Por que o Rock in Rio virou uma escola de negócios
Por que o Rock in Rio virou uma escola de negócios

Por que o Rock in Rio virou uma escola de negócios

Reunimos cinco fatores que fazem do Rock in Rio um lugar para você aprender sobre negócios desde a valorização da marca até a relação com o cliente

Se existe uma cena gravada na mente de todos os brasileiros é aquela em que Freddie Mercury, do Queen, canta “Love of My Life” para uma multidão ainda em 1985, no primeiro Rock in Rio. Trinta anos depois, o festival segue como uma marca consolidada como o maior evento de música da América Latina, com um processo de internacionalização que levou a festa até Lisboa, Madri e Las Vegas. O modelo de negócios do Rock in Rio foi transformado em case pela HSM Educação Executiva, o que resultou no projeto Rock in Rio Academy, uma escola de negócios dentro da Cidade do Rock, que promoverá uma maratona de palestras para extrair todas as lições de gestão do Rock in Rio. O curso acontecerá no dia 22 de setembro.

Este ano o evento volta ao Rio de Janeiro trazendo nomes como Rihanna, Katy Perry, Sam Smith, Elton John, Queen, System of a Down e outros entre os dias 18 e 27 de setembro. Das quinze edições anteriores, cinco ocorreram no Brasil (1985, 1991, 2001, 2011 e 2013), seis em Portugal (2004, 2006, 2008, 2010, 2012 e 2014), três na Espanha (2008, 2010 e 2012) e uma nos Estados Unidos (2015) reunindo mais de 7,7 milhões de pessoas. Ao longo dos anos, mais de US$ 530 milhões foram investidos na marca. Na Espanha, o festival é top of mind, superando a concorrência da Fórmula 1. O impacto econômico da edição de 2013 na cidade, publicado pela Riotur, foi de R$ 1 bilhão, e as taxas de ocupação de hotéis eram de cerca de 90% no período.

Reunimos cinco fatores que fazem do Rock in Rio um lugar para você aprender sobre negócios desde a valorização da marca até a relação com o cliente.

1 - Valorizar sua marca

O festival se expandiu e foi levado para o exterior. Nesse processo, o que muitas pessoas questionam é que o nome sempre mantém a palavra Rio seguido do nome da cidade onde acontecerá o show. Por exemplo, Rock in Rio Lisboa. De acordo com Agatha Arêas, diretora de marketing do evento, a insistência tem um motivo: fortalecer a marca.

“Quando o Rock in Rio surgiu, o Brasil vivia um estado político sem entusiasmo, era o fim de muito opressão e o Roberto Medina queria um movimento que trouxesse alegria de volta. O rock é uma atitude comportamental que transformou a sociedade e dá voz à sociedade. Era isso que ele queria, atitude naquela cidade. Em todos os momentos que levamos o evento para outra cidade os prefeitos querem mudar para Rock in Vegas, por exemplo. O Medina vai pessoalmente convencê-los. Explicamos a nossa crença de que o Rio tem que ir no nome como marca e espírito. Isso é manter a nossa cidade no spotlight”, afirmou Agatha Arêas.

2 - Enfrentar o cenário negativo

Em 1985, os artistas internacionais e o mercado fonográfico viam o Brasil como longe não só geograficamente, mas também psicologicamente. “Eles viam nosso país como uma selva distante. Os agentes e as bandas que passavam por aqui levavam histórias terríveis sobre roubos de equipamentos, falta de organização. Enfrentar essa desconfiança era o grande desafio do Roberto e da equipe na época. Quando finalmente o evento aconteceu, com profissionalismo, aquilo mexeu com o mercado. Outros eventos surgiram e o Rio de Janeiro entrou no mapa dos shows. Com isso veio a inovação, a vontade de outros produtores de fazer um evento melhor e a busca pela superação melhora o produto. Isso dos outros quererem fazer o melhor é parte do nosso legado. Quem ganha com isso é o público”, afirma a Arêas.

3 -Cultivar fãs em vez de clientes

Com trinta anos de história, o Rock in Rio é um lugar onde muitas histórias aconteceram e o valor emocional do público com o produto é algo inestimável. Vemos essa relação acontecer com a Disney, por exemplo. Para celebrar os trinta anos, o evento decidiu fomentar o relacionamento com público resgatando histórias e a memorabilia dos shows. Além das exposições, filmes e homenagens, o festival decidiu promover casamentos. A ideia surgiu a partir dos fãs.

Em 2001, o Rock in Rio foi sede de um casamento improvisado. Os noivos precisavam casar em determinado dia por causa da numerologia, mas era o mesmo dia do show da banda Red Hot Chili Peppers, da qual eles eram fãs. Eles entraram em contato com a produção e pediram para celebrar a união lá. A equipe permitiu e chamou uma juíza de paz para isso. Na hora de jogar o buquê, a menina que pegou foi pedida em casamento na hora. Essa menina também pediu para casar lá, na edição seguinte. Com a quantidade de pedidos que surgiram o festival decidiu construir uma capela na Rock Street e um concurso que escolheu sete casais que vão se unir durante os shows. Essa ação também será explorada por patrocinadores e resgatará o espírito da edição Vegas do Rock in Rio.

Outra questão que envolve a valorização do público foi a abertura para outros estilos musicais, além do rock. Agatha Arêas explica que o festival oferece um cardápio diversificado de atrações e atividades. Esse movimento estratégico atrai diferentes pessoas e gerações. Por isso, se tornou comum ver famílias na Cidade do Rock e ritmos diferentes convivendo. Para criar um evento de massa que atrai 85 mil pessoas em um dia é preciso inovar sempre.

4 - Nunca esquecer de escolher bem os seus parceiros

Um evento do porte do Rock in Rio conta com uma série de patrocinadores. Segundo Agatha, há um processo de seleção que segue bastante criterioso. “A gente tem certas regras: exclusividade no segmento, lealdade, potencial e resultado tangível. As marcas vêm e a gente valoriza essa aposta no evento. É preciso ter um casamento equilibrado entre os valores e criatividade. Por exemplo, nós temos marcas que são parceiros naturais de shows, de bebida, por exemplo. Eles exploram o conteúdo, mas têm o ganho com evento a partir do consumo. No entanto, há também os patrocinadores fora da curva, marcas de gargarejo e até cadeado que aparecem com ideias brilhantes e criativas para gerar valor e entrar em contato com o público. Tudo muito bacana”, afirma a diretora de marketing.

5 - Atenção aos processos

O Rock in Rio será estudado por empreendedores de outras áreas por que a qualidade dos seus processos não vale apenas para quem é da área de entretenimento. Há um enorme atenção dada aos detalhes seja da execução até a entrega. É a ideia de construir um sonho.

“O Rock in Rio era constantemente procurado por instituições de ensino para apresentar seu case. Por isso, eles buscaram um parceiro em educação executiva para estruturar todas as informações em um curso. Neste momento é que entra a HSM Educação Executiva, como sócia do projeto, para estruturar um programa que conte como o sonho se desdobra na estratégia, o papel do líder criativo e as etapas do processo”, afirmou Denis Garcia, diretor de novos negócios e parcerias da HSM Educação Executiva.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento