Preço é o que você paga; valor é o que você leva

Como vender melhor a partir de um novo olhar sobre qualidade no atendimento

O que é atendimento pra você?

Você tem sido bem atendido?

E você, tem atendido bem?

Durante está semana, em um dos meus treinamentos voltados a área de atendimento, uma das discussões apontadas me fez refletir e até pesquisar sobre o fato de como seria interessante se os vendedores e/ou atendentes em geral aos quais temos contato diariamente, nos vendessem o valor dos produtos ao invés de seus preços. Seria diferente né?

Analisando a nossa realidade, o mercado oferece hoje inúmeras formas e metodologias de capacitações que permitem despertar nas pessoas técnicas para se aprimorarem e aperfeiçoarem ao atendimento de qualidade a cada tipo de cliente.

Aquele conceito de que atendimento resume-se a um simples "bom dia", "boa tarde" ,"boa noite" e "volte sempre", acabou, hoje além disso as pessoas exigem poder concentrado sobre elas e atendimento das suas necessidades que permitam de maneira geral, superar suas expectativas com o cuidado e a atenção devida; Desde modo, percebe-se que um atendimento diferenciado é sempre motivado por todos aqueles que tem a habilidade de vivenciar e captar as emoções e percepções presentes em cada cliente e conseguem transformar isso em oportunidade de satisfazer o cliente final, conseguindo inclusive se sobressair das famosas saias justas que de maneira imprevisível surgem.

O valor percebido de um produto e/ou serviço.

Independente do porte da empresa, o produto e/ou serviço que ela oferece há sempre um valor agregado, e por isso, torna-se missão do atendente identificar as diversas variáveis de valores presentes e coloca-las adiante, a fim de maximizar as vendas ou prestação de serviços, além de proporcionar um retorno deste cliente ao estabelecimento comercial motivado pela tática de atendimento desenvolvida.

Vejam quatro caminhos importantes que podem ajudá-los a colocar em pratica um atendimento de qualidade:

  • Conheça bem o seu produto e/ou serviço;
  • Para cada produto e/ou serviço faça a seguinte pergunta: Porque eu deveria comprar este produto ou realizar este serviço? O que ele tem a oferecer que atende a minha necessidade?
  • Como eu gostaria de ser atendido? Que cuidados eu gostaria de receber quando eu estiver em determinado estabelecimento comercial?
  • Aponte falhas no atendimento de terceiros, internalize e tente melhora-lo ao seu modo. Cuidado para não fugir dos padrões éticos.

Adotando este check-list diariamente, dificilmente será apontado algum tipo de insatisfação no atendimento, entretanto, tudo dependerá da importância dada a estes questionamentos.

Meu concorrente vende o mesmo produto que eu, atendimento não seria apenas um detalhe?

De fato, a concorrência hoje está presente em cada esquina, por isso, empresas de sucesso são aquelas que estão antenadas em cada detalhe e que buscam alternativas viáveis capazes de potencializar suas atividades comerciais. Pensar na ideia de que o atendimento é algo que não requer censo de urgência, torna-se inevitável enxergar um caminho prospero e de sucesso nessas empresas que adotam este tipo de conceito.

Fazendo um comparativo panorâmico, já é uma realidade presente em algumas empresas de médio e grande porte as praticas continuadas em seus processos de integrações de novos funcionários, cursos metodológicos voltados a excelência no atendimento de seus colaboradores, os deixando cientes de suas responsabilidades, das posturas que devem ser adotadas no dia-a-dia, além de explorar seus produtos e/ou serviços, o cenário ao qual está inserido e principalmente, quem é seu publico alvo. Por isso pensar na qualidade da prestação do serviço de uma empresa nunca é investimento obsoleto, há sempre algo novo a ser explorado e independe do porte que a empresa esteja inserida.

Qual a sua responsabilidade?

Uma regra básica: Quem atende em algum momento é atendido, seja onde for. Exigir de outras pessoas qualidade naquilo que eu não faço ou não me esforço para fazer é estranho, concorda?

Na condição de cliente, criticar, apontar defeitos e reclamar é bem simples, mas e quando o papel do jogo inverte e eu me torno "o atendente", como fica a situação? É bom refletir!

E quando a empresa investe em treinamento de atendimento ou oferece lições diárias de como atender bem e o funcionário não compra a ideia, o que fazer?

Afinal de contas, qual a sua responsabilidade?

Cabe uma analise pessoal!

As pessoas conhecem o preço, mas desconhecem do valor.

Atribuir valor ao que eu tenho na empresa seja produto e/ou serviço e os clientes não é bicho de sete cabeças. Apesar do nível de complexidade e que a definição de bom atendimento varia de acordo com cada tipo de cliente, passar valor e perceber o resultado é um técnica que exige esforço pessoal diário e concentrado, mas vale a pena e no final todos os envolvidos no processo ganham.

Por isto, reafirmo, se sua equipe não sabe distinguir valor de preço, você está perdendo dinheiro!

Pense nisso e mãos obra.

Rafael Fernandes

Administrador de Empresas

Linkedin: https://br.linkedin.com/in/rafaelfernandes5

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento