TRAÇOS DE LIDERANÇA NO TERCEIRO MILÊNIO

Numa certa ocasião, nos pediram para selecionar profissionais com as características de um líder do terceiro milênio. O cliente era uma empresa arrojada e que entendia a potencialização dos Recursos Humanos como a melhor estratégia para alcançar os resultados pretendidos. Aliado a isso, havia uma total preocupação com a qualidade oferecida ao mercado e com o grau de comprometimento de cada um com os objetivos da empresa. Frente a esse pedido, reunimo-nos, alguns de nossa equipe e alguns da equipe do cliente para definirmos quais seriam essas características. Conversa daqui, conversa dali, leitura disso, leitura daquilo, interpretações de dinâmicas, enfim, após um agradável trabalho grupal, concentramos a nossa busca em profissionais que possuíssem algumas das características abaixo listadas, possibilitando assim, a conclusão do trabalho com muito sucesso! Certos de que muitos de vocês enfrentam o mesmo tipo de desafio, gostaríamos de compartilhar essa lista de características na esperança de que possa vir a ser útil em alguma trabalho de seleção. Características do Condutor de Grupos no Terceiro Milênio: - Responsabilidade: assumir integralmente suas ações e responder por elas frente ao seu juízo e ao da sociedade. - Caminho para a individuação: aceitação e expressão do núcleo interno ou EU, isto é, realização das capacidades latentes, potencialidade, pleno funcionamento, acessibilidade da essência humana e pessoal e presença mínima de má saúde e de diminuição das capacidades humanas" (A. Maslow). - Flexibilidade: não ter receitas mágicas / não querer enquadrar o outro num esquema rígido e por isso, doentio. - Humildade: Saber-se falho, finito / buscar a impecabilidade interior e não a concordância nos olhos dos outros. - Atualização: manter-se informado em tudo aquilo que leve a uma compreensão maior do homem como ecossistema. - Intuição: buscar desenvolvê-la, mas sabê-la falha e passível de graves erros. - Criatividade. - Senso étIco e pleno respeito à individualidade do outro / não invadir o outro. - Capacidade de Doação. - Transcendência: não só no sentido de ultrapassar o presente no futuro próximo, mas perceber-se vinculado ao Cosmos/Deus. - Religiosidade frente à Vida: Buscar ver o Sagrado no homem. - Atenção integral a cada membro do time. - Senso estético. - Crença em si mesmo e no outro como possíveis de auto-realização. - Empatia e tolerância. - Reflexão. - Clarificação periódica de seus valores e significados. - Autenticidade: coerência entre o pensar, sentir, falar e agir. - Uso de técnicas adequadas ao cliente/seu momento. - Percepção de possibilidades de crescimento no sofrer e ate mesmo na neurose. - Visão do outro como TU: não reduzir o outro a um aspecto ou a "Isso". - Coragem e auto-controle - Perspicácia para separar o essencial do Acidental. - Compaixão: aceitação da condição humana, com suas misérias e grandezas. - Visão do educando como um presente que a Vida nos oferece. - Paciência: reconhecer que o tempo interior do outro é diferente do meu e buscar a harmonia do andar juntos. Paulo Cesar T. Ribeiro é Psicólogo, Diretor da CONSENSOrh Rec. Humanos & Tecnologia. Email: paulo.ribeiro@conrh.com.br Fone: 55 11 5087-8891
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.