Precisamos conversar sobre nossa pressa egoísta
Precisamos conversar sobre nossa pressa egoísta

Precisamos conversar sobre nossa pressa egoísta

Ao nosso redor existem pessoas com problemas que precisam ser solucionadas de forma mais prioritária do que os nossas

Horário de pico no centro da cidade. Hora em que a agitação e a pressa tomam conta. O caos é generalizado.

Carros, motos, ônibus, caminhões, bicicletas e pedestres tentam dividir o espaço. Todos querem ter preferência.

Em meio à neblina acinzentada produzida pelos veículos, escuta-se buzinas, gritos e xingamentos. Talvez direcionados para alvos específicos, mas acolhidos por todos, uma vez que expressam os sentimentos a flor da pele dos presentes naquele lugar.

Além disso, eles têm outra coisa em comum: pressa.

Pressa para chegar em casa, chegar no trabalho, chegar na escola, encontrar um amigo, encontrar um parente ou apenas para ultrapassar o motorista lento da frente.

Mas naquele lugar, apenas o tempo passa (e como passa). A situação não muda. Na verdade, só parece piorar.

Basta viver ou trabalhar próximo de ruas e avenidas movimentadas para presenciar com frequência situações parecidas com a descrita.

Mas até que ponto ter pressa nos ajuda? Será que ela nos ajuda ou será que ela apenas nos prejudica?

Comportamento destrutivo da pressa egoísta

As pessoas quando estão apressadas se transformam. Ficam irreconhecíveis.

Passam a ter atitudes e comportamentos egoístas. Não dando atenção para a necessidade das outras pessoas. Na verdade, veem os outros apenas como obstáculos que precisam ser ultrapassados o mais rápido possível, custe o que custar.

Às vezes, nem existe tanta urgência assim, mas a necessidade em se sentir o mais rápido e aquele com as prioridades mais importantes domina.

Ao nosso redor existem pessoas com problemas que precisam ser solucionadas de forma mais prioritária do que as nossas. Mas a tendência é de sempre pensarmos em nós antes dos outros.

Outro tipo de pressa: a altruísta

No artigo da semana passada “Se você não tem tempo para si mesmo, leia esse texto”, contei minha experiência ao ter um momento de reflexão em meio a um evento que estava participando. O que não contei, foi que estava lá trabalhando de forma voluntária, sem remuneração.

Muitas pessoas “torcem o nariz” quando o assunto é serviço voluntário. Não tenho direito de julgá-las, pois também já vi o assunto com certo desdém e “perda de tempo” no passado.

Quando trabalhamos voluntariamente desenvolvemos uma perspectiva diferente de ver as outras pessoas. Começamos a tentar suprir a necessidade delas antes das nossas.

Pode parecer até cafona isso, mas o ato de ajudar as outras pessoas sem esperar ganhar algo em troca muda as nossas vidas. Nos faz sermos mais humanos em meio a este mundo tão frio e indiferente.

Existem sim pessoas más, mas também existem as boas.

Existem sim pessoas autossuficientes, mas também existem as que precisam de ajuda.

Existem sim pessoas ingratas, mas também existem as que agradecem por terem a vida transformada.

Se precisasse resumir todo o aprendizado que tenho adquirido trabalhando como voluntário, diria que a mais notável é a mudança na forma de ter pressa. Mudando de pressa egoísta para pressa altruísta.

Sendo menos apressado para fazer as coisas que são apenas do meu interesse. Mas tendo mais pressa para poder ajudar as outras pessoas.

Você também pode fazer a diferença

Talvez você não tenha disponibilidade para se comprometer com algum projeto voluntário, porém sempre existem formas de ajudar ao próximo.

Reflita sobre aquilo que você sabe fazer bem. Pode ser oferecendo um serviço que você presta para uma pessoa que precisa, mas que não tem condições de pagar. Pode ser compartilhando seus conhecimentos de forma gratuita na internet, por meio de vídeos e artigos.

Também pode ser com coisas bem simples como: aconselhar uma pessoa com problemas, se oferecer para ajudar um parente com dificuldades, escutar uma pessoa solitária, abraçar e consolar um amigo desamparado.

O que não faltam são oportunidades e formas de ajudar as pessoas.

Seja a diferença para essas vidas, seja a diferença neste mundo!

Comente aqui embaixo a sua opinião e compartilhe este texto com as pessoas que podem tornar este mundo um pouco melhor.


ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento