Os Visionários do Desenvolvimento e do Empreendedorismo

Probreza e lixo quem gosta é Intelectual. Pobre gosta de luxo, por isso o sucesso do Carnaval Carioca. Joãozinho Trinta Carmavalesco O Brasil é, historicamente, rico em heróis, que lutaram pela defesa de nossos ideais desenvolvimentistas e patrióticos, e que colocaram suas vidas a serviço de um objetivo desenvolvimentista. Combatidos por defenderem bandeiras próprias, as quais acreditavam piamente, que desbravando territórios, esboçariam inconscientemente um País Continental, que hoje é o Brasil. Anchieta e Rondon foram os pioneiros, J.K. deu continuidade com interiorização da Capital, com o povoamento da Região Central do País e; o atual Estado do Acre, cuja representação se tem nas figuras heróicas do Imperador Galvez, Plácido de Castro e, mais recentemente, Chico Mendes. Além de ser o Estado do Acre o único que é Brasileiro por opção. Assim, o País ganhou tamanho de potência e riqueza territorial, e decorrente disto, o desenvolvimento ganhou caráter desproporcional quanto ao poder aquisitivo de sua população. Na história econômica mais recente do País, apesar das grandes linhas macroeconômicas Nacionais estarem razoavelmente estáveis e satisfazendo somente a alguns setores, nota-se em muitos Estados da Federação o esforço em superar seus problemas e limitações, em busca do desenvolvimento sócio econômico que seja sustentável e perene. O Estado do Acre, como um todo, alinha-se dentre esses que estão buscando incessantemente o desenvolvimento sócio econômico, a produção de conhecimento e a prosperidade de seu povo, através das ações desenvolvimentistas suas Instituições Públicas e Privadas. As Cidades Acreanas, dentro das limitações de Lei de Responsabilidade Fiscal, estão buscando alternativas de melhorias, quanto a obras de infra-estrutura, incentivos fiscais e econômicos, e busca junto as mais diversas Instituições Financeiras canais de concessões e linhas de crédito e financiamento de médio e longo prazo, de forma a incentivarem o empreendedorismo nascente, empresas de grande, médio e pequeno porte. Muitas empresas daí passaram a progredir e saíram de um estabelecimento que consistia simplesmente de uma pequena porta para verdadeiras redes locais, de grande áreas de vendas, extensos galpões e quadro de funcionários. Buscaram em outros mercados, mais notadamente no eixo Rio-SP, novas tecnologias e know-how junto a Grandes Empresas e Rede de Lojas Nacionais e Multinacionais, tornando os seus próprios negócios dignos de qualquer Grande Cidade. As mais recentes empresas então tornaram-se fornecedoras de matéria-prima e produtos para grandes empresas Nacionais e Multinacionais, como temos hoje presentes no Município de Sena Madureira, na Capital Rio Branco e em Cruzeiro do Sul. Os Governos Federal e Estadual, por sua vez, de modo a viabilizar a aceleração deste boom desenvolvimentista, vem proporcionando meios para que as empresas originariamente locais cresçam ainda mais, e outras Nacionais e Multinacionais venham se estabelecer no Estado. Com isso ocorreu, dentre outras ações, a realização da obra da Ponte Binacional, e o inicio da construção do lado brasileiro, da Rodovia Inter-Oceânica, que ligará as Cidades de Assis Brasil e Iñapari no Peru. A chegada de mercadorias brasileiras, mais propriamente aquelas oriundas da Região Norte do Brasil, da Amazônia Brasileira, em terras Orientais e a todos os Países Latino-Americanos, ficou e ficará ainda mais rápida e, principalmente, com um custo mais acessível. Isso, representará alavancagem dos volumes de negociados, Vantagem Competitiva no Comercio com Exterior, oportunidades ampliadas de Exportação e ganhos de escala na Gestão Comercial e Operacional das Empresas Exportadoras Brasileiras e o nascimento da Gestão Logística local. Isto ainda representará o fortalecimento dos modais de transporte, com a necessidade de aperfeiçoamento dos canais de distribuição, o crescimento do senso de urgência ao atendimento das necessidades de um mercado crescente e cada vez mais exigente, quanto a rapidez e qualidade. As empresas acreanas, que nos últimos 15/20 anos conseguiram se destacar pelo aprimoramento físico de suas instalações, aprimoramento do atendimento e qualificação de produtos e de recursos humanos. Contudo, terão ainda que investir mais na atualização destes pontos de venda e, além disso, se preocuparem com a criação de uma estrutura organizacional mais sólida. Este re-desenho Organizacional passa pela reestruturação de seus quadros hierárquicos, criação de lideranças, e expansão também de seus modais Logísticos, como a criação de Centros de Distribuição e Armazenagem, contratos comerciais de fornecimento, estreitamento de parcerias complementares aos seus negócios, com outras empresas de produtos e serviços, dentro e fora do Estado e do País. Na verdade, é preparar-se econômica e empresarialmente para consolidarem seus postos como liderança local frente a chegada, que será inevitável, das grandes redes de lojas de varejo, de departamento, fast-food e de home center. Isso sem contar as grandes indústrias de materiais intermediários e de ponta, que hoje, como todas as anteriores, procuram mercados, potenciais e inexplorados, e alternativas para expandirem seus negócios, pois os mercados e espaços já encontram-se saturados da Região Sul e, principalmente, Sudeste. Empresas novas entrantes no mercado Acreano, encontraram em sua trajetória o seu ponto de equilíbrio econômico concomitantemente a melhoria da ambientação interna de recursos humanos. Tornaram-se Empresas de Capital aberto, com ações em Bolsa de Valores (BOVESPA/SP), cada vez atrativas a recepcionarem investimentos de capital transacional no seu ativo. Capitalizaram-se e obtiveram o respeito e reconhecimento de mercado, consolidando uma postura concorrencial altamente competitiva e agressiva, aliada a imagem de eficiência junto a sociedade e ao público consumidor, de qualidade, variedade do seu mix de produtos (sortimento) e preço justo. Qualquer que seja o consumidor ou cliente de hoje demanda muito mais serviço do que preço. As pessoas encontram-se a procura de otimizar seus tempos, em proporcionar comodidade e qualidade a sua família, de modo a satisfazer o maior números de necessidades e atividades num espaço de tempo menor. Daí surgiram os inúmeros pratos prontos e comidas semi-prontas nas redes de supermercados, os serviços de delivery (entrega em domicilio) e qualificação dos atendimentos ao cliente, no ponto de venda e no pós-venda. A comodidade, a busca maior por serviços e comodidade, e não mais só preço baixo. A maior representação disto está pela divulgação de pesquisa recente, onde se tem o record de venda pela internet. Num simples clicar do mouse o consumidor paga um preço, que nem sempre é o mais baixo, e que no entanto é certamente competitivo, não importando que tenha ou não frete; que viaje ou não tantos mil Km para ser recebido confortavelmente o produto em suas residências. A partir de todo este cenário, cuja exigência do consumidor está apurada e tendente a qualidade de serviço, não importando de onde venha, é que as empresas acreanas teram que se moldar e explorar a seu favor, de modo a auferirem valor as suas mercadorias e serviços. O fornecimento também via internet, e-commerce, e melhoria contínua de seus serviços e produtos. A melhoria dos serviços prestados é diretamente proporcional a exigência do mercado consumidor e da competitividade concorrencial, existente em sua região de atuação. Quanto mais exigente for o mercado, mais aprimorado estarão as empresas e industrias que prestam serviço e vendem produtos. Com a facilitação do acesso das mercadorias e serviços brasileiros pela Ponte Binacional ao Mercado Oriental, as exigências serão imediatas e crescentes, demandando reestruturações e adequações culturais , de modo a atender a este novo mercado. Vis-à-vis, empresas e profissionais, institutos e instituições Públicas e Privadas, terão que acompanhar, o trem da história, as novas exigências, como agente facilitador à quebra de paradigmas, novos enfoques e capacitações. A re-estruturação Logística, por exemplo, passará pelo aprimoramento de processos e procedimentos, pela intensificação dos investimentos em recursos materiais e humanos, com vistas ao atendimento desta intensificação do fluxo de pessoas e mercadorias, pela exatidão cumprimento dos prazos e o municiamento de toda a estrutura que encontra-se na ponta do processo Logístico. Todos os agentes econômicos terão que gerar suas próprias estruturas operacionais de Logistica, Cadeia de Abastecimento (Supply Chain Management System) com vistas a melhoria continua de normas, processos e procedimentos. Apesar de consolidada a democracia em nosso País, não há já algum tempo, espaço para que obstruções físicas, comentários depreciativos e confrontações político-partidárias, ocorram de forma impeditiva a implementação de obras como esta da Ponte Binacional e da Estrada ao Pacífico. Senão, como estaríamos hoje se os visionários, os desbravadores históricos, a criação da nova Capital, que surgiu em local hostil e árido, os pesquisadores, pensadores e cientistas, não tivessem ratificado suas convicções e defesas de suas teorias e ações. Não que hoje os homens Públicos em seus níveis de poder, os Empresários que encontram-se a frente de suas Empresas, e os mais diversos Empreendedores, pequenos e micros, sejam obrigatoriamente heróis nacionais. Contudo, são heróis por encararem diariamente os entraves burocráticos e a máquina Reguladora. De conseguirem crescer e prosperar econômica, profissional e pessoalmente no Brasil, que ainda detém a maior carga de tributos, a maior taxa de juros do Mundo, além das limitações financeiras de apoio a pesquisa e ao estudo cientifico de novas tecnologias. Porém, tudo e todos a cada momento encontramo-nos em mutação, e um dia tudo isso mudará, e galgaremos níveis de crescimento compatíveis ao tamanho de nosso território e a nossa vontade de Empreendermos, de Desenvolvermos e sermos cada dia mais realizadores. Carmavalesco O Brasil é, historicamente, rico em heróis, que lutaram pela defesa de nossos ideais desenvolvimentistas e patrióticos, e que colocaram suas vidas a serviço de um objetivo desenvolvimentista. Combatidos por defenderem bandeiras próprias, as quais acreditavam piamente, que desbravando territórios, esboçariam inconscientemente um País Continental, que hoje é o Brasil. Anchieta e Rondon foram os pioneiros, J.K. deu continuidade com interiorização da Capital, com o povoamento da Região Central do País e; o atual Estado do Acre, cuja representação se tem nas figuras heróicas do Imperador Galvez, Plácido de Castro e, mais recentemente, Chico Mendes. Além de ser o Estado do Acre o único que é Brasileiro por opção. Assim, o País ganhou tamanho de potência e riqueza territorial, e decorrente disto, o desenvolvimento ganhou caráter desproporcional quanto ao poder aquisitivo de sua população. Na história econômica mais recente do País, apesar das grandes linhas macroeconômicas Nacionais estarem razoavelmente estáveis e satisfazendo somente a alguns setores, nota-se em muitos Estados da Federação o esforço em superar seus problemas e limitações, em busca do desenvolvimento sócio econômico que seja sustentável e perene. O Estado do Acre, como um todo, alinha-se dentre esses que estão buscando incessantemente o desenvolvimento sócio econômico, a produção de conhecimento e a prosperidade de seu povo, através das ações desenvolvimentistas suas Instituições Públicas e Privadas. As Cidades Acreanas, dentro das limitações de Lei de Responsabilidade Fiscal, estão buscando alternativas de melhorias, quanto a obras de infra-estrutura, incentivos fiscais e econômicos, e busca junto as mais diversas Instituições Financeiras canais de concessões e linhas de crédito e financiamento de médio e longo prazo, de forma a incentivarem o empreendedorismo nascente, empresas de grande, médio e pequeno porte. Muitas empresas daí passaram a progredir e saíram de um estabelecimento que consistia simplesmente de uma pequena porta para verdadeiras redes locais, de grande áreas de vendas, extensos galpões e quadro de funcionários. Buscaram em outros mercados, mais notadamente no eixo Rio-SP, novas tecnologias e know-how junto a Grandes Empresas e Rede de Lojas Nacionais e Multinacionais, tornando os seus próprios negócios dignos de qualquer Grande Cidade. As mais recentes empresas então tornaram-se fornecedoras de matéria-prima e produtos para grandes empresas Nacionais e Multinacionais, como temos hoje presentes no Município de Sena Madureira, na Capital Rio Branco e em Cruzeiro do Sul. Os Governos Federal e Estadual, por sua vez, de modo a viabilizar a aceleração deste boom desenvolvimentista, vem proporcionando meios para que as empresas originariamente locais cresçam ainda mais, e outras Nacionais e Multinacionais venham se estabelecer no Estado. Com isso ocorreu, dentre outras ações, a realização da obra da Ponte Binacional, e o inicio da construção do lado brasileiro, da Rodovia Inter-Oceânica, que ligará as Cidades de Assis Brasil e Iñapari no Peru. A chegada de mercadorias brasileiras, mais propriamente aquelas oriundas da Região Norte do Brasil, da Amazônia Brasileira, em terras Orientais e a todos os Países Latino-Americanos, ficou e ficará ainda mais rápida e, principalmente, com um custo mais acessível. Isso, representará alavancagem dos volumes de negociados, Vantagem Competitiva no Comercio com Exterior, oportunidades ampliadas de Exportação e ganhos de escala na Gestão Comercial e Operacional das Empresas Exportadoras Brasileiras e o nascimento da Gestão Logística local. Isto ainda representará o fortalecimento dos modais de transporte, com a necessidade de aperfeiçoamento dos canais de distribuição, o crescimento do senso de urgência ao atendimento das necessidades de um mercado crescente e cada vez mais exigente, quanto a rapidez e qualidade. As empresas acreanas, que nos últimos 15/20 anos conseguiram se destacar pelo aprimoramento físico de suas instalações, aprimoramento do atendimento e qualificação de produtos e de recursos humanos. Contudo, terão ainda que investir mais na atualização destes pontos de venda e, além disso, se preocuparem com a criação de uma estrutura organizacional mais sólida. Este re-desenho Organizacional passa pela reestruturação de seus quadros hierárquicos, criação de lideranças, e expansão também de seus modais Logísticos, como a criação de Centros de Distribuição e Armazenagem, contratos comerciais de fornecimento, estreitamento de parcerias complementares aos seus negócios, com outras empresas de produtos e serviços, dentro e fora do Estado e do País. Na verdade, é preparar-se econômica e empresarialmente para consolidarem seus postos como liderança local frente a chegada, que será inevitável, das grandes redes de lojas de varejo, de departamento, fast-food e de home center. Isso sem contar as grandes indústrias de materiais intermediários e de ponta, que hoje, como todas as anteriores, procuram mercados, potenciais e inexplorados, e alternativas para expandirem seus negócios, pois os mercados e espaços já encontram-se saturados da Região Sul e, principalmente, Sudeste. Empresas novas entrantes no mercado Acreano, encontraram em sua trajetória o seu ponto de equilíbrio econômico concomitantemente a melhoria da ambientação interna de recursos humanos. Tornaram-se Empresas de Capital aberto, com ações em Bolsa de Valores (BOVESPA/SP), cada vez atrativas a recepcionarem investimentos de capital transacional no seu ativo. Capitalizaram-se e obtiveram o respeito e reconhecimento de mercado, consolidando uma postura concorrencial altamente competitiva e agressiva, aliada a imagem de eficiência junto a sociedade e ao público consumidor, de qualidade, variedade do seu mix de produtos (sortimento) e preço justo. Qualquer que seja o consumidor ou cliente de hoje demanda muito mais serviço do que preço. As pessoas encontram-se a procura de otimizar seus tempos, em proporcionar comodidade e qualidade a sua família, de modo a satisfazer o maior números de necessidades e atividades num espaço de tempo menor. Daí surgiram os inúmeros pratos prontos e comidas semi-prontas nas redes de supermercados, os serviços de delivery (entrega em domicilio) e qualificação dos atendimentos ao cliente, no ponto de venda e no pós-venda. A comodidade, a busca maior por serviços e comodidade, e não mais só preço baixo. A maior representação disto está pela divulgação de pesquisa recente, onde se tem o record de venda pela internet. Num simples clicar do mouse o consumidor paga um preço, que nem sempre é o mais baixo, e que no entanto é certamente competitivo, não importando que tenha ou não frete; que viaje ou não tantos mil Km para ser recebido confortavelmente o produto em suas residências. A partir de todo este cenário, cuja exigência do consumidor está apurada e tendente a qualidade de serviço, não importando de onde venha, é que as empresas acreanas teram que se moldar e explorar a seu favor, de modo a auferirem valor as suas mercadorias e serviços. O fornecimento também via internet, e-commerce, e melhoria contínua de seus serviços e produtos. A melhoria dos serviços prestados é diretamente proporcional a exigência do mercado consumidor e da competitividade concorrencial, existente em sua região de atuação. Quanto mais exigente for o mercado, mais aprimorado estarão as empresas e industrias que prestam serviço e vendem produtos. Com a facilitação do acesso das mercadorias e serviços brasileiros pela Ponte Binacional ao Mercado Oriental, as exigências serão imediatas e crescentes, demandando reestruturações e adequações culturais , de modo a atender a este novo mercado. Vis-à-vis, empresas e profissionais, institutos e instituições Públicas e Privadas, terão que acompanhar, o trem da história, as novas exigências, como agente facilitador à quebra de paradigmas, novos enfoques e capacitações. A re-estruturação Logística, por exemplo, passará pelo aprimoramento de processos e procedimentos, pela intensificação dos investimentos em recursos materiais e humanos, com vistas ao atendimento desta intensificação do fluxo de pessoas e mercadorias, pela exatidão cumprimento dos prazos e o municiamento de toda a estrutura que encontra-se na ponta do processo Logístico. Todos os agentes econômicos terão que gerar suas próprias estruturas operacionais de Logistica, Cadeia de Abastecimento (Supply Chain Management System) com vistas a melhoria continua de normas, processos e procedimentos. Apesar de consolidada a democracia em nosso País, não há já algum tempo, espaço para que obstruções físicas, comentários depreciativos e confrontações político-partidárias, ocorram de forma impeditiva a implementação de obras como esta da Ponte Binacional e da Estrada ao Pacífico. Senão, como estaríamos hoje se os visionários, os desbravadores históricos, a criação da nova Capital, que surgiu em local hostil e árido, os pesquisadores, pensadores e cientistas, não tivessem ratificado suas convicções e defesas de suas teorias e ações. Não que hoje os homens Públicos em seus níveis de poder, os Empresários que encontram-se a frente de suas Empresas, e os mais diversos Empreendedores, pequenos e micros, sejam obrigatoriamente heróis nacionais. Contudo, são heróis por encararem diariamente os entraves burocráticos e a máquina Reguladora. De conseguirem crescer e prosperar econômica, profissional e pessoalmente no Brasil, que ainda detém a maior carga de tributos, a maior taxa de juros do Mundo, além das limitações financeiras de apoio a pesquisa e ao estudo cientifico de novas tecnologias. Porém, tudo e todos a cada momento encontramo-nos em mutação, e um dia tudo isso mudará, e galgaremos níveis de crescimento compatíveis ao tamanho de nosso território e a nossa vontade de Empreendermos, de Desenvolvermos e sermos cada dia mais realizadores.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    café com admMinimizar