Um protagonista chamado líder
Um protagonista chamado líder

Um protagonista chamado líder

Hoje, embora se saiba que o conceito de gerência caminha lado a lado com o de liderança, há traços e tonalidades que os distinguem

No mundo organizacional eles são reconhecidos pela capacidade de agregar valor ao negócio, cuidar da gestão de processos e mobilizar pessoas para atingir objetivos. Acrescente- se uma boa dose de disponibilidade para aprender, legitimidade outorgada pelo grupo e convicção sobre sua coautoria na gestação do novo, além, é claro, de algumas pitadas de autoconfiança, temperadas com certa humildade e autoconhecimento e nos aproximaremos bastante de um personagem chamado líder, figura reconhecida pelo seu protagonismo no cenário empresarial.

Um mergulho na vida organizacional revela que, ao longo do tempo, esse retrato do líder passou por elaborados retoques. Há algumas décadas, seu contorno era menos nítido. Liderança confundia-se com gerência. Hoje, embora se saiba que o conceito de gerência caminha lado a lado com o de liderança, há traços e tonalidades que os distinguem. Ao lado de funções gerenciais clássicas – como planejamento, organização e controle – o líder agrega uma habilidade relacional intrínseca. Principal protagonista da cena empresarial, suas energias concentram-se nos demais atores da sua equipe de modo a extrair de cada um, inclusive de si mesmo, o melhor desempenho. Ao contrário dos famosos, prefere dividir o tapete vermelho com sua equipe. Responsável por canalizar as energias do grupo para uma ação sinérgica, o líder costuma ser comparado ao regente de uma grande orquestra. Além disso, demonstra transitar com desenvoltura por outras competências. Uma delas é ter o olhar voltado para fora da organização.

De fato, enquanto a função gerencial parece circunscrever-se ao âmbito interno das empresas, o líder torna as fronteiras entre o exterior e o interior das organizações mais permeáveis, contribuindo para a oxigenação das estruturas empresariais. Noções vindas de fora da vida organizacional – como as de ameaça e oportunidade – merecem dele pronta resposta. O relacionamento com clientes ganha valor estratégico. Ações arrojadas, como adotar o referencial da sustentabilidade para pautar o processo decisório, transformam-se em compromisso.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Dayana Soares

    Dayana Soares

    Pós graduada em Gestão de Pessoas pela Estratego João Pessoa (2014) e graduada em Administração pelo Centro Universitário de João Pessoa - Unipê (2009). Atualmente cursa segunda Graduação em Ciências Contábeis na Universidade Federal da Paraíba – UFPB e Especialização em Gestão Bancária pela Unileya. Atualmente desempenha atividades como Assistente na área de Gestão de Pessoas de uma grande Instituição Financeira. Antes disso, atuou como Assistente de Negócios em uma gência bancária, realizando atendimento a Pessoas Jurídicas, prospecção de novos clientes, operações de crédito e produtos e serviços bancários. Possui Certificação Profissional ANBIMA - Série 20, bem como atua como professora em cursos preparatórios para a Certificação Profissional ANBIMA (CPA 10 e CPA 20) e para concursos públicos da área bancária, ministrando aulas de Conhecimentos Bancários, Atendimento e Atualidades do Mercado Financeiro.
    café com admMinimizar