Seja feliz em tempo integral
Seja feliz em tempo integral

Seja feliz em tempo integral

A felicidade mostrou-se sistêmica, deixou de ser um bem ou momento perseguido por homens ferozes e passou a ser um bem disponível para homens que sabem o que querem com conexão ao sentir

A felicidade é um bem adquirido que todos temos a ampla capacidade de viver, cada qual à sua forma e com seus valores e crenças. Agora, posso garantir: estamos aqui para ativar essa habilidade e tornar nossa vida e de quem se relaciona conosco melhor.

Quando começamos a trabalhar com o conceito de Engenharia da Felicidade no ambiente corporativo, éramos olhados de forma estranha. Como falar de felicidade assim?

Quase como um “tabu” lançado em áreas de gestão e RH, como se ao entrarmos nas empresas a felicidade ficasse aguardando um espaço na agenda concorrida que às vezes fecha em 15 horas diárias!

Hoje sinto que ao falar da Engenharia da Felicidade vem um olhar leve de curiosidade, uma grande abertura e evolução que sabemos que o coração pulsa ao pensar que pode viver com transparência no que acredita. Ser feliz é uma condição presente em nosso cérebro, coração e corpo.

Buscamos por ela, cada um da sua forma, o que é muito saudável, diferente de algumas décadas atrás, onde o homem tentou padronizar a felicidade, como se todos desejassem a mesma coisa para chegar lá.

A felicidade está aqui!

No presente, pois a felicidade existe na vida presente, ela é uma visão no futuro ou uma lembrança no passado, pois está viva no aqui e agora.

Quando isso ficou explicitado, muitos compreenderam que seria muito valioso acessar a felicidade hoje e no período profissional também.

A felicidade mostrou-se sistêmica, deixou de ser um bem ou momento perseguido por homens ferozes e passou a ser um bem disponível para homens que sabem o que querem com conexão ao sentir.

Essa mudança vem na história com a inteligência emocional, amplamente sendo considerada uma ferramenta para a vida profissional dentro das corporações, afinal, para formar esse homem que sabe o que quer, o amparo vem da inteligência emocional.

A felicidade deixou de ser perseguida para ser digerida. Isso ocorre quando os profissionais se atentam que o que fazem é fruto de uma escolha, que ninguém é obrigado a nada, que escolhemos o tempo todo.

Agora, se a escolha é para atender a uma receita de sucesso padronizada, de um bom emprego, um bom salário, uma boa casa, filhos, boas viagens e que todos ao redor irão aprovar, sem considerar o que faz sentido para você, essa também é e foi uma escolha sua, que poderá ser transformada, caso seus objetivos e valores estejam distantes dessa condição construída.
A felicidade e sua engenharia começa quando você se permite retomar o que é valor para você, independente do que está sendo valorizado aqui fora.

Naturalmente quando o seu alicerce interno está em sintonia com o ambiente e com as pessoas que convivem com você, temos a simplicidade da felicidade acontecendo.

Ser feliz traz muitos benefícios, a produtividade é amiga da felicidade, a criatividade também e a segurança para poder ousar e inovar está disponível.

O foco de quem está feliz e produzindo o que gosta é maior, assim como o senso de responsabilidade com o processo e entrega.

Costumo lembrar que o brilho da felicidade no olhar é um aspecto de fácil compreensão e reconhecimento. Trabalhar em algo que te faz feliz é um direito!

Aliás, viver uma vida que te faça feliz é uma condição e se você está distante disso algo está fora do lugar. Basta pausar e decidir o que você deseja fazer!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento