Como já ressaltei em outra reflexão, as empresas estão tendo que produzir mais, com menos. Para isto algumas delas (infelizmente nem todas ainda) já estão investindo no desenvolvimento dos seus funcionários.

O problema é que ainda vejo muitas empresas sem saber por onde começar este processo virtuoso.

O que você acha das afirmações abaixo?

  • Uma pessoa pode aprender a ser competente em quase tudo.
  • O maior potencial de crescimento de uma pessoa está nos seus pontos mais fracos.

A maioria das empresas ainda se apoia nestas duas premissas, ao planejarem o desenvolvimento de seus colaboradores.

Pois eu discordo totalmente.

Não que estas afirmações sejam errôneas em si, mas quando se trata de desenvolvimento organizacional, eu sugiro um caminho diferente: entender e incentivar os pontos fortes dos seus funcionários.

“As organizações não devem apenas se ajustarem ao fato de que cada funcionário é diferente. Ela precisa também tirar proveito destas diferenças” – Donald Clifton, PHD do Instituto Gallup

Numa entrevista a mais de 198 mil funcionários de 7.900 unidades de negócios diferentes, pesquisadores descobriram que, aqueles que usavam com mais frequência seus pontos fortes, tinham 50% a mais de chances de trabalhar numa área com menor turnover, 44% a mais de chances de trabalhar num segmento com maior satisfação de clientes e 38% a mais de probabilidade de atuarem em unidades mais produtivas.

Em suma: Pessoas desempenhando papeis que já usam seus pontos fortes geram mais lucro para seus empregadores.

É neste momento que você pensa: “Isto é obvio, não? ” Não...

Segundo a mesma pesquisa, 80% dos colaboradores entrevistados acham que seus pontos fortes estão sendo subutilizados pelas suas respectivas empresas. Não é pouco.

Para ter uma ideia de como isto é significativo, pense sobre o quanto custa a folha de pagamento de 80% dos seus funcionários... imagino que este não é um investimento que a sua organização pode se dar ao luxo de perder, certo?

Mas não se desespere. Se você tem basicamente apenas 20% de pessoas rendendo tudo o que podem render, isto mostra que há uma grande oportunidade à sua frente...

Imagine se você conseguisse subir este número para 40%.... Não é muito, mas você já estaria dobrando o número médio de funcionários que usam seus respectivos pontos fortes todos os dias. E, com isso, aproveitando todos os resultados positivos que mencionei alguns parágrafos acima...

E aí vão algumas dicas de como a sua empresa ou área pode começar:

  • Conheça – de verdade – os pontos fortes dos seus colaboradores.

Muitos líderes simplesmente assumem que os membros das suas equipes são bons em algo, mas muito superficialmente. Explore mais as características individuais e descubra, por exemplo, o que incentiva as competências que sua área procura.

  • Incentive o autoconhecimento

Muitas pessoas não conhecem seus próprios pontos fortes (afinal, nunca foram encorajadas para isto). Promova o autoconhecimento e ouça o que os seus colaboradores descobriram sobre si.

  • Faça mudanças

Com todo este novo conhecimento em mãos, é hora de colocar as pessoas certas nos lugares certos. Adapte também a sua maneira de gerir e liderar cada colaborador e consiga resultados ainda melhores (além de funcionários mais felizes).

  • Desenvolva os pontos fortes de seus colaboradores (e capitalize com isso)

Conhecendo os pontos fortes das suas equipes, incentive e de as condições para que seus colaboradores aprimorem seus pontos fortes e os levem à patamares ainda superiores. Não esqueça de medir os resultados.

  • Tenha clareza de quais qualidades são esperadas de cada função exercida na sua empresa/área (e use uma linguagem padronizada para comunica-las).

Se cada líder de área não sabe quais pontos fortes seus colaboradores devem ter, não há meios de se conseguir bons resultados. Além disso, é preciso que as expectativas sejam claras para todos na organização, com o menor espaço possível para diferentes interpretações.

  • Adeque seu processo seletivo

Seu processo seletivo precisa estar integrado com a perspectiva dos pontos fortes. Gerentes precisam saber o que esperam de seus novos funcionários, além de saberem identificar estas características nos candidatos.

Por fim, é importante lembrar que não se deve ignorar os pontos fracos de seus colaboradores. Administre-os, caso não haja outra opção.

Mas se a sua empresa gasta a maior parte do tempo e dinheiro tentando melhorar as deficiências dos seus funcionários, algo está errado. No mínimo você está perdendo uma boa oportunidade de aproveitar o que eles têm de melhor.