Simplesmente Sublime

Ora, se Deus não é brincalhão, como explicar a mania que os homens têm de se dizerem mais fortes e mais inteligentes do que as mulheres?

Ás vezes eu me pego pensando em certas coisas. São questões capazes de deixar qualquer pessoa com cara de ponto de interrogação. Afinal de contas, quem somos? Para onde vamos? De onde viemos? Existe, mesmo, a tão falada vida após a morte? Ou será que tudo acaba no dia em que expiramos e fechamos os olhos pela última vez?
Com efeito, essas questões assolam a mente da humanidade desde que o homem percebeu que é um ser com data de validade, embora essa data de validade não venha impressa na testa de ninguém. E como diria o escritor português José Saramago, Nem tu podes fazer-me todas as perguntas e nem eu posso te dar todas as respostas. (1991).
Por outro lado, existe outra questão bastante engraçada e que, pelo menos para mim, continua sem resposta plausível, muito menos satisfatória. Já repararam como Deus é um cara brincalhão? Pois vejam vocês, estamos em pleno mês de março. Além da Páscoa, que, para os cristãos, é a ressurreição do filho de Deus temos, neste mês, o dia 08, o Dia Internacional da Mulher. E não poderia haver coincidência, se é que há, de fato, coincidências, mais propícia e digna de figurar num artigo.
Quando digo que Deus é um cara brincalhão, o faço justamente por conta da eterna guerra dos sexos. Recentemente, um treinador (agora ex) de futebol de uma conhecida e popular equipe paulistana, disse que a mulher não poderia arbitrar um jogo de tão alto nível, como é o futebol, por ela não ser capaz de acompanhar o ritmo físico, o torque dos atletas, que isso era algo biológico. Pilhérias à parte, já que o técnico é gaúcho, a polêmica sobre quem faz o quê melhor, o homem ou mulher, voltou à baila. E logo neste mês.

Longe de mim querer colocar mais lenha nessa fogueira. Porém, continuo com minha tese de que Deus é brincalhão. Não é de hoje que absurdos como: a mulher é o sexo frágil, o homem dirige melhor do que a mulher, o homem é mais inteligente do que a mulher são ditas. E por que não dizer, cuspidas, lançadas com violência.
É claro que eu poderia falar na presença cada vez mais constante da mulher no mundo corporativo. Poderia citar o sem número de mulheres inseridas no mundo corporativo, administrando empresas com muita competência. Afinal de contas, segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor, nós representávamos, em 2003, 46% dos empreendedores no país. No entanto, não é o que farei. Poderia, também, falar da força da mulher como professora. No entanto, não é isso que farei. Continuo batendo na tecla de que Deus é brincalhão.
Ora, se Deus não é brincalhão, como explicar a mania que os homens têm de se dizerem mais fortes e mais inteligentes do que as mulheres? Taí o treinador de futebol que não me deixa mentir. Por incrível que pareça, ainda existe esse tipo de pensamento de que a mulher não pode fazer certas coisas, que os homens são melhores. Porém, é sensível a diferença entre a maneira de conduzir certos assuntos. E já que falamos em sensível, nada melhor do que um exemplo prático de sensibilidade.
Ana Cuder é hoje vice-presidente da rede de escolas de inglês CNA, que tem 56% de suas franquias comandadas por mulheres. Sua trajetória profissional começou em 1978 quando ela formou-se em Língua Inglesa e passou a dar aulas.
Sobre as dificuldades que teve pelo caminho até chegar ao cargo que ocupa hoje, Ana fala que foi difícil "impor seus pontos de vista em um mundo essencialmente masculino, em que as mulheres são vistas, por determinado tipo de homem, como inferiores intelectualmente. Ela também afirma que teve dificuldades por ser uma pessoa emotiva. "Talvez tenham me taxado de "chorona", o que sou mesmo, mas desde quando isso afeta minha capacidade intelectual ou meu empenho profissional?", questiona. (disponível em http://www.terra.com.br/mulher/).
Deus, quando resolveu criar os seres humanos, fez uma brincadeira com os homens: colocou neles 23 bilhões de neurônios, enquanto na mulher pôs 4 bilhões a menos. E isso gerou toda uma ilusão de que os machos são inteligentíssimos enquanto que as fêmeas...
Todavia, uma análise mais profunda provará que essa direcionamento não é o mais adequado:
Mulheres raciocinam em paralelo, avaliam dezenas de variáveis simultaneamente, suas conclusões são do tipo melhor-pior ou uma simples sensação visceral de certeza da conclusão. Por isto, dizem que as mulheres são intuitivas. Elas processam informação mais rapidamente, são mais abrangentes, mais holísticas. Ou seja, mulheres são paralelas, homens são seriais. (disponível em http://www.kanitz.com.br/impublicaveis/paralelas.asp)
Perceberam a brincadeira? Ora, se os homens pensam mais e melhor, por que, então nós processamos informações mais rapidamente. Mistério? Milagre? Obra do acaso?
Nada disso. É Deus, lá em cima, rindo dos homens quando eles se julgam mais inteligentes. E se vocês pararem por alguns segundos, poderão escutar a voz DELE sendo levado pelo vento: Vocês é que pensam!"

Feliz Dia Internacional da Mulher!


Ás vezes eu me pego pensando em certas coisas. São questões capazes de deixar qualquer pessoa com cara de ponto de interrogação. Afinal de contas, quem somos? Para onde vamos? De onde viemos? Existe, mesmo, a tão falada vida após a morte? Ou será que tudo acaba no dia em que expiramos e fechamos os olhos pela última vez?
Com efeito, essas questões assolam a mente da humanidade desde que o homem percebeu que é um ser com data de validade, embora essa data de validade não venha impressa na testa de ninguém. E como diria o escritor português José Saramago, Nem tu podes fazer-me todas as perguntas e nem eu posso te dar todas as respostas. (1991).
Por outro lado, existe outra questão bastante engraçada e que, pelo menos para mim, continua sem resposta plausível, muito menos satisfatória. Já repararam como Deus é um cara brincalhão? Pois vejam vocês, estamos em pleno mês de março. Além da Páscoa, que, para os cristãos, é a ressurreição do filho de Deus temos, neste mês, o dia 08, o Dia Internacional da Mulher. E não poderia haver coincidência, se é que há, de fato, coincidências, mais propícia e digna de figurar num artigo.
Quando digo que Deus é um cara brincalhão, o faço justamente por conta da eterna guerra dos sexos. Recentemente, um treinador (agora ex) de futebol de uma conhecida e popular equipe paulistana, disse que a mulher não poderia arbitrar um jogo de tão alto nível, como é o futebol, por ela não ser capaz de acompanhar o ritmo físico, o torque dos atletas, que isso era algo biológico. Pilhérias à parte, já que o técnico é gaúcho, a polêmica sobre quem faz o quê melhor, o homem ou mulher, voltou à baila. E logo neste mês.
Longe de mim querer colocar mais lenha nessa fogueira. Porém, continuo com minha tese de que Deus é brincalhão. Não é de hoje que absurdos como: a mulher é o sexo frágil, o homem dirige melhor do que a mulher, o homem é mais inteligente do que a mulher são ditas. E por que não dizer, cuspidas, lançadas com violência.
É claro que eu poderia falar na presença cada vez mais constante da mulher no mundo corporativo. Poderia citar o sem número de mulheres inseridas no mundo corporativo, administrando empresas com muita competência. Afinal de contas, segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor, nós representávamos, em 2003, 46% dos empreendedores no país. No entanto, não é o que farei. Poderia, também, falar da força da mulher como professora. No entanto, não é isso que farei. Continuo batendo na tecla de que Deus é brincalhão.
Ora, se Deus não é brincalhão, como explicar a mania que os homens têm de se dizerem mais fortes e mais inteligentes do que as mulheres? Taí o treinador de futebol que não me deixa mentir. Por incrível que pareça, ainda existe esse tipo de pensamento de que a mulher não pode fazer certas coisas, que os homens são melhores. Porém, é sensível a diferença entre a maneira de conduzir certos assuntos. E já que falamos em sensível, nada melhor do que um exemplo prático de sensibilidade.
Ana Cuder é hoje vice-presidente da rede de escolas de inglês CNA, que tem 56% de suas franquias comandadas por mulheres. Sua trajetória profissional começou em 1978 quando ela formou-se em Língua Inglesa e passou a dar aulas.
Sobre as dificuldades que teve pelo caminho até chegar ao cargo que ocupa hoje, Ana fala que foi difícil "impor seus pontos de vista em um mundo essencialmente masculino, em que as mulheres são vistas, por determinado tipo de homem, como inferiores intelectualmente. Ela também afirma que teve dificuldades por ser uma pessoa emotiva. "Talvez tenham me taxado de "chorona", o que sou mesmo, mas desde quando isso afeta minha capacidade intelectual ou meu empenho profissional?", questiona. (disponível em http://www.terra.com.br/mulher/).
Deus, quando resolveu criar os seres humanos, fez uma brincadeira com os homens: colocou neles 23 bilhões de neurônios, enquanto na mulher pôs 4 bilhões a menos. E isso gerou toda uma ilusão de que os machos são inteligentíssimos enquanto que as fêmeas...
Todavia, uma análise mais profunda provará que essa direcionamento não é o mais adequado:
Mulheres raciocinam em paralelo, avaliam dezenas de variáveis simultaneamente, suas conclusões são do tipo melhor-pior ou uma simples sensação visceral de certeza da conclusão. Por isto, dizem que as mulheres são intuitivas. Elas processam informação mais rapidamente, são mais abrangentes, mais holísticas. Ou seja, mulheres são paralelas, homens são seriais. (disponível em http://www.kanitz.com.br/impublicaveis/paralelas.asp)
Perceberam a brincadeira? Ora, se os homens pensam mais e melhor, por que, então nós processamos informações mais rapidamente. Mistério? Milagre? Obra do acaso?
Nada disso. É Deus, lá em cima, rindo dos homens quando eles se julgam mais inteligentes. E se vocês pararem por alguns segundos, poderão escutar a voz DELE sendo levado pelo vento: Vocês é que pensam!

Feliz Dia Internacional da Mulher!


Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Laila Vanetti

    Laila Vanetti

    Mestre e bacharel em lingüística pela Unicamp, fez vários cursos em Análise do Discurso, Retórica, Argumentação, Coerência e Coesão textual.
    Autora de diversos artigos em Comunicação Empresarial, Laila Vanetti tem entre seus clientes grandes empresas como Petrobras, Ambev,Henkel,Iprem, Deloitte, Anatel, Brasilprev, Banco do Brasil, Itautec-Philco, Aventis, Luk Embreagens e Unicamp.
    Professora da ESAMC-ESPM, presta consultoria a grandes empresas por todo o Brasil na área de comunicação escrita além de ter participado ativamente nos últimos 13 anos dos mais importantes processos de seleção em Língua Portuguesa do país, como Unicamp, ENEM e Provão.
    café com admMinimizar