Vem aí o primeiro “selo de confiança” para economia colaborativa

Sabe aquelas pessoas que sempre torcem o nariz quando o assunto é segurança em plataformas colaborativas? Para deixar estas criaturas mais tranquilas, uma companhia inglesa desenvolveu um certificado exclusivo para empresas que cumpram todos os requisitos do seu Manual de Boas Práticas. É a primeira certificação no setor.

Confiança é a alma do negócio: esse é o lema da economia colaborativa. Por isso, os desenvolvedores de marketplaces como Airbnb, Uber, Enjoei, entre outros, se desdobram para criar conexões confiáveis através de uma rede de avaliações. Ainda assim, sempre tem os que questionam a segurança de algumas plataformas colaborativas, afinal, não estamos acostumados a confiar em desconhecidos. Para deixar estas criaturas desconfiadas mais tranquilas, uma companhia inglesa desenvolveu um certificado exclusivo para empresas de economia colaborativa que atendam a todos os requisitos do seu Manual de Boas Práticas. É a primeira certificação no setor.

O TrustSeal (algo como Selo de Confiança) foi criado pela PwC, em parceria com a seguradora BIBA, e já convidou empresas como MyShowcase, GrubClub e LifeShare para fazer parte do programa piloto. A PwC vai revisar todas as informações das companhias participantes, que serão reportados a um Comitê de Experts encabeçado por Rachel Botsman (autora da bíblia da economia colaborativa – O Que É Meu É Seu: Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo). O objetivo deste selo de confiança é criar padrões globais para empresas na area de economia colaborativa em todo o mundo.

Confira os itens analisados no Manual de Boas Práticas do TrustSeal:

1. Identidade verificada
2. Checagem de antecedentes criminais
3. Histórico de educação e emprego conferidos
4. Comunicação transparente
5. Ajuda e suporte ao cliente
6. Pagamento seguro, precificação clara e reembolso
7. Seguros e garantias
8. Proteção de dados

Como é hoje a rede avaliações das plataformas colaborativas?

Funciona mais ou menos assim: você cumpriu com o que foi previamente acertado? Legal, a avaliação será positiva. Vendeu gato por lebre? A comunidade não perdoa (e nem deve). Quando você faz uma avaliação completamente honesta está contribuindo para melhorar a experiência do próximo usuário, por isso, as plataformas são tão insistentes sobre a importância dessa etapa do processo (não ignore os emails cobrando avaliação do usuário, ok?).Seja transparente, justo e tente se expressar de forma objetiva.

As críticas não ficam mais em um caderno empoeirado, nem barradas na burocracia de órgãos de defesa do consumidor, agora perseguem todo o trajeto do usuário no ambiente virtual em que ele está cadastrado. E lembrem-se pior que uma crítica negativa é uma resposta inadequada à uma critica negativa, mas isso já é outra história.

* artigo publicado originalmente em interualla.co

ExibirMinimizar
aci baixe o app