Psico Auto-eu "O outro eu"

E ali estava ele de novo, abri meus olhos e na beira da cama com seus olhos negros ele me observava, o sorriso e um olhar penetrante que alcançava o fundo dos cantos mais sombrias da minha alma

Era de manhã, virei para o lado para desligar o despertador, mas mal olhei ao relógio já podia ver seu semblante, me observava, ao pé da cama, sentia como se sua aura e olhar mais negro que a noite não me abandonaria tão cedo,

Levantei me para escovar os dentes, sua sombra ao meu calcanhar seguia, em frente ao espelho podia ver seu olhar se intensificando, era sufocante, meu ar de melancolia não suportava mais aquilo, mas de certa forma era acolhedor enquanto escovava os dentes

Coloquei uma blusa por cima do pijama mesmo, nada mais importava só quis livrar a atendente da padaria do meu mal hálito causado por uma gastrite constante.

Nem tive tempo de cruzar o corredor e fechar a porta na própria maçaneta podia ver seu semblante, estava a me seguir.

Ótimo pensei eu, pelo menos terei companhia até a padaria,

Passei por pelo menos uma dúzia de pessoas nem animo para ver se alguém conhecido estava ao redor, poderia dizer que ouvi alguém chamar a meu nome

Sô pensei que saco e fingi que nada ouvi, como sempre pedi quatro pães como o intuito de guarda pelo menos dois para mais tarde, assim que tirei o dinheiro do bolso e entreguei a atendente, ela me voltará o troco, no momento olhei para o lado e aquela face se refletia no corrimão em pé ao lado do balcão seu sorriso cada vez maior.

Quando me dei conta percebi a atendente me dera troco errado, mas ao invés de devolver menos do que lhe entreguei ela me devolve mais,

Podia ouvir suas gargalhadas, mas ninguém ao redor podia, coloquei o dinheiro no bolso e nem me dei ao esforço de falar para a atendente que o troco fora o errado

Só queria sair dali e ir para meu caminho de melancolia para casa

a alguns metros pude ver um acidente a frente, nesse momento a criatura que me seguia se esvaziou de mim, tomando proporções imensas, e indo em direção ao acidente longe da minha presença

Pensei se era pelo pensamento que tive pouco antes quando vi o acidente, onde pensará que "sorte quem dera fosse eu naquele lugar"

Continua...

Percebe-se aqui não a ninguém seguindo o homem ou mulher, ou a criança, ou quem sabe um adolescente...

Quantas pessoas tem em seu calcanhar logo que acorda pela manhã seu monstro ao pé da cama, quantas pessoas estão tão aprofundando na própria, "Melancolia", na própria "sombra", em seus próprios medos, quantos de nós estão de deteriorando seu próprio eu se sabotando, não me caro que lhe este artigo, não e seu amigo, seus pais, sua mulher ou seu marido, e você e você que o próprio ser que alimenta o monstro que suga sua felicidade, e você que cria e permite que pensamentos destrutivos consumam você, você está se esquecendo de focar nas coisas boas da vida, quantas vezes você se permitiu sorrir hoje equivale a quantas vezes você permitiu um pensamento destrutivo tomar conta do seu ser.. Está na hora de mudar vamos começar a modificar esse seu eu? Vamos buscar um prazer na vida pessoal...

Está e a primeira parte da história "O outro eu" o monstro que você mesmo cria.

Juntos vamos aprender a lutar e lidar com isso somos irmãos, somos falhos, mas nem por isso vamos impedir a nós mesmo de sermos felizes em vida

Acompanhe meu planejamento que estou elaborando para mim mesmo encontrar uma melhora pessoal e satisfatória em vida, antes pessoal do que profissional

Perguntas para começar a se conhecer e refletir sobre as coisas ao redor

http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/psico-auto-eu-em-busca-pelo-prazer-pessoal/96930/

Primeira lição do dia

http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/psico-auto-eu-em-busca-pelo-prazer-pessoal-licao-1/96931/

Fiquem bem precisando estamos aqui.

Att Flávio A. J. Oliveira

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento