Resposta a leitores III

A liderança em si é um espetáculo, como líder você precisa estar consciente do seu comportamento, pois, não tenha dúvida, todos os demais estão, pode crer.

Um amigo leitor de Mato Grosso do Sul me perguntou se existem e quais os traços comuns que podemos encontrar entre os bons líderes.

Eu diria que muitos são os traços comuns entre os bons líderes, porém, antes de continuar gostaria de responder a um outro amigo leitor de São Paulo, que em tom de desafio, me questionou;


Se você fosse eleger o líder dos líderes, aquele que poderia servir de exemplo, em quem apostaria?

Apesar de não ser simples também não é uma resposta difícil, para mim o maior líder de todos os tempos foi Jesus Cristo. Basta olhar o que ele realizou. Qualquer que seja o processo de avaliação, as evidências dos fatos atestam que a organização fundada por Jesus é a mais bem-sucedida de todos os tempos. Longevidade? Mais de dois mil anos. Riquezas? Incalculáveis. Números? Impossível de avaliar. Lealdade dos membros? Muitos chegaram e chegam a dar a vida por ela. Distribuição? No mundo inteiro, em todas as nações. Diversificação? Integrado em todo tipo de empreendimento com grande sucesso. Resultado final? Jesus Cristo reina, supremo, como o maior líder que o mundo já conheceu. Não me compreendam mal, não estou aqui pregando ou dizendo que Jesus é um guru para os líderes de hoje, cheio de fórmulas, slogans e respostas para uma revolucionária mudança na vida das organizações, até porque Ele é muito mais do que isso. Agora, mesmo se colocarmos sua vida e seus ensinamentos fora de qualquer contexto místico ou espiritual, com certeza iremos nos deparar com ensinamentos altamente relevantes que podem sim ser aplicado com sucesso em qualquer área de nosso mundinho empresarial.

Retornando ao tema podemos afirmar que os líderes, em geral, apresentam muitos traços comuns. Um deles é a automotivação, isto faz com que os líderes eficazes sejam impulsionados a ir além de suas expectativas. Para o líder automotivado a palavra chave é alcançar. Muitas pessoas são estimuladas a ir além, motivadas basicamente por fatores externos ou higiênicos, como dizia Herzberg, como alto salário, status decorrente do cargo, prestígio, benefícios percebidos etc,... Esta afirmação pode parecer um tanto taylorista demais, entretanto, trata-se de uma realidade em muitas de nossas organizações, mas é certo também que os líderes eficazes, ao contrário, são motivados por desejos profundos de alcançar objetivos pelo simples fato de alcançar um objetivo, de ir além de seus limites, de se superar e incentivar sua equipe a se superar a cada instante.

Mas, como identificar estes líderes?

O primeiro sinal é a paixão pelo trabalho. Estes líderes buscam desafios criativos, adoram aprender e se orgulham de um trabalho bem feito. Por outro lado, mostram uma energia inesgotável para fazer as coisas de forma cada vez melhor e costumam se sentir insatisfeitos com a situação vigente. Normalmente são inquietos e insistem em saber por que as coisas são feitas desta ou daquela forma. E como são curiosos! A todo instante mostram-se ávidos a explorar novas abordagens para o seu trabalho e para o trabalho de sua equipe. Concordo que embora todos os líderes sejam razoavelmente inteligentes, nem todos são necessariamente curiosos, mas deveriam. É interessante notar que as pessoas com alta motivação mantém um otimismo contagiante mesmo quando as coisas não saem como deveria. Neste caso, o autocontrole combina com a motivação e supera a frustração e a depressão que acompanham qualquer revés ou fracasso que acontecem ao longo de uma caminhada.

Neste sentido o autocontrole é um outro traço a ser considerado entre os líderes eficazes. Imagine um líder que vê sua equipe fracassar estupidamente e ao invés de esmurrar a mesa, exerce o seu autocontrole, analisa a questão e propõe soluções. É muito mais saudável sem dúvida.

As pessoas que têm controle sobre seus sentimentos e impulsos são capazes de criar um ambiente de confiança e justiça onde politicagens e brigas passam a ser coisas raras e o mais importante, a produtividade aumenta. O autocontrole é importante pela própria competitividade do mundo dos negócios em que imperam a ambigüidade e a mudança. O líder que controla as emoções consegue acompanhar as mudanças, não entra em pânico, é capaz de evitar julgamentos apressados, buscar informações e escutar explicações. Realmente, se o autocontrole é importante para todos, imagine para o líder. Muitas das coisas negativas que acontecem dentro da organização são resultados de reações impulsivas e este tipo de atitude atrapalha até a sociabilidade que também é um traço importante e comum entre os líderes eficazes.

Sociabilidade não se trata apenas de um comportamento amigável, embora as pessoas com boa dose de sociabilidade sejam amigáveis. Se fossemos conceituar diria que é a capacidade de uma pessoa de administrar seu relacionamento com outras pessoas, mas não é tão simples assim. Na verdade, é um comportamento amigável com objetivo claro. Significa impulsionar as pessoas na direção desejada, seja para que concordem com uma nova estratégia de mercado, seja para que se entusiasmem com relação a um novo produto e/ou serviço. As pessoas sociáveis costumam ter um grande círculo de conhecidos e uma capacidade inata para descobrir pontos em comum com todos os tipos de pessoas. Neste sentido, os líderes eficazes se esmeram em levar seriamente em consideração os sentimentos dos colaboradores. Trata-se de uma espécie de empatia.

A empatia como componente da liderança é importante por três motivos. Primeiro é preciso que o líder seja capaz de perceber e compreender os pontos de vistas de todas as pessoas. Pense no desafio de liderar uma equipe? Sabemos que não é fácil. Como toda pessoa que já fez parte de uma equipe pode confirmar, elas são caldeirões de emoções em efervescência. Um outro motivo que deve ser levado em consideração é a globalização. O diálogo entre culturas pode levar facilmente a erros e desentendimentos. Para isto a empatia é um antídoto. As pessoas que possuem tal habilidade estão sintonizadas e atentas às sutilezas da linguagem corporal, ouvem a mensagem por trás das palavras que são ditas. Além disso, têm uma compreensão profunda da existência e da importância das diferenças étnicas e culturais.

Enfim! Podemos afirmar com segurança que o tema e a liderança em si é um espetáculo, como líder você precisa estar consciente do seu comportamento, pois, não tenha dúvida, todos os demais estão, pode crer.




ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.