Quando a escolha te chuta a bunda e empurra pra frente

Como lidar com mudanças bruscas de carreira

Quando eu decidi largar meu emprego fixo em uma conceituada agência de publicidade de Curitiba, lembro da reação de alguns dos meus colegas, que diziam: “Nossa, você é corajosa de sair do emprego e dessa área e mudar totalmente!”

Eles, me achando corajosa, e eu por dentro só pensando:

“Corajosa nada, eu tô saindo é porque não tenho escolha mesmo!”

É claro que na realidade, não é bem assim. Sempre existe uma escolha. Só que às vezes, a escolha que é mais verdadeira, mais alinhada com quem você é e com seu propósito, é aquela que te chuta a bunda e te empurra pra frente.

É como se a escolha fosse uma criatura enorme que te encurrala num canto e diz: “Agora tu vai comigo, não tem escapatória!”

Aí beleza. Depois de muito se enganar, de trabalhar em empregos totalmente desconectados com a sua verdade, insistir naquele relacionamento de aparências, de tentar ser “normal” e agir em sociedade como todo mundo age, a escolha simplesmente vem e te dá um soco de realidade na cara. Aquela porrada que serve pra te colocar no rumo certo.

SÓ QUE, o rumo certo não tem mapa, nem GPS. É como um daqueles filmes onde o cara tá num avião pegando fogo e precisa pular de paraquedas numa selva que ele nunca viu antes. Não sabe onde tem a cidade mais próxima, se irá encontrar outras pessoas, se elas serão amigáveis ou se algum bicho vai comer ele no meio do caminho. Então você tá lá, por um lado feliz porque a vida finalmente te obrigou a ter a coragem de tomar uma decisão, e por outro apavorado porque o chão sob seus pés não é mais estável, nem conhecido.

E dá um pouco de mágoa. Porque você já sofreu tanto por não seguir o padrão, e agora sofre porque o caminho não é claro! É tão mais fácil seguir o padrão…Fazer faculdade, arrumar um bom emprego fixo, casar, financiar a casa própria pela Caixa, ter filhos, trocar de carro…é ruim, mas é bom. Dá uma ilusão gostosinha de que papai e mamãe vão ficar orgulhosos, que você será menos julgado…aquele caminho seguro, onde os tijolinhos de ouro na verdade são de latão pintado de dourado.

(Inclusive, isso me lembrou a música do filme do Lego! haha)

Tem gente que gosta do padrão? Lógico! Nem todos são iguais, e isso é ótimo. Mas, e quando o padrão parece impossível pra você viver…como faz?

Respira. Concentra. Dá um passo de cada vez. Cada dia é um dia. Vamos lá. Respira…

É assim. Não tem fórmula mágica ou receita, mas eu tenho uma certeza: Mantenha a calma, a mente calma. As respostas sempre chegam. Claro que nunca quando você quer! hahaha mas elas chegam sim, o que você precisa aprender é a ter paciência e desprendimento.

Alguns lembretes para você, carx amigx “fora da curva”:

Julgado? Não se preocupe, você o será independente do que você fizer!

Cobrado? Claro! Se nem você, que fugiu do padrão sabe o que vai acontecer, imagina quem prefere seguir o caminho oposto ao seu. E normalmente esse “quem” é a sua família, seus amigos…respira!!

Desanimado? Em alguns momentos sim. Porque às vezes você empaca, os imprevistos acontecem ou você apenas acorda de mau humor e com saudades do jeito “fácil” de viver. Na verdade não tem jeito “fácil” de viver, mas você pode buscar ver as coisas de um jeito mais leve, seja vivendo no padrão ou fora da curva. Todos os caminhos têm desafios, então parar de fazer comparações também ajuda!

Resumindo: Se a escolha mais importante da sua vida te achou e chacoalhou tudo sem pedir licença, se abrace com ela, respire fundo e viva um dia de cada vez. Se alguém te disser: “Ah fulano, mas você devia fazer isso, e aquilo outro!”, você apenas sorri e diz: “Aham”, e continua dentro de sua cabeça pensando e fazendo o que realmente te faz feliz.

ExibirMinimizar
Digital