Provisões não consideradas - Mudança nos limites de dedutibilidade

As mudanças nos limites de dedutibilidade só valem para os contratos inadimplidos a partir de 8 de outubro de 2014, data de publicação da Medida Provisória n° 656

Segundo a Seção III da Lei n° 9.430/96, sobre o tratamento dado à dedução das perdas no recebimento de créditos, quando essas forem decorrentes das atividades da pessoa jurídica poderão ser deduzidas como despesas para a determinação do lucro real, observado o disposto no art. 9° dessa Lei.

Entretanto, com o advento da Lei n° 13.097/2015, os contratos inadimplidos a partir de 8 de outubro de 2014, data de publicação da Medida Provisória n° 656/2014, receberão a aplicação de novos limites de dedutibilidade. Ou seja, aqueles valores a receber com vencimento a partir do dia 8 de outubro de 2014 que não forem pagos; alterando assim o texto do art. 9° ao 11° da Lei citada no primeiro parágrafo.

Nesse contexto, poderão ser registrados como perda os créditos em relação aos quais tenha havido a declaração de insolvência do devedor, em sentença emanada do Poder Judiciário, quando:

  1. Sem garantia de valor até R$ 15.000,00, por operação, vencidos há mais de 6 meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento. Acima do valor de R$ 15.000,00 até R$ 100.000,00, por operação, vencidos há mais de 1 ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, mantida a cobrança administrativa; e superior a R$ 100.000,00 , vencidos há mais de 1 (um) ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento.
  2. Com garantia, vencidos há mais de 2 anos, de valor até R$ 50.000,00, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; e superior a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias.

Ainda, contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica em concordata ou recuperação judicial, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar. E para aquelas empresas que tiverem provisões não consideradas vencidas antes do dia 08 de outubro, continua valendo os limites estipulados pelo art. 9° da Lei n° 9.430/96, os quais são:

  1. Sem garantia, de valor até R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por operação, vencidos há mais de seis meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento; acima de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) até R$ 30.000,00 (trinta mil reais), por operação, vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, porém, mantida a cobrança administrativa e superior a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), vencidos há mais de um ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento.
  2. Com garantia, vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias e contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica declarada concordatária, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar, observado o disposto no § 5º.

Ou seja, os novos limites só estão valendo para valores a receber que vencerem a partir do dia 08 de outubro. Desse modo, suponha que determinado valor venceu dia 08 de outubro e o cliente não pagou para a empresa, assim, essa usa o limite estipulado em Lei para baixar esse valor depois do tempo descrito, devido ao fato dele ter ficado inadimplente de 08 de outubro em diante.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento