Ação da Unicef usa grafites da Copa como canal de denúncia
Ação da Unicef usa grafites da Copa como canal de denúncia

Ação da Unicef usa grafites da Copa como canal de denúncia

Como parte da campanha “Está em suas mãos proteger nossas crianças”, grafismo feito próximo à Arena Corinthians chama a atenção no Dia Mundial Contra Trabalho Infantil

13 junho 2014

Nesta quinta-feira (12), os olhos do mundo estavam voltados para a abertura da Copa do Mundo. Mas esse também foi o Dia Mundial Contra Trabalho Infantil. Por isso, por meio de grafitagem, o UNICEF chamou a atenção para essa violência que afeta cerca 3,4 milhões de crianças e adolescentes no país. A intervenção aconteceu em uma esquina próxima à Arena Corinthians, em São Paulo, por meio de uma imagem que alerta brasileiros e estrangeiros que por ali passaram.

A ação faz parte da campanha lançada pelo UNICEF em 18 de maio (Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes) intitulada “Está em suas mãos proteger nossas crianças”. A campanha, assinada pela Ogilvy Brasil, está sendo divulgada nas redes sociais com as hashtags #ProtejaBrasil e #ENDViolence e faz parte da iniciativa global #ENDViolence do UNICEF.

O objetivo da iniciativa é levar informação sobre violência contra crianças e estimular a denúncia por meio do aplicativo Proteja Brasil. A partir do local onde o usuário está, o app baixado gratuitamente indica telefones, endereços e os melhores caminhos para chegar até delegacias especializadas, conselhos tutelares e organizações que ajudam a proteger crianças e adolescentes da violência nas principais cidades brasileiras.

O grafite feito entre os dias 9 e 10 de junho, próximo à Arena Corinthians, é uma obra do artista plástico Apolo Torres. A pintura deseja sorte e força à seleção brasileira, com cores alegres e ícones do nosso futebol. Porém, no meio desta pintura de festa, está a cena de uma grave violação de direitos, banalizada no cotidiano das cidades brasileiras: uma criança vendendo balas no semáforo.

Violência e megaeventos

De acordo com o UNICEF, megaeventos não são necessariamente a principal causa de violações de direitos, mas eles podem aumentar os riscos para crianças já vulneráveis. Relatórios do governo brasileiro mostram que 275.638 casos de violência foram registrados entre 2003 e 2011 nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo da FIFA 2014 entre maio de 2003 e março de 2911.

Grandes concentrações de pessoas em um local podem causar riscos, especialmente em locais onde sistemas de proteção de crianças não sejam fortes o suficiente para garantir seus direitos. Essas situações também podem facilitar a ação de redes criminosas que exploram crianças.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    café com admMinimizar