"O Sapato"

Gente, não há coisa pior que o mal atendimento... vejam este caso abaixo: O Sapato Seu Guimercindo trabalha em uma empresa metalúrgica da cidade. Homem de bom relacionamento, foi convidado por um colega de serviço a ser padrinho de casamento. O velho Guma, como era conhecido, aceitou de imediato e para o casamento faltava apenas um par de sapatos, já que tinha um terno novinho que comprou para receber o prêmio de 20 anos de empresa. Deixou a compra para o sábado de manhã, pois o casamento estava marcado para as 18 horas. O carro ficou no posto para ser lavado e ele partiu para o centro da cidade de ônibus. A escolha da loja foi pelo prédio imponente. Foi difícil entrar, não pelo excesso de clientes (que andam tão escassos), mas pelo batalhão de vendedores que o impedia. Driblou alguns (entendeu um pouco a atuação de Ronaldinho na Copa) e parou apreciando a vitrine. Uma bela aranha tecia sua teia dentro de um sapato social, um de estilo esporte. Seu Guma já tinha decidido, mas os dois vendedores ap lado discutiam a escalação do jogo de domingo. Além da escalação, ouvia do vendedor uma fofoquinha sem maldade sobre as ermas de uma cliente. - O Senhor já foi atendido? - Não, disse aliviado. - Então, só um minutinho. Chicooooo...., atende o cidadão aqui. Já vem, viu? O grito quebrou a teia de aranha. - Escolheu, senhor? - Sim, quero um par 40 daquele ali marrom. - Este? - Não, daquele que está caído atrás. O vendedor saiu tão desesperado que esqueceu de indicar a poltrona e a 10 metros de distância, disparou: - Ô seu... ! Psiu!! Ô senhor de camisa listrada! É, o senhor. Sente ali. Sentou e ficou observando. Do outro lado, um vendedor esticava o chiclete, fazendo bolas que explodiam na boca. Alguém que observava o tempo de espera, aproximou-se: - Já foi atendido? - Já. - Por qual vendedor? - Não sei. Um tal de Chico, me parece. - Impossível Senhor, Chico sou eu. - Então foi um outro F.D.P. qualquer. O vendedor saiu assustado, fazendo careta. - Pronto, Senhor. Aqui está. Chegou hoje, nem tem preço. Ah, tem sim.. risos... e achando graça da própria distração, dá um tapa nas costas do seu Guma. - Qual é mesmo o nome do Senhor? Eu me esqueci. - Não, você não se esquece. É que eu ainda não disse. É Gumercindo. - Sim seu Gumercindo, este vai ficar muito bom. - Pode até ser, mas prefiro aquele que te falei. Tem o meu número? - Tem sim, é que achei que o Senhor fosse gostar mais deste. Seu Gumercindo nem achou ruim. Assim seu nariz descascava do perfume do vendedor que o irritava devido a alergia. Aguardando mais um pouco, poderia entender melhor o atendimento. - Toma aí o sapato, seu Alcindo. - O sapato é esse, mas meu nome é Gumercindo. - Desculpe, é que eu tenho um tio que se chama Alcindo, ele gosta muito de pescar. O difícil não era ouvir a história do tio, mas sim colocar o sapato sem calçadeira. O vendedor continuava, gesticulando tanto que só parou quando conseguiu derrubar os óculos do cliente. - E aí, continuava o vendedor, o peixe não cabia na geladeira e... - Vou levar este. - Ah, sim seu... é só pagar no caixa. O cliente não sabia onde era o caixa e, perdido, foi perguntar para outro vendedor. - Onde é o caixa? - Para pagar? retrucou o vendedor. - Não, é que minha mãe está lá sentada me esperando... Nervoso do jeito que estava tendo certeza que não era a mãe do cliente que estava no caixa. - O senhor não tem trocado? - Sem gostar de ouvir essa básica pergunta, pagou logo a conta para ser ver livre dessa loja. Quando já estava na porta de saída, o vendedor aparece: - Muito obrigado, seu... como é mesmo o seu nome? - Pra quê? Eu nunca mais vou voltar aqui. E assim se foi. Passou numa choperia para descarregar o nervosismo e pouco antes do casamento tirou o sapato da sacola e eis a surpresa: um pé 39 e outro 40. Autor: Desconhecido

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Miriam Jakelline

    Miriam Jakelline

    Sou formada em Administração de Empresas, com habilitação em Marketing, Pós Graduada em Didática do Ensino Superior, e Pós Graduanda em Gestão de Pessoas. Sou uma pessoa bastante dedicada ao meu trabalho. A minha paixão é a minha família, é o meu hobby preferido, passar o final de semana em Poxoréo-MT, perto das pessoas que mais amo.
    café com admMinimizar