Sobre ser empreendedor ou não

Será que você realmente nasceu para ser empreendedor?

Me assusta ver atualmente tanta propaganda do Governo Federal de apoio ao empreendedorismo. Será que é porque empreendedores geram milhares de empregos, renda e impostos para a máquina pública? Ou porque empreendedores investem em treinamentos, tecnologia e conhecimento, fazem sacrifícios, trabalham arduamente e são persistentes, a despeito de todas as dificuldades existentes num país que idolatra política, televisão e esporte?

Mas será que você realmente nasceu para ser empreendedor?

Eu uso a seguinte regra para respondê-la: se você que abrir um “negócio qualquer” para resolver um problema seu, ou seja, para sair da condição de funcionário que está desmotivado, se sentindo mal remunerado, explorado, enriquecendo o bolso dos outros, você não é empreendedor e provavelmente não terá sucesso.

Agora, se for para resolver um problema de outra pessoa, ou seja, se por algum motivo você teve uma ideia interessante e inovadora, ou mesmo uma nova forma de prestar um serviço já existente, ai digo que você tem mais chances de ser Empreendedor (agora com letra maiúscula). E também digo que suas chances de ter sucesso também aumentam, um pouco.

Conforme dados do SEBRAE, as empresas de micro, pequeno e médio porte geram quase 70 milhões de empregos no Brasil. A grande maioria trabalha no vermelho durante muito tempo, em condições precárias, sem qualquer garantia de sucesso. E se falhar, o empreendedor fica sozinho com suas dívidas, seu nome sujo e com o próprio governo na sua cola.

Então, antes de entrar nessa barca, responda a minha primeira pergunta. Qual o problema que você ACHA que irá resolver, sendo dono do próprio nariz?

E mesmo que sua resposta seja a segunda opção: resolver o problema dos outros, eu ainda te digo que existe outras maneiras de colocá-la em prática, sem que ainda você tenha que entrar no mundo da emissão de nota fiscal, dos impostos, da contabilidade, da contratação de funcionários, etc, etc…

Com sua ideia bem escrita e realmente clara, seu projeto pode virar realidade através de parcerias com empresas já estabelecidas. Eu mesmo faço isso em meus negócios. Quando me apresentam uma boa ideia, monto um projeto cocriativo, em que cada um contribui com sua experiência e conhecimento. Os resultados também são compartilhados e divididos conforme cada parte.

E não sou só eu que faço isso, as grande empresas também, buscando melhorar suas atividades e seus processos criativos. Cito como exemplos a Natura, a GE, o banco ITAU. Você vai a uma dessas empresas, apresenta sua ideia e se torna parceiro no projeto, com ganhos proporcionais, com um grande apoio e, principalmente, com a tranquilidade de, pelo menos nesse inicio, não se preocupar tanto com as responsabilidades fiscais, operacionais e financeiras.

Agora, o mais indicado é, antes mesmo de sair por aí vendendo sua ideia, procure um coach de empreendedorismo (eu me indico :)) para mapear suas ideias e pensamentos. Além de lhe ajudar com suas dúvidas, você terá acesso a diversas ferramentas importantes e ainda ao mundo dos seus valores, missão e propósito.

Esse é o caminho seguro para mudar sua carreira e sua vida.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento