Os 4 perfis comuns em eventos corporativos

Eventos corporativos são uma excelente oportunidade para fazer novos contatos profissionais e se destacar. Observar estes perfis pode te ajudar a ser lembrado da maneira correta

Você certamente já deve ter participado de algum evento corporativo: uma festa de final de ano, uma comemoração por resultados alcançados, um café com o presidente da companhia, entre outras ocasiões. Já observou que, quando falamos de comportamento, podemos notar uma série de atitudes não esperadas vindas de profissionais dos diferentes níveis hierárquicos de uma organização. Pensando nessas situações que observei nas ocasiões das quais fiz parte pude destacar quatro tipos bastante comuns presentes em todos eles. Ao ler este artigo, espero que você leitor possa lembrar-se de situações onde se encaixou em algum dos perfis e possa aproveitar ou cair na real sobre as oportunidades e riscos de cada tipo. Boa leitura!

Você entra em um salão e logo percebe a movimentação do ambiente: garçons indo de um lado para o outro enquanto uma música levemente dançante toca ao fundo. Gerentes e funcionários da base trocam cumprimentos amigáveis. Neste ambiente, podemos perceber um ou outro indivíduo mais ao canto, interessado em observar um ou outro detalhe, cumprimentando eventualmente alguns colegas e passando o restante do evento olhando o celular, conectados o tempo todo. Normalmente este tipo não fica até muito tarde na festa e sai à francesa. Estamos falando dos VIRTUAIS.

O lado positivo de estar neste grupo é que são os que correm menor risco de cometer alguma gafe ou ato impensado. Geralmente conversam rapidamente com um ou outro conhecido e nem sempre aproveitam o cardápio servido, caso haja comida, para que não precisem procurar uma mesa e ter que forçosamente ser gentil e puxar algum tipo de conversa banal com outra pessoa nesta mesma mesa. Para ele, é melhor estar conectado em seu smartphone do que um bate papo "olho no olho". É necessário enfatizar que nos dias de hoje cultivar relacionamentos é muito importante para se adquirir vantagens, informações ou simplesmente formar uma rede de contatos produtiva. Se você se encaixa ou já se viu neste perfil, dos virtuais, vale a pena explorar o mundo real das pessoas que estão ao redor. Nestes eventos sempre há grupos de pessoas que eram totalmente desconhecidas e acabam se “enturmando” ao longo da festa. Procure um grupo que tenha a ver com seu estilo e com as coisas que gosta de conversar. Saia um pouco do celular. Procure também conhecer e elogiar quem organizou o evento, quem escolheu o menu ou o tema.

Entre os outros participantes estão aqueles que circulam em todos os grupos, que se socializam fácil, conversando sobre todo e qualquer assunto. Além disso, costumam ser extremamente solícitos, oferecendo-se para servir outras pessoas ou ajudar em algum detalhe da festa. Costumo chamá-los de NETWORKERS. Sim, eles querem trocar cartões de visita, fazer amizades, estabelecer contatos profissionais, etc. É muito bom quando temos a habilidade de nos comunicar bem e ser simpático com todos os convidados. Só tome cuidado para não parecer muito superficial e interesseiro. É muito comum encontrarmos pessoas em eventos interessadas apenas em falar de si nas rodas de conversa e entregar cartões de visita, sem ao menos um bate papo cordial. Fazer contatos com pessoas novas e ser gentil com os organizadores da festa é muito bom, desde que seus gestos e atitudes sejam genuínas.

Sempre vamos encontrar entre as músicas e as comidas um ou outro personagem contando um caso ou uma piada, num volume que supera o do grupo que está ao seu redor. Logo algumas pessoas se juntam ao redor e os risos surgem. Quando o evento está monótono sempre é bom encontramos distração nestas figuras de bom humor que chamam a atenção de todos com comentários, danças, piadas e discursos. São os DIVERTIDOS. Não, não é ruim ser assim, desde que você tenha consciência de que um evento corporativo não é um show de stand-up e que é sempre bom ter bom senso para com a ocasião. Existe uma linha delicada entre a piada inocente e a grosseria ou a falta de delicadeza. Tome cuidado com comentários preconceituosos, palavras de baixo calão e gestos obscenos. Dance apenas se a ocasião permitir. Ser divertido significa ser respeitoso e falar de forma agradável e inteligente sobre um determinado tópico. Não há nada melhor do que ouvir comentários inteligentes, respeitosos e bem humorados!

E a última categoria? Sim, são aqueles que não se enquadram em nenhuma das três primeiras, os ALEATÓRIOS. São pessoas que agem de maneira imprevisível, desinteressante ou chamativa ao extremo. Falam aos gritos, são desagradáveis e não se enturmam em nenhum grupo. Geralmente vão ao evento e reclamam que os garçons serviram pouca comida. Na verdade esta parece ser uma das únicas preocupações deste tipo: a comida. Entre outros comportamentos, estes não se preocupam com o dress code da ocasião, bebem demais, assediam os colegas de trabalho e em alguns casos chegam a criar confusões. Homens e mulheres que se enquadram nesta categoria ou são completamente apagados, ou conseguem causar um impacto (negativo) logo na entrada: usam trajes mal pensados, camisas de times, decotes e fendas profundas, maquiagens exóticas ao extremo, entre outras coisas. Estar entre os aleatórios é estar tão apagado a ponto dos organizadores não lembrarem de onde você é, ou ser tão extravagante a ponto de se tornar uma lenda da organização (“lembra daquele evento onde aquela moça usou um decote avassalador?...”).

A mensagem que fica é: precisamos ser lembrados de alguma forma e eventos corporativos são uma ótima oportunidade. Quando somos citados, desejamos que a memória dos convidados seja pela nossa cortesia, educação, inteligência e bom humor, enfim, por coisas positivas que possam gerar bons resultados pessoais e profissionais. E você, como quer ser lembrado após um evento?

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento