Tô achando que isso é de propósito!

Estudos e mais estudos, vêm comprovando nos últimos anos que a mão de obra está se desqualificando. Infelizmente essa realidade é fácil de ser percebida dentro das corporações como também nas próprias estruturas de ensinos técnicos.

Esse fenômeno tem algumas variáveis que são amplamente discutidas por órgãos educacionais e profissionalizantes e neste mundo tão cheio de alternativas, sempre é difícil para alguém apontar especificamente o que pode estar interferindo para que isso ocorra.

Analisando o contexto que vivemos, parece totalmente contraditório ao que presenciamos neste novo mundo, onde o acesso a informação nunca foi tão facilitado e também nunca foi oferecido em tão larga escala através dos meios tracionais como também na utilização dos novos companheiros eletrônicos que passaram a nos acompanhar 24 horas por dia.

Existem muitos que inclusive defendem que o problema pode estar exatamente nesta influência do mundo digital que ao mesmo tempo que oferece muitos assuntos de profunda importância também propicia o entretenimento em tempo integral. Se formos pesquisar a tendência das pessoas, fatalmente iremos descobrir que a maioria utiliza essa fonte de informação para usufruir da parte de entretenimento.

Tudo isso, acaba indo de encontro ao tema de hoje, onde descobrimos que as pessoas com quem trabalhamos, as pessoas que entram em nossas equipes de trabalho, na sua grande maioria estão despreparadas para o tipo de trabalho que tem que exercer, o que não é nenhuma novidade em relação ao passado, já que sempre teremos que adaptar e ensinar as pessoas a exercerem suas funções. O que verdadeiramente diferencia o comportamento desse novo momento é o fato das pessoas estarem mais dispersas e com atitudes que chegam a representar uma falta de interesse em aprender e em se dedicar ao aprendizado.

Se formos analisar o contexto até então abordado, vamos acabar novamente enfrentando a desagradável realidade do conceito do entretenimento que vende nas suas entrelinhas uma superficialidade no aprendizado e nos temas relevantes a produtividade e a conquista de resultados mais ousados.

Será que os líderes do momento sofrem com este tipo de situação?

Aí sim chegamos ao título deste texto, onde podemos constatar onde os líderes se deparam exatamente com esta afirmação que é quase uma indagação.

Existem certos comportamentos tão simples de serem executados por aqueles que dão o comando, tão fáceis de serem aprendidos na visão de quem está ensinando, tão imediatos de serem aplicados por aqueles que necessitam de sua aplicação que fica quase impossível de aceitar que o liderado ou o que recebeu a tarefa a ser executada, deixe de fazer ou de cumprir.

Já presenciei muitas vezes um líder perder tanto a paciência com essas situações que foi capaz de soltar em alto e bom som a frase acima, ou seja ..... TÔ ACHANDO QUE É DE PROPOSITO, ou uma outra muita parecida .... SÓ PODE SER DE PRÓPOSITO.

Frases que na maioria das vezes, tem a intenção de demonstrar a total insatisfação com a falta de vontade ou a falta de dedicação por parte dos liderados.

Para espanto de muitos, NÃO É DE PROPOSITO, já que quando pesquisamos junto aos liderados o que os fez se passar por ineficientes, a maioria demonstra um espanto e geralmente um arrependimento enorme por não ter feito ou cumprido o que deveria.

Tudo bem que existe o pessoal que realmente “não tá nem aí pra nada”, acredito que o interessante é saber que através de levantamentos diversos, já constatei várias vezes que esse pessoal é uma minoria irrelevante, o que nos dá grande esperança e vontade para trabalhar e modificar este quadro.

Para ajudar nessa situação e em outras que possam envolver essa displicência dos liderados, recomendo que os líderes tomem três atitudes bem simples para começar o processo de transformação de sua equipe:

  1. Tenha uma conversa imediatamente após ter acontecido algo que não tenha agradado, apontando para o seu liderado não o que você não gostou mas sim o que poderia ter sido feito de uma forma diferente e que traria melhores resultados. Procure fazer isso em conversas individuais;
  2. Verifique na sequência da conversa as atitudes deste liderado e caso ele tenha a iniciativa de remediar o que fez, tenha a habilidade de demonstrar isso publicamente reconhecendo o que ele fez de bom;
  3. Depois do reconhecimento, na primeira oportunidade tenha uma conversa com este liderado pedindo para que ele te conte quais são as pretensões dele na função que está exercendo e o onde ele pretende chegar. Busque conhecer os sonhos dele.

Concorda que são atitudes simples?

Simples é ..... Não mencionei que era fácil ......rsrsrs

O problema é estar antenado o tempo todo para não deixar as oportunidades passarem. E um outro impeditivo que muitos líderes levantam para esta atividade é a falta de tempo.

Lembre-se sempre que isso poderá te dar ferramentas infinitas para trabalhar junto com essa pessoa e iniciar um processo de evolução continua deste profissional que no futuro poderá ser um grande apoio para você ou um parceiro que sempre lembrará do quanto você fez a diferença na vida dele.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento