Café com ADM
#

Perdendo o medo da escuridão

Muitas vezes, diante de uma decisão, lideres e gerentes se sentem solitários, principalmente quando se faz necessário decidir sobre pressão e sem tempo suficiente para pensar na ação ou dividir com alguém. O medo é um sentimento natural do homem, tanto quanto a coragem. Sentir mais ou menos um ou outro é uma questão de escolha e exercício. Quando éramos criança, muitos de nós, sentimos medo da escuridão, por mais que nos fosse dito que lá havia as mesmas coisas que em um ambiente iluminado. Costumo pensar nesta situação sempre que me deparo com um cenário onde tenha que decidir sobre alguma coisa. Há certos momentos em que a ação é indispensável, não há espaço para o medo, pois, não haverá uma segunda chance. Imagine um médico indeciso diante de uma ação durante uma cirurgia, pode ser fatal. Dias atrás, vi aqui em Recife o Náutico perder dois pênaltis, na final do campeonato da Série B de futebol, ficou claro naquele episódio, a falta de alguém que decidisse e determinasse quem deveria cobrar as penalidades. Entre os atletas, a emoção falou mais alto que a razão causando um desequilíbrio geral, o medo de errar predominou e não surgiu uma liderança que assumisse a responsabilidade por aquele momento. Esse é um exemplo típico de que o risco é um componente que deve ser considerado em qualquer circunstância de decisão e que os papéis de cada componente da equipe devem estar bem claros e definidos para cada situação, além de considerado as possibilidades e imprevisões. Praticar, arriscar, errar e tentar novamente são formas eficazes para perdermos o medo da escuridão. A luz só ilumina quem se dedica, quem pesquisa, quem pratica e quem treina com entusiasmo. É necessário assumir o quente ou o frio, não há sucesso para o morno. A arte e a ciência andam de mãos dadas para explicar a natureza, à nossa disposição, temos este argumento nos mostrando que somos capazes e só precisamos acreditar que na escuridão existe os mesmos componentes da claridade, exceto a luz. A partir do instante em que decidimos assumir com determinação e atitude nossas vidas, seja, profissional ou pessoal, se acende uma luz que com o passar do tempo pode se transformar em refletor iluminando as ações e os caminhos de outras pessoas, esta é uma característica e o papel do líder. Vamos imaginar um trem se preparando para partir na estação. Quem você seria neste trem? A locomotiva ou um dos vagões? Se a resposta mais confortável para seu perfil for a locomotiva, que puxar, empurrar e abri caminhos, o perfil do líder está mais fluente em você. Se vagão, você tem perfil mais voltado para um dos componentes da equipe. Isso não quer dizer que não tenha aptidão para coordenar ou liderar um grupo, para isso é preciso se desenvolver com um pouco mais de atenção, buscando conhecimento e estimulando o sentimento criativo, o que pode ser adquirido, através do estímulo ao bom humor ou até falando besteiras, muitas vezes de bobagens surgem grandes soluções. Um exemplo é a técnica do brain storm, (Tempestade mental), em que as pessoas falam a primeira palavra que lhes vem à mente sobre determinado tema, para depois selecionar o que é relevante para utilizar na solução de problemas. Um bom exercício também pode ser coordenar um projeto ou um processo já formatado. No estágio seguinte, já mais seguro em conduzir procedimentos, fica mais fácil arriscar e criar. Um líder precisa, com criatividade, conduzir a equipe ao ambiente iluminado, onde flui a comunicação que clareia os objetivos, respeitando os limites e as habilidades individuais. Só assim conquistará a confiança, e o sucesso de sua equipe.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.