Os 90 dias de experiência se assemelham ao início de um namoro
Os 90 dias de experiência se assemelham ao início de um namoro

Os 90 dias de experiência se assemelham ao início de um namoro

Quando participamos de um processo seletivo aceitamos todos os defeitos do cargo e da empresa, assim como no início do namoro, onde nada nos incomoda. O problema é que com o passar o tempo, percebemos que não combinamos com a vaga ou com aquela pessoa

Às vezes me pego a pensar, por que a paixão é tão diferente do amor? Por que perdemos o interesse em agradar os outros quando conseguimos sua confiança?

Na empresa o comportamento é exatamente o mesmo. Em entrevista, estamos motivados, animados, receptivos e aceitamos todas as necessidades do cargo. Não pensamos em horários, não pensamos em o quanto vamos ficar longe de nossas famílias, namorados (as) e pessoas que amamos. Não pensamos o quanto mudaremos nossa rotina e nem no quanto teremos que nos doar para fazer as coisas darem certo.

Infelizmente, esse ânimo, na maioria das vezes, é como o começo do namoro. Depois de um tempo vamos nos desinteressando, começamos a ver defeitos, pequenas coisas começam a nos incomodar, estamos quase sempre projetando no outro o problema de nossas vidas.

Será que é isso mesmo?
As pessoas é que mudaram?
A empresa é que passou a ser ruim?
O salário diminuiu?
Os colegas se transformaram?

Acredito que não. Acredito que o desejo sempre será por algo que não temos, sendo assim, quando conseguimos, já queremos outra coisa e não comemoramos a conquista.

Vamos refletir um pouco sobre essa sensação insaciável que sentimos. Vocês verão que temos muito e podemos muito mais. Verão que o crescimento e a sensação de felicidade são parte da vida, mas apenas da vida de quem sabe agradecer as graças e conquistas do dia a dia.

Para quem está sempre se queixando por não ter o que pensa que precisa e deseja sempre o que não tem, felicidade e satisfação não são sensações conhecidas.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento