POR QUE, MUITAS VEZES, O TREINAMENTO PODE NÃO DAR CERTO?

POR QUE, MUITAS VEZES, O TREINAMENTO PODE NÃO DAR CERTO? Uma pergunta que não quer calar. Os fatores que levam um treinamento a não dar certo são inúmeros. Trabalhar-se-á com alguns fatores que podem levar a essa ineficiência. Alguns causadores de erro no treinamento são: diagnóstico distorcido, planejamento inconsistente, implementação deficiente ou avaliação realizada de forma equivocada. No caso do diagnóstico da necessidade de treinamento, uma avaliação dos cenários deve ser feita de tal forma que possamos vislumbrar passado, presente e projetar o futuro. Mas o que isso quer dizer? Na avaliação do cenário passado podemos perceber os pontos de melhoria que possam existir. Esse levantamento serve de comparativo para o cenário presente. No diagnóstico presente verifica-se a reincidência dos problemas detectados no passado. Além disso, se tem maior condição de se avaliar o impacto das mesmas no desempenho: individual, setorial e principalmente o impacto no resultado final da empresa. Após tais diagnósticos realizados, traça-se um cenário futuro, vislumbrando onde se quer chegar, definindo um objetivo para a realização do treinamento, sendo esse o foco de atenção. Contudo, se ao diagnosticar o cenário passado não for feita de uma forma isenta, podem ser encobertas falhas mais impactantes, passando somente problemas pontuais e não sistêmicos. Ao avaliar o cenário presente, os pontos de comparação são falhos, tornando um diagnóstico sem consistência. Assim os objetivos do treinamento tornam-se despretensiosos, pois não houve um aprofundamento nas falhas sistêmicas (falhas constantes que impactam diretamente no resultado final do produto/serviço), deixando assim uma visão turva para uma previsão de cenário futuro. Para que isso não ocorra, o RH deve ser independente dos setores e com um suporte da Direção da empresa. Fazendo assim, um diagnóstico preciso, facilitando o investimento de recursos para a melhoria do desempenho. Quando o diagnóstico é feito de forma distorcida, o planejamento por conseqüência torna-se inconsistente. Para se planejar algo, deve existir um objetivo bem definido. Então com o diagnóstico mal feito, traça-se um objetivo errado. Com isso, no momento de planejar, pela falta de informações ou com um objetivo pouco consistente, pode-se errar na definição: Público alvo; Ambiente para realização do treinamento; Carga horária (podendo ser insuficiente ou super dimensionado); Conteúdo programático (podendo não atender as reais necessidades); Quantidade de treinandos (podendo ser maior ou menor que o necessário); Instrutor (podendo não ser o mais adequado para o assunto). Todas essas falhas geram um orçamento errado. Ele pode ser maior ou menor que realmente deveria ser. Esses fatores levam ao veto pela direção ou liberação. No fato de liberar estaremos jogando dinheiro pelo ralo, gastando de forma errada. Para que isso não venha ocorrer no momento do planejamento se deve: Checar se realmente o diagnóstico não contém pontos falhos, se os objetivos são realistas com relação ao diagnóstico realizado; Definir com exatidão público alvo, bem como lista prévia de treinandos; Buscar um ambiente adequado ao tipo de treinamento a ser realizado, pois o ambiente impacta diretamente na concentração e na realização do treinamento; Definir um instrutor adequado para o perfil do treinamento desejado, buscando com ele a carga horária necessária para a realização do treinamento, bem como recursos materiais necessários para sua realização; Por último, mas o principal de todos um orçamento de toda a realização, apresentando a Diretoria não somente os números, mas também, os benefícios que se pretende e os resultados projetados, visando assim buscar o apoio da mesma. Com tudo isso feito a tendência de erros de planejamento fica reduzida. Para a implementação de um treinamento ser ineficiente os fatores anteriores tem grande influência. Pois diagnóstico errado + planejamento errado = implementação errada. A implementação é o treinamento propriamente dito. Para que a realização de um treinamento de errado, pode ocorrer 1 ou mais dos seguintes fatores: o instrutor pode não dominar o assunto, os treinandos podem não estar interessados no assunto, o ambiente pode não propiciar de forma adequada à realização do treinamento, os recursos materiais podem ser de baixa qualidade ou errados, ou uma soma de dois ou mais fatores apresentados. Para que a implementação de um treinamento seja bem sucedida deve-se antes de tudo: Realizar uma entrevista com o instrutor, buscar saber do seu domínio do conteúdo, se possível contactar com empresas que contrataram o mesmo treinamento, com o objetivo de obter referências e ajudar na decisão da contratação ou não; Com a lista de treinandos potenciais em mãos, deve se buscar com estes o interesse de participação. Pois se for imposto algo ao colaborador que não tenha interesse, será perda de tempo e dinheiro. Com isso formar-se-á uma turma de pessoas interessadas e com um aproveitamento maior; A escolha de um ambiente condizente ao tipo de treinamento a ser realizado. Se for um treinamento que envolva vivência, integração de pessoal, onde a necessidade de conforto é primordial para melhorar os resultados. Caso seja de execução da tarefa em treinamento técnico/operacional, quanto mais prático e parecido com o ambiente de trabalho melhor será os resultado; Os recursos materiais a serem utilizados devem ser adequados e de qualidade. Pois com um equipamento problemático, compromete a realização do treinamento. Com todas as etapas apresentadas feitas, o resultado do treinamento será acrescido de valor. Resultando assim, um treinamento bem sucedido. A avaliação do resultado do treinamento pode ter falhas em conseqüência das etapas anteriores. Pois diagnóstico errado + planejamento errado + implementação errada = avaliação errada, ou diagnóstico certo + planejamento errado + implementação errada = avaliação errada, ou ainda diagnóstico certo + planejamento certo + implementação errada = avaliação errada. Pode se perceber que quando algo da errado nas etapas anteriores oacarreta erro no resultado final. Quando se desenha um cenário futuro com objetivos errados, tudo mais da errado. Quando se planeja errado, os mecanismos de avaliação serão definidos de forma errada e o resultado será equivocado. Quando se implementa um treinamento de forma deficiente os objetivos traçados não serão atingidos. Mesmo que tudo seja feita de forma correta, mas a avaliação final do resultado seja feita em pontos inconsistentes, a probabilidade de erro de avaliação são maiores. Os erros podem ser de uma falsa eficácia de treinamento pelo fato de atingir os objetivos traçados baseados em um diagnóstico falho, não atendimento de um objetivo mal definido ou ainda uma má interpretação do resultado obtido através dos mecanismos de medição empregados. Então para uma avaliação ser eficaz, deve se utilizar: Mecanismos de monitoramento que tragam o real resultado do treinamento; Isenção na avaliação dos resultados; Busca de um diagnóstico dos resultados, apontando erros e acertos. Pode se perceber que para um treinamento dar errado, basta uma etapa não ocorrer corretamente. Se iniciarmos errado, todas as demais etapas darão erradas, ou se pelo caminho se errar em algo, o resultado final é ineficácia. Uma conseqüência de um programa de treinamento ineficiente é o enfraquecimento do RH, alimentando assim o pré-conceito de que é um setor oneroso e que não traz retorno para a empresa. Fica como lição não somente para treinamento, mas para tudo na vida: comece bem tudo e mantenha bem até o fim, pois assim terás um resultado conforme o esperado. Se iniciares errado ou tropeçares no caminho, o resultado final não será o que desejas. É muito mais barato então iniciar bem e manter, do que ter que corrigir falhas só percebidas no fim.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.