O relacionamento com pessoas que acham você difícil

Comentários negativos, diferenças de ponto de vista, discordâncias fazem parte do dia-a-dia profissional. Aprenda a se relacionar e a lidar com pessoas que acham você difícil. Desde que ingressamos na escola e ao atingir determinada idade, começamos a nos preocupar com a nossa imagem, procuramos construir uma reputação na escola, sendo ela por parte das garotas (os), dos estudos ou até mesmo por baderna. Não é diferente no mundo profissional. Sua reputação é um dos principais elementos na formação da sua imagem, uma boa reputação abre inúmeras portas, enquanto uma reputação negativa obstrui vários caminhos. Então, como devemos nos relacionar com aquelas pessoas que nos acham difíceis? Um dos conceitos existentes na administração a respeito do gerenciamento de nossa imagem chama-se halo effect (efeito halo), o qual define-se por ser as generalizações feitas a respeito de alguém que distorcem a percepção que temos desta pessoa. Ou, ainda no significado de sua palavra, jogar a reputação de alguém pelo halo, denegrir sua imagem para que seja vinculada a impressão que tudo nessa pessoa seja negativo. Podemos considerar a impressão negativa como uma característica que sobrepõe todas as nossas qualidades. Receber a reputação de ser uma pessoa difícil pode nos comprometer muito, pois a palavra difícil pode dar origem a inúmeras interpretações a partir da simples indagação: difícil por quê? A disseminação dessa má reputação de difícil e de sua interpretação pode acarretar sérias conseqüências, desde a exclusão de algum grupo, até propostas de empregos negadas, bem como provocações vindas de outras pessoas. Depois de exemplificar e definir o quanto é destrutivo a vinculação de uma imagem de difícil, vamos agora a nossas reações comportamentais perante tal fato. É de imediato, e própria reação nossa, como uma autodefesa, negarmos aquele fato e acusarmos que todos estão errados, reforçando assim a imagem que os outros têm de nós. Contudo, podem sim estar todos errados, mas cabe a você raciocinar que existe em sua personalidade pontos cegos que são alheios a nossa visão, mas que outros podem enxergar. São exatamente esses pontos cegos que devemos descobrir para uma boa vivência no ambiente profissional. Fique atento quanto a sua forma de se expressar quando está se comunicando: como está sua expressão corporal, seu tom de voz e, principalmente, as palavras que usa em um diálogo, procure distinguir se não está utilizando expressões ou palavras que indiquem que está sempre pronto para o confronto. Perceba que existe uma grande diferença entre personalidade agressiva e assertiva. Enquanto a assertividade se baseia na autoconfiança, a agressividade se baseia na insegurança. Vincule a assertividade à sua personalidade através de atitudes como ter coragem de expressar sua opinião, mesmo quando todos se põem contrários. Fale calmo e pausadamente, busque soluções para problemas existentes e não os camufle. Não querer ter sempre a razão: dar sugestões e não ordens. Mesmo com todas essas dicas você não conseguir identificar o seu ponto cego peça ajuda a um amigo, a alguém de sua confiança. Acima de tudo, esteja certo e pronto para ouvir respostas sabendo que é extremamente importante não confundí-las com acusações e sim como ferramentas para o seu desenvolvimento. Portanto, comentários negativos, diferenças de ponto de vista e discordâncias fazem parte do dia-a-dia profissional. Estamos em contato com pessoas com estilos de comunicação, crenças e valores diferentes dos nossos. Então, quando detectar algum tipo de comentário maléfico atenuado a sua pessoa, que esteja prejudicando sua carreira ou até mesmo um projeto seu, procure chamar essa pessoa para o diálogo. Diga que tem consciência de suas diferenças, que está disposto a colocá-las de lado para que possam realizar um bom trabalho. Se persistir nas acusações, é hora de ignorar, não entrar em discussão para não fundamentar tais acusações. Cabe a você mostrar finalmente, que o procurou para o diálogo: demonstre de forma confiante seu ponto de vista e que está aberto a críticas como uma forma construtiva de crescimento e apto a mudanças, deixando claro a todo o momento: que você busca soluções e não vencer disputas. Fonte de pesquisa: http://vocesa.abril.com.br/home/index.shtml
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.