Quando o inimigo trabalha ao lado

Sociopata é uma palavra usada para descrever uma pessoa que sofre de sociopatia, ou seja, uma psicopatologia que provoca um comportamento impulsivo, hostil e antissocial. Um sociopata não origina apego aos valores morais e tem a capacidade de representar, fingir sentimentos para conseguir manipular outras pessoas

A Psicopatia ou sociopatia, hoje, é um tema muito polêmico e até muito preocupante, mas o índice de sociopatia organizacional vem crescendo. Mas afinal o que é sociopatia?

A sociopatia é uma palavra usada para descrever uma pessoa que sofre desociopatia, ou seja, uma psicopatologia que provoca um comportamento impulsivo, hostil e antissocial.

Um sociopata não origina apego aos valores morais e tem a capacidade de representar, fingir sentimentos para conseguir manipular outras pessoas. Dessa forma, devido à incapacidade de conter as suas emoções negativas, torna muito limitado e difícil estabelecer um relacionamento estável com outras pessoas. A sociopatia não tem cura, no entanto, os seus efeitos podem ser mitigados através da psicoterapia e da prescrição de medicamentos. A expressão sociopata funcional indica uma pessoa que apesar de sofrer deuma sociopatia, tem essa situação sob controle, ou seja, os efeitos da sociopatia não afetam muito a sua interação com outras pessoas.

Há diferença entre Sociopatia e Psicopatia?

No Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, tanto a psicopatia como a sociopatia podem ser considerados como transtornos antissociais, e possuem muitas características semelhantes. Há muitos traços em comum, como a desconsideração por regras, leis, padrões de normas sociais e direitos de outras pessoas; falta de sentimento de culpa e comportamento violento.

Uma das principais diferenças é que frequentemente os psicopatas são pessoas encantadoras e populares, que muitas vezes exercem cargos de liderança e que conseguem atrair pessoas para elas próprias.

Um sociopata não é muito bom em contextos sociais, sendo muitas vezes classificado como uma pessoa antissocial. Apesar disso, o sociopata é capaz de controlar ou forçar sentimentos, parecendo estar à vontade ou feliz quando na realidade não está.

Aqui neste artigo vou escolher o termo sociopata para descrevê-los, já que os estudiosos dizem que há pouca diferença estabelecida.

Há mais de 10 anos venho aprofundando minhas leituras e pesquisas em comportamento humano e há 3 anos, por observações e experiências nas organizações, estou estudando o assunto de sociopatia organizacional e no cotidiano da vida. É assustador como muitas vezes isso acontece nas organizações por necessidade de ego, de poder, de assumir um cargo elevado e ser destaque. Então vamos falando aqui de pessoas que pensamos ser normais e na verdade possuem mentes malignas, calculistas e frias. A cada 100 pessoas, temos um sociopata. O índice nas mulheres é apenas 1% e nos homens 3%, o que já é preocupante se compararmos uma empresa que se tenha 1.000 pessoas, não é mesmo?

Como reconhecer Sociopatas Corporativos?

Vou começar com a História de Maria, ela extremamente dedicada, profissional competente e dona de um carisma sem fim. Além de excelente profissional, era inteligente, culta e reunia traços delicados, femininos e de ser uma mulher atraente. Maria, gerente de processos, vinha arduamente trabalhando em planos estratégicos em sua empresa multinacional e sendo reconhecida pela equipe como uma pessoa incansável nos objetivos organizacionais e agregadora de valores, até aparecer um novo diretor, que chegou não de maneira simples, mas como um trator e em muitos momentos arrogante, esmagando valores das pessoas e ao mesmo tempo procurando ser dócil, o famoso “morde e assopra”. Aos poucos foi conseguindo manipular alguns lideres, mas Maria, uma profissional experiente, foi observando suas estratégias. Logo de cara, foi colocando um defeito aqui, ali no trabalho de Maria e limitando-a seu espaço de gerente a “nada”. Em seguida, começou a galantear Maria... Dizendo que estava muito bonita, com cumprimentos de beijinhos não condescendentes com local de trabalho, etc. Maria foi cada vez mais tendo a certeza que seria “fritada” caso não cedesse e que a situação se tornaria insustentável. Não deu outra, como ele não conseguiu manipular Maria e muito menos a ter no seu arem, na primeira oportunidade, queimou a imagem de Maria para presidência da empresa e Maria foi demitida. Uma verdadeira perseguição psicológica, e um estrago emocional dentro de outro ser humano. Isso é apenas uma das histórias que presenciei.

Assim, podemos dizer que esse diretor é um sociopata? Mas só por abusar de seu poder? Mas ele tem um lado tão dócil!! Engano seu... ele é um!! A sociopatia se apresenta em três níveis, sendo: Leve, moderada e grave. A sociopatia Leve se refere aquelas pessoas que querem se dar sempre bem em cima do outro e para isso, não medem esforços para conseguirem o que querem, apresentam-se para as pessoas como amigas e muito prestativas, dotadas de uma inteligência média a superior, mas são dissimuladas, mentirosas, oportunistas e causam muito estrago na sua vida emocional, causam sofrimento a um grupo de pessoas e assim vai, são difíceis de serem diagnosticados, são verdadeiros parasitas. A moderada até a grave é o que trama o plano de derrubar o outro, aplicam golpes diversos, etc. Manipulam as pessoas a fazerem e a se sacrificarem por eles. Ambas constroem o “terror mental”... chegando a matar pelo prazer de matar e pronto, aqui seria o nível grave, seria o Serial killers. Estes, por sua vez, estão mais inseridos no meio ambiente carcerário e causadores de atrocidades chocantes para sociedade.

E nas organizações?

Sociopatas efetivamente procuram sensação de poder e manipulação sobre os outros, e com grande facilidade em se posicionar de forma agressiva na selva corporativa: são selvagens que utilizam seu poder de persuasão para intimidar e mentir com a maior facilidade... ”os caras de pau”. Verdadeiros lobos vestidos em pele de cordeiros.

Para os sociopatas organizacionais, todos os méritos são deles, todo desempenho das equipes é inferior aos deles e todo movimento organizacional é em torno deles.

A revista The Week, através do livro “A sabedoria dos psicopatas: o que santos, espiões e serial killers têm a ensinar sobre sucesso”, de autoria do psicólogo Kevin Dutton, listou as profissões com maior e menor incidência de psicopatas no mercado de trabalho. São elas:

As 10 profissões com maior incidência de psicopatia

1º - CEO (Presidente de Empresas) 2º - Advogado 3º - Profissional da mídia (TV e Rádio) 4º - Vendedor 5º - Cirurgião 6º - Jornalista 7º - Policial 8º - Líder religioso 9º - Chefe de cozinha 10º - Servidor público

As 10 profissões com menor incidência de psicopatia

1º - Cuidador 2º - Enfermeiro 3º - Terapeuta 4º - Artesão 5º - Esteticista/Estilista 6º - Assistente social 7º - Professor 8º - Artista 9º - Médico clínico 10º - Contador

Vou destacar aqui algumas características para se perceber um sociopata organizacional, além dessas que citei acima:

  1. São verdadeiros lobos... atacam sem a menor piedade para se ter o poder e staff;
  2. São manipuladores, dissimulados e mitomaníacos (mania de mentir) por querer ser melhor que você;
  3. São verdadeiros traíras, buscam vantagens pessoais contínuas para seu perverso prazer de conquista, o outro é visto como uma presa ou apenas um objeto;
  4. Não se sente culpado por nada, porque tem deficiência de “Empatia”, jamais se colocará no lugar do outro;
  5. Procurar manter segredos sobre assuntos importantes para organização e gosta de ter esse controle;
  6. Exime-se da culpa com facilidade, não origina provas contra si mesmo, pois a culpa sempre é do outro ou da equipe;
  7. Ter ataque de raiva quando contrariado, sente-se ameaçado e o humilha para preservar seu poder;
  8. Ameaçar as pessoas de forma sutil para ter o controle sobre elas;
  9. Adora jogar um contra o outro e planta sua semente maligna da discórdia, tornando o ambiente pesado e assim se afasta como se fosse prejudicado pelo ambiente hostil.
  10. Cria regras que o beneficie e de acordo com sua conveniência e que se dane os demais;
  11. Em muitos momentos, ele pode acabar a reputação de alguém ou de uma equipe, danificando a imagem desses diante de tudo aquilo que o incomoda ou é uma ameaça para ele;
  12. Isola as pessoas de forma que se sintam excluídas;
  13. Adora se vangloriar, adora elogios a si mesmo; rejeita qualquer feedback negativo, pois recebe como ameaça;
  14. Gosta de ter controle no que lhe diz respeito e até interfere, se for preciso, para tirar sempre proveito da situação.
  1. Não respeita a privacidade dos colegas, invade e-mails e documentos, incomodando-os em horários impróprios e interfere em suas atividades e relacionamentos pessoais e usa isso como arma. Você precisa evitar falar de sua intimidade pessoal na empresa.

O mecanismo de reconhecer um colaborador ou uma liderança sociopata, geralmente é muito lento, porque eles desenvolvem uma habilidade espetacular em jogar de forma sutil e estratégica, tudo muito bem calculado. Deixam cair à culpa nos outros e figuram nas organizações como vitimas, são atores perfeitos, vestem capas e colocam máscaras para serem vistos como pessoas normais e maravilhosas. Prestativas, educadas, solícitas, apaixonantes, mas ao se sentirem ameaçados... na primeira oportunidade... Aniquilam com você! Espero o ter ajudado a se proteger e ficar mais atento e cuidadoso nas suas interações organizacionais.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento