Por que o Governo não imprime dinheiro e quita a dívida pública?

Se o país tem dívidas e, ao mesmo tempo, tem o monopólio da moeda e "pode" imprimir dinheiro a seu bel prazer, porque não imprimir e pagar suas dívidas?

Essa é uma dúvida bastante primária, mas que muitos, mas MUITOS mesmo já tiveram, se é que ainda não tem. Parece simples responder a essa questão, mas se você tem, de fato, essa dúvida, fique tranquilo que não é tão simples assim.

Em primeiro lugar, é preciso entender o seguinte: O que é dinheiro? Para muitos, dinheiro é riqueza, ele por si só faria qualquer um rico. No entanto, pergunto: ao sentir fome, você comeria dinheiro? Ou então, ao sentir calor, se abanaria com ele? Melhor seria ter um bom prato de arroz, feijão, batata frita e um delicioso bife acebolado à moda Brasileira para o primeiro caso, e um ar condicionado “cravado” em 16 graus no segundo, não? De que adiantaria ter dinheiro, se esses produtos não existissem?

A visão de dinheiro como riqueza é bastante antiga, mas já suplantada. “Mas oras, se eu tenho muito dinheiro, eu não sou rico?” Você só será rico se este dinheiro puder comprar algo. Experimente comprar alguma coisa com hum bilhão de cruzados novos, aposto que não conseguirá, sequer, uma bala. Isso acontece porque o dinheiro é um produto da economia, que só tem valor se for demandado, aceito. Você poderia ser rico tendo muito amendoim, por exemplo, se este fosse aceito como moeda de troca. Dinheiro vale porque as pessoas aceitam-no em troca de seus produtos. O caso do cruzado real ilustra bem isso, você aceitaria trocar comigo seu laptop por hum milhão de cruzados novos? Certamente que não, porque sabe que ninguém mais aceitaria essa grana, e por isso não tem valor.

O que dá valor aos produtos (e aí se inclui, também, o dinheiro) é a relação de oferta e demanda. Dinheiro vale porque é demandado por todos, pois facilita as relações de troca, precificação de bens e reserva de valor. Como todos os bens em um mercado, se a oferta for aumentada ao mesmo passo que a demanda se mantiver estável, este bem perderá valor. Com o dinheiro ocorre o mesmo, se o Governo imprimir uma dose cavalar de dinheiro visando quitar sua dívida, o volume de dinheiro no mercado aumentará substancialmente, e jogará o valor deste dinheiro ao chão.

“Tudo bem, mas estaremos com a dívida paga, e o dinheiro que iria para os outros agora virá para nós” é verdade, mas o dinheiro que iria para a sua e minha mão não teria valor algum. O excesso de dinheiro faz com que os preços sejam reajustados. Conforme explicitado, dinheiro “só serve se puder ser trocado”, jogar dinheiro recém-impresso sem contrapartida de aumento produtivo de bens fará com que os bens tenham seu valor corrigido. Mas inflação não é o único reflexo. Se existe mais dinheiro no mercado de um determinado país, ele valerá menos fora do país, isto porque sua oferta foi aumentada, especialmente se for usado para pagar dívida externa. Com a moeda mais barata lá fora, o volume de exportação explodirá, ao mesmo tempo em que a demanda interna também. Que ótimo não é? Claro que não, se não há produtos para atender essa demanda toda, a tendência é que tal produto comece a migrar para o mercado externo e que nós, residentes do país, fiquemos sem estes. Recairemos naquilo que batemos no inicio deste texto: Você comeria dinheiro? Porque alimentos não terão mais para serem consumidos, ou seja, mesmo que você tenha uma “fortuna” em mãos (ou melhor, o que um dia já foi fortuna), pouco valerá para atender suas necessidades. Seria como se estivéssemos pagando a dívida mandando produtos para fora, ficando sem nada para nosso consumo, ou como se estivéssemos redistribuindo nosso poder de compra. Esta é uma bela forma de empobrecimento e redistribuição de riquezas, porque o credor receberá o dinheiro antes da inflação e usufruirá do mesmo para consumo antes dos demais, no caso hipotético, nós, moradores do país.

Além disso, acarretaria em queda substancial da confiança. Que credibilidade tem um país que imprime dinheiro indiscriminadamente? Ou melhor, que valor tem uma moeda que, a qualquer momento, pode sair aos montes de uma impressora? Os laços comerciais entre nós e o mercado externo seria afetado significativamente. Dificilmente conseguiríamos comercializar com outro país, uma vez que nossa moeda não seria mais valorizada. Consegue imaginar o Brasil sem produtos importados? Boa parte, inclusive, de nossos produtos sumiria das prateleiras, já que, em muitos deles, a matéria prima é comprada de fora.

Em síntese, imprimir dinheiro teria o efeito contrário do desejado, nos tornaria mais pobres. Melhor do que imprimir dinheiro para pagar dívidas, seria ter diligência quanto a essa, esse é o ideal que nós, como afetados diretamente pela dívida pública, temos de cobrar!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento