Você as redes sociais e a empresa

Somos aquilo que publicamos nas redes. Fato é que nos tornamos dependentes da comunicação digital da conectividade e isso não tem idade. A questão é como são vistos os posts, publicações e comentários promovidos nestes ambientes sociais? Em especial, como isso influencia ou pode influenciar no seu emprego

Somos aquilo que postamos na rede, essa máximacom certeza reflete uma realidade bem contemporânea. Se percorrermos os perfis de nossos “amigos” nas redes como Facebook, G+, Instagram, Twiter, entre outros sites de relacionamentos poderemos facilmente diagnosticar como foi à semana e como está o dia do amigo (a), familiar, conhecido de trabalho e até mesmo desconhecidos, além do direito, em alguns casos, de registrar comentários sobre determinada publicação ou simplesmente especular certa situação ou problema que o outro vem atravessando ou sentido e que foi compartilhado. É possível ainda (curiosamente) pesquisarmos os posts ou publicações mais antigas e diante disso termos uma visão geral, mesmo que superficial, dos valores, gostos, ideais, preferências, referências, além de outras coisas que o individuo sente, percebe, critica ou até mesmo finge se importar, fica fácil, inclusive, identificar o tal falso moralismo, como por exemplo o compartilhamento uma frase atribuída a alguma personalidade com comentário favorável a ideia principal do texto, sendo que a conduta da pessoa é exatamente o oposto àquilo que se prega na mensagem, certamente todos nós já vivenciamos situação análoga e o pensamento foi exatamente este “publica tal coisa mas faz diferente”, não é verdade ?

Como se não bastasse tudo isso, o objetivo principal dos usuários das redes sociais é postar o sentimento que se atravessa, fotos de momentos divertidos, tristes, inusitados e de situações variadas, vídeos, frases de efeitos com base em algo que aconteceu ou algo que ainda se planeja fazer. Tudo isso com intuito de arrebanhar o maior número possível de “curtidas”, “gostei”, “twittei”, enfim, quanto mais visualizado e marcado ou compartilhada a publicação, melhor para o ego de quem a divide e indica mais popularidade e é exatamente isso o que se busca, indiferente daquilo que se divide. Basta ser algo impactante e ou oportuno.

Existem vários tipos de discussões e pensamentos acerca deste assunto, mas a sugestão é focarmos no seguinte: o que somos na rede e como a empresa pode ver e considerar aquilo que divulgamos. Ora, fotos de exposição em festas com copo de bebida alcoólica na mão, críticas políticas ou religiosas, insinuações e recadinhos da briga com o namorado, namorada ou amigo, ofensas a esta ou aquela personalidade, comentários negativos sobre o dia ou mesmo de um problema casual ocorrido no trabalho, como feedback negativo ou discordância de um colega, por exemplo, a troca de função ao qual não houve aderência. Coisas assim podem não só expor a pessoa para sua rede “de amigos”, como também levar a empresa ao conhecimento da personalidade ou de comportamentos do colaborador “marqueteiro net” de condutas que até então a organização não percebia.

Será isso válido, para alguém que está almejando ascensão profissional? Ou talvez sendo cotado para uma nova responsabilidade ou posição na organização? E o pior, será que determinados comentários e comportamentos pessoais não comprometem a missão e os valores da empresa? Sim, podem e isso vai depender do cargo e responsabilidades que a pessoa tem na empresa, por isso todo cuidado é pouco, ou melhor, toda exposição resultará em avaliações que poderão ser negativas ou simplesmente ignoradas, vai depender muito da forma que se interpreta aquilo que foi publicado.

Importante ter em mente que a empresa realiza seus planejamentos para vários anos e na maioria das vezes as pessoas fazem parte dos planos estratégicos das organizações, uma vez que são patrimônios intangíveis. Diante do crescimento ou necessidade de movimentações na hierarquia ou nas atividades metas o mais comum é utilizar os valores que a empresa já conhece e que pode investir sem ter que demandar de tempo para analisar um possível candidato externo. A verdade é que no geral as pessoas não são comunicadas que estão em fase de seleção para uma possível movimentação de cargo, e é justamente ai que reside o risco da exposição gratuita nas redes, considerando ser este um tópico da avaliação.

Algumas empresas, como já sabido, realizam pesquisas nos perfis dos candidatos nas redes sociais antes da contratação por motivos óbvios, e essa ação pode ser determinante para a contratação de um candidato. Fato é que se a organização tem o cuidado de no ato do recrutamento analisar os perfis dos candidatos, em determinada fase do processo seletivo, porque não vez em quando, investir algum tempo e visitar os posts dos seus colaboradores? Nada de mais, apenas passar e ver se está tudo bem e o que se anda postando por aí.

Sendo essa uma realidade, o ideal é não expor a intimidade, sentimentos mais acirrados, instantes de muitas alegrias ou decepções. Essas redes devem ser utilizadas com cuidados e ao postar algo que seja uma publicação inteligente ou um momento em família que merece de fato ser retratado, nada muito exagerado ou que sugira ostentação. No que tange aos momentos da vida mais críticos o certo mesmo é dividir os sentimentos como se fazia antigamente, na base do tal desabafo no ombro amigo, fisicamente mesmo, que pode ser feito com a esposa ou marido, a mãe, o pai, o irmão, até mesmo com o velho melhor amigo, enfim, alguém de confiança. Uma atitude como esta, conservadora, além de preservar a imagem cria a possibilidade de um bom bate papo e aconselhamento através de uma palavra “amiga”, além de que tal ação mantém relações vivas, quentes, num mundo onde as pessoas se comunicam tão eletronicamente, mesmo estando um ao lado do outro. Pense bem antes de criar uma publicação ou compartilhar algo, isso pode ser mal visto ou interpretado erroneamente, não só no campo empresarial, mas no social também, uma vez que o círculo é grande e as percepções são as mais variadas possíveis. Então, é sempre bom ter cuidado com o que publica e com a exposição que isso pode trazer e não se esqueça, no geral, as pessoas nos interpretam por aquilo que postamos. No mais, as redes sociais deveriam vir com uma mensagem bastante comum, use com moderação.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento