TREINAMENTO: EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA PROFISSIONAL

Reforçar teamworks tem representado, praticamente, a consolidação de um modelo de empresa, como conseqüência por seguirmos o caminho natural da consciência humana. Essa tendência ganha mais força com a emergência do paradigma sistêmico, que remove o mecanicista e reducionista e permite um maior envolvimento do todos no esforço empresarial. Quando divulgamos o trabalho da Consensorh, ousamos dizer que somos uma consultoria dedicada ao desenvolvimento de empresas com foco no desenvolvimento humano; focamos a expansão da consciência para que cada pessoa se torne responsável por si, pelas demais pessoas e pelo ambiente a que pertence, seja empresa, família, cidade, etc. Com certeza, pelo menos para nós, está comprovado que o principal meio de alcançar essa expansão de consciência tem sido, de fato, as atividades de treinamento, desde que o facilitador promova o alinhamento do aprendizado racional com o que costumamos chamar de aprendizagem emocional. Isso ocorre com mais freqüência em atividades comportamentais e em cursos de desenvolvimento gerencial, sendo a aprendizagem emocional importante para que ocorram mudanças de atitudes e suas conseqüências, em termos de atuação e eficiência. Quer dizer, o envolvimento emocional ao lado da absorção de conhecimentos, da troca de informações, da troca de experiências, do pensar/analisar e da expressão de sentimentos e anseios, num misto de lógica e devaneios, permite insights e conscientizações que modificam percepções, conhecimentos e sentimentos, mudando, igualmente, a predisposição para agir, vivenciar e aprender: aprender a partir da experiência alheia e da própria experiência. Estimulando-se a expansão de consciência dos trabalhadores, cria-se um lastro adequado e propício para o desenvolvimento e crescimento da empresa, haja vista que a expansão traz consigo a eficiência nos processos e a preocupação com resultados eficazes para todos os membros do time organizacional. Vejamos, como exemplo, um treinamento de comunicação humana (como se fala comumente), que visa eliminar as barreiras e dificuldades na comunicação interpessoal: as pessoas envolvidas começam a se entender, na empresa, de modo efetivo e afetivo, surgindo com isso uma consciência de teamwork. Ora, teamwork não é só uma equipe fazendo coisas juntas num mesmo tempo e lugar. O seu sentido mais verdadeiro emerge quando as pessoas estão ligadas por elos de confiança, logo, sabem que podem contar umas com as outras para criar equipes que catalisam seus esforços de modo eficaz, porque são vistas como pessoas integrais, com necessidades emocionais, psicológicas, espirituais e físicas autênticas. Percebe-se, nessa dinâmica humana (na empresa), a participação do afeto, manifesta de forma simples como uma atenção cuidadosa para com os outros, os processos, os recursos, o ambiente, etc., enfim, tudo que fizer parte da vida empresarial. A expansão da consciência, então, envolve a empresa, passa a ser consciência do teamwork e o princípio motivador que interconecta as pessoas e os processos no dia-a-dia de todos. O treinamento, o esforço com a educação, portanto, desde que acompanhando os processos naturais de evolução, continua sendo um recurso indispensável para as empresas, especialmente nesses tempos em que se busca a manifestação máxima do potencial humano das pessoas no trabalho. Expandir consciências não é nem nunca foi algo acidental; pelo contrário, é comprometimento e visão: a empresa tem que decidir por eliminar as barreiras entre os funcionários, levando-os a atingir níveis de abertura e apoio mútuo. Qualidades e virtudes (exemplo: verdade e abertura) são incentivadas e, num clima como esse, trabalhadores e negócios tendem naturalmente a crescer, mudar, aprender e a curar-se de estados anacrônicos ou ultrapassados. Conclui-se, sem medos, que a constância do treinamento leva a um estado de expansão e evolução do saber de tal modo que as empresas são forçadas a evoluírem como um todo para incorporá-lo, com grandes transformações positivas ocorrendo ao longo de todo um processo. Para ajudar a manter nosso foco nesse tipo de trabalho e a garantir a consecução de resultados concretos, é muito bom saber que essa tendência gregária reside no inconsciente humano e que, ao mesmo tempo, ela se reflete exteriormente na maneira intricada e interdependente que caracteriza todo e qualquer relacionamento humano dentro e fora da realidade empresarial, sendo esse, o conteúdo com o qual iremos, principalmente, trabalhar nos treinamentos e nos programas de desenvolvimento profissional. Paulo César T. Ribeiro é Psicólogo, Diretor da CONSENSOrh Rec. Humanos & Tecnologia. Email: paulo.ribeiro@conrh.com.br Fone: 55 11 5087-8891
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.