Café com ADM
#

O Ser no Terceiro Milênio

Todos nós profissionais envolvidos no maravilhoso e vasto universo das relações humanas nos deparamos hoje com a necessidade de cuidar das nossas relações com o ser do terceiro milênio. Será que ele é tão diferente de seus antepassados históricos?

Todos nós profissionais envolvidos no maravilhoso e vasto universo das relações humanas nos deparamos hoje com a necessidade de cuidar das nossas relações com o ser do terceiro milênio. Será que ele é tão diferente de seus antepassados históricos?

Apesar da virada do século e do milênio já ter sido vencida, ainda ouvimos constantemente a expressão:


“É preciso mudar o paradigma! Vivemos uma Era de grande

Transição com a chegada do Terceiro Milênio.


Vamos observar as particularidades desta afirmação, buscando a sua essência:

Você conhece alguma época de sua vida, onde a transição não tenha estado presente? A vida é uma constante transição! Em todos os momentos nos deparamos com a mudança.

Para o ser humano, a transição já se faz sentir bruscamente com a retirada do útero materno, onde estávamos confortavelmente protegidos (como dizia o filósofo Kierkegaard, “... fomos retirados do Éden – do paraíso”); a partir daí começa a imperar na nossa vida um princípio magno da sobrevivência: o princípio da adaptação!

Temos que nos adaptar segundo a segundo, nossos olhos se adaptam à quantidade de luz que há no ambiente, nossa pressão sangüínea se adapta às condições atmosféricas... Tudo está em constante adaptação.
Portanto, não é necessário mudar de paradigma; o melhor é não assumi-los em caráter absoluto. É mais sábio e coerente assumir a relatividade e mutação constante dos acontecimentos, pessoas e relações decorrentes da relatividade da vida.

Neste sentido qual é o diferencial que particulariza a transição atual? Com certeza não é, como vimos, a característica intrínseca à própria transição. De onde vem então este diferencial?

Provem da contínua ampliação do nível de informação e da capacidade de percepção que se traduz em uma visão mais holística e sistêmica da realidade.

O Diferencial da Transição atual consiste no fato de que temos maior consciência dela, do que tínhamos em décadas anteriores. Houve um aperfeiçoamento, um amadurecimento da nossa visão sobre a evolução das mudanças em função do tempo. Hoje, o indivíduo percebe (ainda que com ressalvas) os sinais de mudança mais cedo.

Desta maneira, como tudo está inserido num contexto histórico maior, temos que tomar uma atitude mais séria e coerente diante do terceiro milênio; que representa o início de uma nova era; se nós assim a percebermos e permitirmos; afinal, somos os redatores da história presente e futura.

É claro que a tecnologia confere seu ritmo particular e alucinante a alguns aspectos da mudança, mas o elemento humano ainda é determinante na esfera das relações e compreensão do mundo.

O ano de 2005 é a conseqüência dos 2004 anos (baseando-se apenas na era cristã) que o antecederam e, contempla toda a evolução, e também todos os erros e dificuldades não superadas nas décadas anteriores.

Entramos no Novo Milênio, mas não seremos novos homens e mulheres, seremos o resultado da nossa auto-construção inserida na personalidade coletiva de uma sociedade repleta de conflitos e soluções, de muitas dúvidas e algumas certezas. Certezas estas que o tempo há de modificar e aperfeiçoar.

Fazer do novo milênio uma nova era no limite das enormes expectativas que trazemos em nossa ansiedade é muito sério. A nós cabe agir com competência continuamente ampliada, lembrando que empregabilidade é definida pela nossa capacidade de manter a nossa bagagem humana e profissional atuante e desejável no mercado.

Prepare a sua bagagem para a viagem que lhe levará a uma Nova Era; atualize-se para a seqüência da viagem, pois a sua jornada não termina aí e não terminará nunca, a não ser que você desista de si mesmo e passe a observar o jogo da arquibancada, sem entender sequer as regras que estão em campo.

Seja um “profeta do amanhã”, afinal a grande função de uma profecia não é prever o futuro, mas construí-lo. Lembrando sempre que as dificuldades e tensões são da natureza humana e é devido à resistência que eles nos impõe que materializamos nossos talentos e habilidades essenciais. Como disse o psicanalista Viktor Frankl “Se a vida tem uma razão, assim também o sofrimento, parte integrante da vida“. Não se preocupe com as dificuldades, foque as oportunidades.

O ser do terceiro milênio não é, necessariamente, mais evoluído que suas versões anteriores, mas, com certeza, está muito mais sofisticado em sua forma de se relacionar com o mundo, com as pessoas e com o conhecimento. Quando olhar para um colega de trabalho ou para uma criança (hoje tão aparentemente diferente da que um dia fomos) lembre-se de que aí vai um companheiro de jornada... Ainda que ele esteja mais intelectualizado, possua duas graduações e um MBA, ainda que fale três idiomas, continua lutando contra os conflitos e ansiedades que o caracterizam como ser humano. Por trás de toda a sofisticação do mundo atual e sua velocidade digital continua existindo um ser em busca da liberdade e da auto-realização!

Por trás de toda a aparência encontramos a supremacia da essência. Compreendê-la é compreender o mistério maior que envolve nossas vidas.

Bem vindo à sua versão do Terceiro Milênio! Escrita de próprio punho em dias exatamente iguais ao dia de hoje.

Carlos Hilsdorf

Palestrante do Congresso Mundial de Administração (Alemanha). Economista, Pós-Graduado em Marketing pela FGV e consultor de empresas. Autor do best seller Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero. Referência nacional em desenvolvimento humano. Site oficial: www.carloshilsdorf.com.br

Acompanhe as novidades no Twitter: www.twitter.com/carloshilsdorf

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.