São as águas de Marte...

Ver tanta água em Marte e nenhuma na Cantareira ou no "Velho Chico" é fruto da cortina de fumaça que a tecnologia produz. Ao nos orgulharmos dela, esquecemos nossas limitações e incapacidades da atual civilização

As notícias da semana dão conta da mais nova descoberta do espaço sideral: o planeta Marte possui água em estado líquido. É bem verdade que se trata de uma verdadeira salmoura, visto que a 20ºC negativos ainda está líquida, tamanho a quantidade de sais presentes no precioso mineral líquido.

Sejam muito bem vindas, ciência e tecnologia com suas descobertas transplanetárias. Realmente, quando pensamos em tecnologia, ainda que seja a dos gringos, nos sentimos todos orgulhosos com os feitos da raça humana. De fato, tecnologia tem cheiro de perfeição.

Brevemente, é previsível, estaremos fazendo selfies em Plutão ou até, quem sabe, na Ursa Maior e, liberando a internet do seu atual confinamento no planeta Terra para todo o universo. Levaremos, portanto, o Facebook a outros seres, ditos extraterrestres e, então, na hora de postar nossas melhores fotos, entraremos em choque com a triste paisagem nelas exibida.

A descoberta, tão intrigante quanto anunciada, da água marciana deveria nos servir para uma profunda reflexão. Comemoramos a presença da água contaminada a zilhões de quilômetros de casa e não somos capazes de cuidar e tomar medidas capazes de revitalizar o vizinho e potável rio São Francisco ou atenuar a escassez hídrica que se generaliza em todo o País.

Assustador pensar que as notícias dos grandes feitos tecnológicos desviam a atenção dos problemas reais gerados por nosso modelo capenga de desenvolvimento. É uma verdadeira cortina de fumaça ver tanta água em Marte e nenhuma no Velho Chico ou na Cantareira. Com efeito, soa tão estranho crer que a água de Marte trará solução para a sede da humanidade quanto esperar pela paz a partir do planeta símbolo da guerra.

Se para a tecnologia a palavra de ordem é PERFEIÇÃO, para o meio ambiente terrestre tal palavra parece ser EROSÃO e, para a ordem social, talvez seja EXCLUSÃO. Enquanto nos preocuparmos com a chance de levar vida humana ao planeta vermelho e deixarmos água parada em pneus, penicos e vasos nos terrenos baldios vizinhos, atraindo e produzindo Dengue e, ainda, jogarmos lixo e resíduos nas ruas a entupir bueiros, alagando as cidades; não podemos dizer que estamos nos desenvolvendo de forma saudável, civilizada e humana; apesar de conhecermos tudo sobre Marte. Também não é suficiente denunciar ou pronunciar discursos contundentes e faltar o gesto ou, carecer de ação efetiva.

Alô, alô marciano, depois de destruir o meio ambiente terrestre, a humanidade já está de olho no seu jardim. Se cuida, desumano.

Publicado originalmente em http://paulodoeirado.blogspot.com.br/2015/10/sao-as-aguas-de-marte.html

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento