Predadores fazem parte da sua trajetória e te fortalecem

Em pouco mais de duas décadas como empreendedor eu convivi com centenas de pessoas, e a maioria delas contribuiu muito com minha vida e trajetória. Mas, algumas delas me ensinaram de forma dolorosa a ter mais cuidado E em quem confiar. Eu chamo essas pessoas de predadoras

Empreender não é um mar de rosas, e nem esperava que fosse. Mas, eu sempre fui de coração aberto para todas as empreitadas que me propus, e durante pouco mais de duas décadas passei por um aprendizado que forjou meu caráter e quem sou hoje como empreendedor. Tudo de bom e tudo de ruim aconteceu para meu aprendizado, e não estou aqui me arrependendo e sim relatando como forma de reflexão profunda acerca de minha trajetória empreendedora.

Não me lembro que naquela época se chamava "empreendedorismo", ou mesmo que dava-se tanto valor a esse caminho como alternativa ao emprego ou concurso público, mas eu sabia o que buscava. Queria meu próprio negócio, queria realizar minhas ideias e sonhos. Meu primeiro negócio comecou todo errado, com 21 anos, e tinha tudo pra não dar em nada. Com pouco conhecimento, praticamente nenhum dinheiro e sem qualquer experiência, comecei um negócio de assessoria para eventos corporativos (coincidência ou não, faz uns dez anos que tenho atuado na realização de eventos). Não durou meses.

Desde então já fundei diversas pequenas empresas, a maioria delas de âmbito regional e no interior paulista, e a maioria nas áreas de tecnologia e marketing. Nos últimos anos eu tive sucesso em algumas dessas empresas, cheguei em outros estados, ganhei notoriedade e autoridade, e vendi algumas delas. Passei a viajar pelo Brasil e me tornei uma referência quando se falava em mídias sociais (isso até 2013, quando saí da empresa). Nessa trajetória tive muitos parceiros e muitos sócios, milhares de clientes, e pude lidar com vários predadores.

Eu considero "predadores" aquelas pessoas que aproximam de você apenas para se aproveitar. Chegam porque querem te vender algo, enxergam que você é apenas uma oportunidade e buscam o seu dinheiro, seu conhecimento e seu networking. Não tem nenhum interesse em entregar de volta algo de valor, apenas obter aquilo que querem. Não são íntegros. Se passam por cordeiros mas são verdadeiros lobos. Vi um pouco de tudo.

Mas muitas vezes eu não enxerguei. Ou não quis enxergar. Alguns foram mais sutis, outros nem tanto, mas mesmo assim eu não enxerguei.

Passado a relação com esses predadores, fica o aprendizado. O que percebi mais claramente me traz uma certa frustração e decepção, mas a oportunidade de amadurecer. Compreender onde errei, o que não percebi e deveria ter percebido, o que perdi e ganhei, e qual foi o aprendizado. Sem dúvida isso foi me tornando mais forte.

Claro, fica nesse momento sempre a certeza que não errarei de novo. Mas, sem mágoa comigo mesmo, entro de cabeça e coração aberto em novas relações e acabo tendo sempre o risco de errar novamente. Aqueles predadores que se foram, ficam por um tempo usufruindo daquilo que sugaram da relação pessoal e de negócio (aprendizado e relacionamentos), mas isso se esvai com o tempo, pois eles não tem como retro-alimentarem com mais conteúdo e nem mesmo experiência. E os relacionamentos não se solidificam visto seu caráter.

Finalmente, esse desabafo não é para desanimar quem é empreendedor, ou quem pretende empreender. Mas é para conscientizar, para ficarem sempre atentos na formação de parcerias e sociedades, e amadurecerem no processo. Continuo sendo um defensor de sócios, acho muito importante para fortalecer um negócio, buscar sócios com habilidades e experiências distintas. Busque um sócio, mas estabeleça a relação de forma bem clara desde o início.

Cuidado com os predadores. Mas nunca desista de construir novos relacionamentos.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento