uma dançarina do ventre turca, um balão em forma de tubarão cheio de hidrogênio, e um bolo de aniversário iluminado, que resultou em um incêndio, cujo prejuízo foi de mais de US$ 137 mil ao escritório e a uma fábrica vizinha. Pior ainda, duas pessoas foram hospitalizadas por causa da inalação de fumaça.

Piadas corporativas, como o anúncio do YouTube, no ano passado, que iria fechar por dez anos, ou lançamento do Google de mapas de tesouros perdidos, mais frequentemente causam confusão do que entretém o público, já que é necessário lidar com o impacto das informações durante todo o dia. “Se a escolha da empresa é brincar, melhor ter em mente que é muito difícil que pegadinhas terminem somente com sorrisos irônicos no rosto”, alerta Rainer zu Fall.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.