Por que eu quero que meus filhos sejam empreendedores?
Por que eu quero que meus filhos sejam empreendedores?

Por que eu quero que meus filhos sejam empreendedores?

Estou dando exemplos para que os meus filhos tenham comportamento empreendedor desde agora, pois acredito que estarão melhor preparados e fortes psicologicamente para enfrentar a competição no novo mundo, onde buscarão seus próprios negócios e serão os protagonistas dos seus próprios destinos

Eu li uma estatística chocante: o número de desempregados sobe a cada dia no Brasil. É realmente alarmante a perspectiva de empregos para os próximos dois anos. Além disso, outro dado que me assusta é que apenas 13% dos funcionários que estão efetivamente empregados estão felizes e "empenhados" em seus trabalhos, ou seja, muitas pessoas passam a vida de trabalho se sentindo desmotivadas em fazer o que são obrigadas ou o que não gostam. São infelizes!

Digo isso apenas para começar a justificar porque eu quero que meus filhos sejam empreendedores e não empregados, ou seja, que procurem trabalho e não emprego. Mas não é só a questão ligada ao emprego formal pois, na verdade, há muitas razões para encorajar meus filhos para uma jornada empreendedora. Pois bem, inspirado em um artigo que li outro dia onde uma empreendedora americana relata seus motivos de ter seguido por esse caminho, eu resolvi mostrar as minhas razões, constatações e experiências próprias na educação empreendedora que pratico em casa com meus 3 filhos. Seguem 10 delas:

1) Estilo de vida

Levar uma vida mais saudável e ter liberdade de horário podem fazer com que o empreendedor divida melhor as horas entre o trabalho e o lazer. Não estou falando que vão trabalhar menos e sim distribuir melhor, conforme seus interesses. Até porque, quando se é apaixonado pelo que faz, não se trata de trabalho e sim de missão. Eles sentem adrenalina no lugar do estresse, se sentem desafiados em vez de sufocados e, principalmente, a autoestima que vem da sensação de agregar valor à sociedade.

Mas, o melhor em relação ao estilo de vida do empreendedor é a flexibilidade. Ele pode manipular a agenda para passar mais tempo com a sua prioridade, sem peso ou culpa, pois pode compensar as horas perdidas no negócio. Sem falar que pode melhorar os hábitos alimentares e viver de forma não sedentária. É claro que muitos empreendedores preferem o estilo de vida workaholic, mas até isso é uma livre escolha.

2) Criatividade e inovação

Fazendo uma simples comparação, o empreendedor tem de ser criativo ou encontrar formas inovadoras de resolver problemas. Já os funcionários, por outro lado, muitas vezes têm a sua criatividade sufocada. Eles não têm a liberdade para ir além da sua obrigação, dos seus limites. Esta abordagem frustra o talento e desencoraja a liberdade de pensamento que leva à inovação. A criatividade, portanto, abre o caminho para aventuras pessoais e profissionais que trazem muito mais satisfação na vida.

3) Responsabilidades

O empreendedor é responsável perante si mesmo e todos ao seu redor, a partir das decisões que toma e a forma como gasta os seus recursos que, muitas vezes, são limitados e imprevisíveis. Isto significa desenvolver a capacidade de fazer com menos, de andar com as próprias pernas, tomar decisões rápidas e de assumir completa responsabilidade pelos seus atos.

Em um nível pessoal, isso significa desenvolver comportamento independente e traços de confiança e caráter. Esse tipo de atitude muitas vezes é desencorajada ou simplesmente não é possível quando se é empregado. Isso acontece porque muitas ideias, para serem implementadas, precisam de aprovações repletas de regras e restrições, que levam o funcionário a se sentir apenas mais uma parte da engrenagem, impotente para assumir a responsabilidade, porque muitas vezes não é dada a oportunidade de ousar e experimentar o novo.

Enfim, mesmo quando as ideias empreendedoras não são boas ou dão errado, se cultiva um senso de aprendizado, oportunidade e responsabilidade muito mais aguçado, pois o dinheiro é proveniente de seu próprio bolso!

4) Paixão

Quero meus filhos apaixonados por alguma coisa interessante, uma causa, uma ideologia, um estilo ou um hobby, até porque os empreendedores também podem construir ideias de negócios em torno de suas paixões pessoais e isso é muito mais gratificante do que trabalhar em um emprego que não traga prazer. Ou seja, os que pensam assim se preocupam em criar, implementar ou vender produtos e serviços em que realmente acreditam. Quero eles felizes, apaixonados e satisfeitos! A falta da paixão tira o brilho dos olhos!

5) Desafios

Uma queixa clássica de funcionários de empresas é que eles estão entediados ou nada de novo acontece, muitos ficam presos nesta rotina durante anos até que encontrem um emprego melhor. Quando se é empreendedor, a vida nunca é monótona. A pessoa é obrigada a tomar direções, desafiada a adquirir novas qualificações, a enfrentar barreiras e o inesperado, e a superar medos e fracassos. O mais interessante na vida empreendedora é a aprendizagem contínua e o exercício diário mental. Cada dia é um novo desafio que exige um novo pensamento que te leva a explorar e maximizar o potencial individual.

6) Dinheiro

Apesar de o dinheiro não ser o fator chave para a maioria dos empreendedores, se eles forem bem sucedidos nos seus negócios vão conseguir acumular sem limites e terem segurança financeira bem mais rápido do que em empregos formais. É claro que os riscos são maiores e é mais difícil, mas quem disse que o melhor é ser fácil?

7) Garantias

Você pode pensar: “O emprego tem a garantia do salário fixo e da segurança. Sim, isso pode até passar a sensação da garantia do fixo, mas por quanto tempo? Qual é a garantia de segurança que existe? O empregado de empresa privada está sujeito ao humor do patrão, ao jogo de convivência empresarial, ao QI (quem indica), às oscilações do mercado e, claro, à instabilidade de qualquer negócio. Ah, você pode fazer concurso público e ter estabilidade. Ok, pode, mas sobre isso vou tratar em outro artigo ;) . A única garantia que o empreendedor tem é ele mesmo e isso, se bem trabalhado, é instigante e motivador!

8) Legado

A famosa pirâmide de Maslow, aquela da teoria da hierarquia das necessidades, revela que o topo a que se pode chegar na vida é a autorrealização. A pirâmide mostra que para percorrer o todo é necessário passar pelas partes, mas também há quem chegue lá sem passar por todas as etapas da pirâmide.

Bem, o que quero dizer com isso é que para o empreendedor a vida não é uma escada ou engessada, de modo que precise passar por etapas: o que importa é que a visão de autorrealização seja substituída pelo legado.

O que posso deixar marcado como minha realização? O que posso ensinar? Como as pessoas se lembrarão de mim? O que fiz de bom nesta vida? Qual o impacto social e aprendizado que deixarei? Essas são as preocupações e as metas sociais do empreendedor. Aliás, a responsabilidade social é a base na jornada empreendedora, pois a colaboração e o envolvimento em projetos sociais é encarado como condição para mudança da realidade em que vivemos.

9) Independência

Aqui deixo um alerta e peço uma atenção redobrada. Uma das frustrações do empreendedorismo é quando nos damos conta de que não é fácil ser dono do seu próprio negócio. Muitos empreendedores simplesmente se sentem totalmente perdidos e desorientados por conta da liberdade, da chamada independência, quando percebe que dependem sim e muito dos outros: seus clientes, fornecedores, parceiros, sócios etc.

A independência do empreendedor é relativa e não está só ligada à questão de ser livre e desimpedido de um emprego formal, por exemplo. A questão é usar bem a liberdade conquistada, amadurecer sua autonomia, praticar, aprender, se relacionar, desenvolver mecanismos para viver em sociedade para alcançar sua independência, principalmente a financeira.

10) Propósito

Muitas pessoas passam a vida toda sem saber porque estão nesta vida. Muitas pessoas traçam objetivos mas não sabem os porquês destes objetivos. No empreendedorismo, a primeira coisa com que devemos nos preocupar é o propósito de vida. Sabemos que sem um porquê suficientemente forte, de nada adianta traçar objetivos.

Para isso, o exercício que eu faço em casa com os meus filhos é perguntar: "Se você tivesse certeza absoluta do sucesso, a que dedicaria a sua vida? Por quê?". Quando visualizamos claramente os nossos propósitos de vida (no plural, porque podemos ter mais de um), o trabalho deixa de ser trabalho e passa a ser fonte de alegria, prazer, entusiasmo e realização. Ah, o empreendedor também pode mudar de propósito ao longo do caminho! ;) O sucesso é viver do seu propósito!

Bem, esses são alguns dos fatores e argumentos que embasam a minha decisão de incentivar os meus filhos de 16, 14 e 10 anos a serem empreendedores. Aliás, já são! Porém, eu reconheço que nem todos têm a aptidão, coragem e motivos para construir um negócio ou seguir este caminho.

Por isso, eu respeito quem decide ir pelo modelo tradicional e formal, mas enquanto eu tiver forças, estarei dando exemplos para que os meus filhos tenham comportamento empreendedor desde agora. Assim, acredito que estarão melhor preparados e fortes psicologicamente para enfrentar a competição no novo mundo, buscarão seus próprios negócios, enfim, serão os protagonistas dos seus próprios destinos. Inclusive para decidirem trilhar por outro caminho.

Em relação a ser empregado, é lógico que existem empregos maravilhosos onde você se sente parte do todo, onde a inovação está presente, onde a criatividade é incentivada, o patrão é colaborativo, participativo, delega e é humano, onde o ambiente de trabalho é incrível e os funcionários têm prazer e orgulho em trabalhar. Se você trabalha em uma empresa assim, parabéns, cuide disso! Mas acredite, não é fácil encontrar esse emprego dos sonhos, na maioria dos casos.

O que você pensa sobre isso? Deixe sua opinião. Mas, se for contra, não me xingue, não tenho a pretensão de convencer você a nada ou interferir nas suas escolhas de trabalho ou na sua educação doméstica. Estou apenas mostrando o que eu penso e faço. Aliás, se seu emprego é incrível, aproveite o espaço de comentário para elogiar seu patrão ;) .

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento