Você espera o resultado ou faz o resultado acontecer? Experimente o Canvas 2.0 - o método de tudo numa única página

Se o seu problema é encurtar a distância entre objetivo e resultado, a solução é uma ferramenta que faz o resultado acontecer através de um processo gerencial - visualizado num única página; é sobre isso que quero falar consigo nesta matéria

O CANVAS 2.0 do Sistema de Gestão, indo além do CANVAS do Modelo de Negócio - a sua gestão nunca mais será a mesma...

Certamente, você já ouviu falar de “Canvas”, mas, provavelmente, no contexto Modelo de Negócio, como proposto pelo suíço Alexander Osterwalder, em 2004, quando terminava seu doutorado na Escola de Negócios HEC Lausanne, na Suiça, lançado em 2011, sob o nome Business Model Generation – BMG (Criação de Modelo de Negócio), sucesso entre empreendedores e empresas de ponta.

A) Qual é função do BMG

O BMG apresenta uma nova forma de descrever o modelo de negócio de uma empresa, como de PME e subsidiárias de multinacionais, na hora de start ups, ou seja, clarear o caminho a ser seguido por uma empresa, em seu estágio inicial, ao desenvolver negócios e definir o posicionamento da organização em relação ao mercado, sem capital para arriscar aventuras.

O BMG, quando implantado, será capaz de agregar valor para o cliente e gerar resultados.

Ao contrário do tradicional plano de negócios, que contempla diversas análises, como estratégia, marketing e finanças de um novo negócio, o CANVAS, aqui é capaz de traduzir as ideias do negócio em um diagrama, que contempla nove blocos: proposta de valor, segmentos de clientes, canais, relacionamento com cliente, fontes de receitas, recursos-chave, atividades-chave, parceiros-chave e estrutura de custos.

Estes blocos formam o “Modelo” de Negócio.

O CANVAS é focado no mapa de proposta de valor, para resolver os problemas dos clientes, garantir a satisfação e resultados.

B) Qual é função do SGE

Aqui, estou falando de uma ferramenta diferente: uma ferramenta para mudar a forma de gerenciar uma empresa existente (não de abrir uma empresa); ou seja, o Sistema de Gestão Empresarial – SGE, como proposto aqui, apresenta uma nova forma de descrever como sua Organização transforma Objetivos em Ação e Resultados; portanto, o SGE é mais voltado para Gestão, facilitando o dia a dia do gestor.

O SGE, quando implantado, será capaz de gerar ou até superar (!) os resultados esperados.

Ao contrário do tradicional Plano Estratégico – Operacional que contempla diversas definições de objetivos mercadológicos, industriais, humanos e financeiros de uma empresa, o CANVAS, aqui, é capaz de traduzir os objetivos da gestão em um diagrama que contempla sete etapas:

  1. Definir “O que queremos” Objetivo
  2. Definir “Como chegar lá” Estratégia
  3. Definir “No que focar” Prioridades
  4. Definir “Com quem trabalhar” Pessoas
  5. Definir “Como estruturar” Organização
  6. Definir “Como apoiar” Recursos
  7. Definir “Como avaliar” Monitoramento

Note: Sendo um processo, o sucesso de cada etapa depende da conclusão da etapa anterior.

Esse formato estimula os gestores da companhia a definirem os elementos- chave de uma gestão, com seus respectivos significados e práticas:

Etapa

Definição

Apelo

Práticas – Definir...

Objetivo

Crescer com lucro

sustentável

  • Resultados abrangentes
  • Resultados quantificados

Estratégia

Obter vantagem competitiva

a partir da diferenciação

  • Negócio Central
  • Análise SWOT
  • Proposta de Valor

Prioridades

Montar uma Agenda

Impacto sobre resultado

  • Pessoas
  • Operações
  • Cliente
  • Finanças

Pessoas

Desenvolver Colaboradores chave

com Perfil de IntraEmpreen-dedor

  • Estrategista
  • Inovador
  • Líder
  • Executor
  • Integrador

Organização

Desenhar uma Estrutura que evolui

criando, inovando, aprendendo

  • Pessoas
  • Operações
  • Cliente
  • Clima

Recursos

Desenhar a

Infraestrutura

suporte para executar a Agenda

  • Intelectual
  • Logística
  • Digital
  • Física
  • Financeira

Monitoramento

Gerenciar resultados, com placares digitais

tipo BSC

  • Aprendizagem
  • Processos
  • Cliente
  • Finanças

Aqui, o CANVAS é focado no processo de transformar objetivos em resultado.

Em outras palavras, por não ser um “modelo” estático, como no caso do BMG, aqui estamos falando de um “sistema”, que compreende a integração de elementos e respectivas práticas para cada etapa; alinhando as sete etapas, obtemos uma interligação que perfaz o “Sistema”.

Para ambos os casos, o CANVAS reúne todas as variáveis da concepção de um negócio e de uma gestão, respectivamente, de forma lógica, promovendo a visualização do modelo e sistema, respectivamente, para que, posteriormente, seja colocado em prática.

Da mesma forma que o Design Thinking visa pensar graficamente, diante de um problema, enxergando o “além fonteira”para inovar, desenhar e criar ideias e soluções de um negócio ou de uma gestão (com storytelling -narrativas para “pensar fora da caixa”), o CANVAS facilita enxergar o todo através de uma visão de cima e de fora para dentro, para promover a criação de um modelo de negócio ou de uma sistema de gestão.

Ambas as ferramentas estão baseadas em simplicidade, eficiência e assertividade.

C) Como surgiu o CANVAS 2.0

Quando eu configurei um processo de gestão empresarial, tive dificuldades em transmitir o seu conteúdo; um dia, recebi a dica de um parceiro de negócio meu para aplicar o CANVAS Negócio para um CANVAS Gestão. “Roubei”, então, a inteligência do CANVAS do Osterwalder e desenvolvi um CANVAS, adaptado à Gestão que, agora, chamo de CANVAS 2.0.

Existem, portanto, diferenças entre os dois CANVAS; o objetivo desta matéria é ajudar você a entender melhor os pontos de divergência, na aplicação do CANVAS – suas características e seus benefícios.

  • A pergunta, aqui, não é “Qual é a cara do seu negócio?” e sim: “Qual é a cara da sua Gestão?”
  • O CANVAS inova na hora de mexer com os gestores, que tendem a se ancorar na sua forma de gerenciar, porque se sentem mais confortáveis, fazendo o mesmo de sempre – é preciso quebrar a mesmice!
  • O CANVAS usa os sete elementos da gestão, não novos, individualmente, mas integrando-os para analisar o processo da gestão, como um todo. A maioria dos gestores foca apenas em um ou alguns dos elementos acima, p.ex., estratégia e organização, porém, o processo, que configura sua gestão, é o que importa - não é possível desenhar um elemento no vácuo.
  • O CANVAS ajuda a engajar os colaboradores, no alinhamento objetivo – ação – resultado.
  • O CANVAS contempla os elementos “Alpha” e “Ômega” da gestão: Objetivo e Monitoramento.
  • O CANVAS melhora as relações da empresa com seu stakeholder principal: Pessoas.
  • O CANVAS ajuda a identificar as ligações de elementos e práticas da gestão.
  • O CANVAS permite modular sua gestão “perfeita”.
  • O CANVAS educa para priorizar ideias, conforme o seu peso sobre o resultado desejado.
  • O CANVAS leva a identificar o “caminho crítico” da gestão, conectando as práticas priorizadas.
  • O CANVAS estrutura uma avaliação de desempenho e resultado através de uma análise “semáforo”.

D) Como utilizar o CANVAS 2.0 para montar o seu(!) Sistema de Gestão

Para melhor entendimento, vamos simular um workshop hipotético para discutir o Sistema da Gestão “perfeita”.

1 – Vamos entender como ponto de partida, onde você deseja assegurar o alcance - ou, até, a superação dos resultados esperados da sua área de atuação.

2 - Você convida um grupo de profissionais, de funções e olhares diferentes, para enriquecer o debate – o ideal seria uma equipe de seis pessoas:

  • Um executivo sênior que patrocina o trabalho;
  • Um líder do projeto que sabe ousar, inspirar e inovar (você);
  • Alguém que conhece os conceitos de gestão empresarial
  • Alguém com conhecimentos na empresa ou área
  • Alguém que identifica as dores dos stakeholders (insights em “mapa da empatia”),
  • Três profissionais talentos da área;
  • Um consultor que ajuda a questionar e pensar em alternativas.

3– Você imprime o quadro CANVAS, contendo as sete etapas e suas práticas (vide acima), com campos a serem preenchidos, em tamanho grande (A0 ou A1), pendura-o na parede da sala e arruma post-its (76 mm x 102 mm), nas cores amarelo, verde, azul, rosa, e canetas.

4 - Convide a equipe para desenhar o seu(!) Sistema de Gestão, preenchendo o CANVAS.

5 - O grupo discute ideias, descreve as ideias consensadas (não frases, apenas palavras), em post-its, e coloca-os nos respectivos campos; a colocação pode ser modificada, quantas vezes for necessária.

6 - O grupo prioriza cada prática, conforme o peso que atribui a cada uma delas.

7 - O grupo conecta as práticas de maior peso, para indicar o caminho crítico da sua gestão.

8 - No final de um período hipotético, a equipe realiza uma avaliação de desempenho, marcando as práticas do caminho crítico, conforme o resultado, usando as cores de um “semáforo”: “alarmante”, em vermelho; “crítico”, em amarelo e “tudo bem”, em verde.

9 - A equipe acaba de identificar as práticas que requerem uma ou mais ações corretivas, a serem discutidas entre eles.

Como você percebe, o CANVAS 2.0 possibilita visualizar ideias inovadoras e otimizar possíveis soluções para sua gestão “perfeita”.

Pronto, em oito horas de workshop, você terá o seu Sistema de Gestão CANVAS 2.0 - o seu painel de comando - ponto de chegada para assegurar o alcance - ou, até, a superação dos resultados esperados da sua área de atuação.

É isso que está em jogo: mais fazer o resultado acontecer do que esperar o resultado - faça seu test drive com o CANVAS 2.0 do Sistema de Gestão - vá funfo que vale a pena - a sua gestão nunca mais será a mesma, lembrando uma frase de Albert Einstein: "Não há nada que seja maior evidência de insainidade do que fazer a mesma, coisa dia após dia,e esperar resultados diferentes.”

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento